Linguagem corporal

Atente-se à linguagem corporal durante uma negociação

Certamente você já deve ter escutado a frase “o corpo fala”. Isso vale em qualquer situação, até mesmo numa negociação. A linguagem corporal é algo que pode ser aprendido, tanto como a expressão como a interpretação dos sinais do corpo. Para isto, porém, é necessário estar atento aos movimentos, na sua própria postura e na de seu interlocutor.

A linguagem corporal pode ajudar em situações nas quais se lida com decisões ou se está sob pressão, com a interpretação em pequenas nuances. Baseado no livro “A linguagem corporal no trabalho”, de Allan e Barbara Pease (Editora Sextante), vamos demonstrar algumas dicas principais para auxiliar a comunicação corporal numa negociação.

– Cabeça: Incline a cabeça ao escutar. Este gesto irá inspirar confiança em seu interlocutor; assentir com a cabeça certificará o outro que você está interessado e ouvindo. Mas não faça isso de forma rápida, pois o gesto pode ser interpretado como impaciência. Faça-o levemente, balançando a cabeça três vezes, para que a pessoa se sinta tranquila.

– Pernas: estes membros podem revelar o sentimento do outro em relação à conversa. Se estiverem cruzadas, seu interlocutor pode estar inseguro, mas caso estejam abertas e relaxadas, a pessoa tende a aceitar o negócio ou pretende dominar a situação.

– Cotovelos: ao se sentar para uma negociação, mantenha os cotovelos inclinados sobre os apoios da cadeira. Essa postura denota imponência e ao mesmo tempo integridade. Por outro lado, quem fica com os braços caídos pode demonstrar insegurança e fragilidade.

– Ofereça um café: ao fazer isto, observe como o outro se comporta. Quando ele der o primeiro gole, caso tenha insegurança, segurará a xícara frente ao corpo formando uma barreira com o braço. Se estiver segura, a pessoa tende a deixar o copo sobre um apoio.

– Imite o outro: imite a linguagem corporal do seu interlocutor para que se crie uma afinidade. Faça isso sutilmente, imitando o tom de voz e expressões faciais.

(Com informações da Exame.com)

Comunicação no ambiente de trabalho

A importância da comunicação eficaz nas organizações

A comunicação é um dos pontos principais que asseguram o equilíbrio organizacional. Por isso, é importante que o responsável pela emissão de uma mensagem tenha segurança de que ela foi apreendida da maneira correta por seu receptor.

No âmbito profissional, é essencial que haja formalizações de mensagens. Desta forma, para evitar mal entendidos em e-mails ou atas institucionais, se faz necessário usar a norma culta do português, coerência e coesão no texto. Há algumas formas para se fazer entendido e para que a mensagem cumpra o seu objetivo, que é informar a outra parte deste canal.

Certifique-se que a mensagem escrita esteja clara e objetiva. Depois, cheque o feedback desta mensagem, garantindo que ela foi compreendida. Caso não tenha sido, repasse-a, desta vez de um modo ainda mais inteligível.

Lembre-se que as pessoas são diferentes e possuem distintos significados atribuídos a palavras, modos de agir e de pensar, que foram moldados junto à sua personalidade no decorrer da vida, entre outros fatores, como cultura, valores e crenças. Sabendo disso, conheça o seu interlocutor para se expressar melhor.

A comunicação eficaz nas organizações permite que a cultura de uma empresa seja perpetuada, tornando-a mais sólida, e ainda garante que se tenha atenção com o que realmente importa: os resultados finais de toda a equipe.

(Com informações do IBC Coaching)

Apresentações em público

Os 7 erros das apresentações em público

Apresentar-se é uma tarefa que para alguns ocorre naturalmente, porém, é uma habilidade que pode ser aprendida se houver dificuldade. Confira algumas dicas que irão ajudar a evitar erros em palestras, apresentações em público de projetos, eventos ou reuniões:

1- Falta de conteúdo – Antes de falar em público, é essencial que se estude o assunto a ser apresentado. A falta de conhecimento sobre o tema tratado é algo que se torna evidente em público e nenhuma técnica pode substituir o despreparo.

2- Autossabotagem – É preciso eliminar a autocomiseração e falta de autoestima. Não se diminua perante este desafio e evite frases do tipo “ninguém vai gostar de mim, ninguém vai prestar atenção”. Prepare-se da forma correta e assim sentirá segurança.

3- Falta de planejamento – De posse do conteúdo a ser apresentado, a próxima etapa é criar um método para que as pessoas o compreendam.

4- Não conhecer o seu público – Conhecer o seu interlocutor é uma parte importante para se obter uma apresentação de sucesso. Isso porque é imprescindível usar a mesma linguagem do público. Não é necessário mudar o seu jeito de ser, apenas a abordagem. Por exemplo: uma plateia idosa prefere ouvir histórias, são mais saudosistas; já o público universitário busca algo que o desafie.

5- Piadas – Se o humor não é o seu forte, não tente usá-lo para entreter o seu público. Além disso, o humor é algo muito particular e às vezes pode ser até ofensivo. Portanto, evite se puder.

6- Forçar o público a cumprimentá-lo – Não faça isso, pois é algo muito irritante. Você com certeza já participou de algum evento no qual o palestrante pediu que as pessoas repetissem várias vezes “bom dia!”, e emendou, “mas que bom dia fraco, não tomaram café?”. Há outras maneiras mais interessantes de ganhar a atenção.

7- Querer agradar a todos – Não é possível obter a satisfação de todos. Estude, planeje, ensaie, se prepare, faça o que estiver a seu alcance, mas tenha em mente que inevitavelmente alguém não ficará contente com o resultado final. O seu objetivo deve ser agradar boa parte do público.

(Com informações do site Fale bem em público)

Comunicação no ambiente de trabalho

Como melhorar a comunicação no ambiente de trabalho em 5 passos

No ambiente profissional, é importante que a comunicação seja feita de modo objetivo e claro para que se evitem conflitos pessoais e entre equipes. A falta de habilidade para se expressar pode resultar no atraso do andamento do trabalho e também do próprio desenvolvimento profissional. Algumas dicas, no entanto, tornam a comunicação mais fácil e produtiva.

Essas sugestões se dirigem tanto a colegas de trabalho quanto a subordinados ou supervisores. Veja:

– Tenha um objetivo de comunicação. Antes de começar a tratar sobre determinado assunto, tenha em mente o que espera alcançar. Assim, seja incisivo com seu interlocutor, mostrando a ele o que pretende.

– Considere a opinião de seu interlocutor. Aqui, esteja preparado para ouvir a opinião e não o interrompa. Faça mais perguntas para entender melhor o ponto de vista do outro e evitar interpretações equivocadas. No mais, escute, deixe claro para a pessoa com quem está conversando que a opinião dela é importante. É essencial também que se saiba o momento de ficar calado e o de falar.

– Fique atento à linguagem corporal. O cérebro humano está condicionado a interpretar movimentos e expressões corporais antes mesmo do que a própria voz. Portanto, observe se enquanto fala a sua postura corporal coincide com o que quer comunicar.

– Faça críticas objetivas. Se houver críticas a fazer sobre algo, faça-o ressaltando o comportamento e não direcione a crítica a seu interlocutor. Muito mais fácil do que tentar mudar a personalidade de alguém é mostrar ao outro como a atitude que está causando problemas poderia ser diferente. Mantenha sempre o respeito e se quiser também ser respeitado, evite o uso de sarcasmo e ironia em suas falas.

– Tenha empatia. Pessoas têm diferentes visões de mundo, que podem depender da forma como foram criadas, seus valores, suas crenças e outros pontos que moldam a maneira de enxergarem as coisas. Por isso, tente se colocar no lugar do outro para perceber como a informação que deseja comunicar será recebida. O ponto crucial aqui é pensar como gostaria de ser tratado se estivesse no lugar do outro.

(Com informações do site Exame.com)

Apresentações em público

4 dicas para usar o humor nas apresentações em público

Utilizar o humor como forma de interagir com o público pode ser uma maneira eficiente de transmitir a mensagem desejada. O livro “Enjoyment of Laughter”, traduzido como o “Prazer do Riso”, do escritor americano Max Eastman, traz 4 leis do humor. Essas dicas, se usadas adequadamente em suas apresentações, poderão fazer de você um grande orador. Veja:

1) Brinque

Uma coisa leva a outra: só se pode divertir o outro quando se está brincando. Por isso, para deixar o seu público mais relaxado, procure ser espontâneo, leve e descontraído. Assim, a plateia entrará de modo natural no clima e achará graça em suas piadas.

2) Coisas negativas podem ser engraçadas

Um artifício muito útil para falar em público sobre assuntos delicados e difíceis é usar o humor. Com certeza você já passou por alguma situação que no momento em que a vivenciou foi um tanto dolorosa, mas depois de algum tempo, foi possível até rir ao se lembrar. Introduzir toques de humor em acontecimentos negativos pode ajudá-lo em sua fala ao público, porém, é necessário ter sensibilidade para fazer isso na hora certa.

3) Libere a criança que existe em você

Com certeza você já escutou que em cada um de nós ainda vive uma criança. As crianças, devido à sua pureza e inocência, têm a capacidade de se divertir, brincar e achar graça em tudo. Ao fazer brincadeiras e usar de humor em sua apresentação em público, você irá liberar a sua criança interior e dará a oportunidade da sua plateia sentir o mesmo por meio dessa atmosfera agradável e divertida.

4) Cada um tem o seu grau de humor

Não desanime se perceber que alguém não riu de sua piada ou brincadeira, enquanto outros riram facilmente. Isso acontece porque as pessoas são diferentes e, por esse motivo, coisas diferentes afetam o seu humor.

(Com informações do site Oratória & Liderança)

redes_sociais

Redes sociais: como manter a postura profissional adequada?

Manter uma postura profissional é algo essencial para ser reconhecido como um bom colaborador e colega de trabalho. Mais do que ser exímio no que se exerce, pequenas atitudes no ambiente profissional fazem toda a diferença. Cumprimentar a todos, não se exacerbar ao falar, evitar comentários pessoais, inclusive nas redes sociais, por exemplo, são ações que cada um que está inserido no mercado de trabalho deve ter para que o clima seja o mais agradável possível.

Em tempos nos quais as redes sociais ganham a atenção no período ocioso, é importante adotar uma conduta adequada também na vida virtual. Assim, é necessário estar atento às postagens, curtidas e compartilhamentos. Abaixo, seguem algumas recomendações que servem tanto para a vida real quanto virtual:

– Cuide da sua imagem pessoal: como numa vitrine, você estará exposto a todos que tiverem acesso à internet. Dessa maneira, a foto do perfil na rede não pode ser muito extravagante se desejar transmitir uma boa impressão. Evite fotos em situações de lazer, como na praia ou numa festa; usando camiseta do time preferido; roupas justas ou decotadas, entre outros.

– Evite expor episódios muito íntimos da sua vida privada: se não tem coragem para falar algo pessoalmente, não o faça na rede social. Não escreva desabafos, indiretas, casos que possam gerar picuinhas e fofocas. Muitos exageram e acabam se expondo demais, desse modo, saiba se resguardar.

– Cuidado com o que “curte” na rede: a exposição nas redes sociais não se limita a postagens e fotos. Quem utiliza as redes sociais pode visualizar o que o colega “curte” e os grupos que participa. Estes rastros deixados na internet podem revelar parte de sua personalidade que não deseja expor, ou muitas vezes, não deveria. Assim, evite participar publicamente de eventos, grupos e curtidas que sejam vexatórias.

– Respeite a opinião alheia: se não concorda com o que o outro diz, respeite sua opinião. Todos podem ter voz nas redes sociais, mas lembre-se que ela também será amplificada e pode chegar a ouvidos que não gostaria. Não utilize linguagem ofensiva e, se não concorda, exponha sua posição sempre de maneira educada.

– Não perca tempo: perceba se não passa muito de seu tempo online. Com a impressão de que cada vez há menos tempo para se cumprir com todas as obrigações, some todos os momentos em que permanece conectado e veja se não poderia fazer outra tarefa mais importante. Se ficar online durante o trabalho, por exemplo, isso pode significar a seu chefe ou mesmo a um recrutador, que não está utilizando bem o seu tempo ou que o trabalho não é interessante e importante para você.

Esses exemplos de conduta nas redes sociais mostram o que não deve ser feito para que não haja prejuízos profissionais para as pessoas. Com a crescente relevância que as redes sociais têm no cotidiano de muitos, alguns não se dão conta como alguns fatos online resvalam em nossa convivência íntima com amigos, familiares e, obviamente, na vida profissional.

(Com informações do portal Terra)

Postura profissional

5 dicas para uma boa postura no trabalho

Já é sabido que a conduta pessoal no trabalho é um ponto muito valorizado pelos empregadores. Apenas exercer perfeitamente as tarefas que lhe cabem não é suficiente, por isso, uma postura profissional adequada é essencial para o bom convívio com os colegas e superiores. Atitudes simples podem impactar no ambiente de trabalho e melhorar, inclusive, todo o desempenho profissional. Veja 5 dicas para ter uma boa postura no trabalho:

1) Aparência

Aqui não se trata apenas da aparência pessoal. Estar sempre bem arrumado, com roupas adequadas ao ambiente de trabalho, é algo básico. Tudo o que diz respeito a você conta como aparência: pertences, mesa organizada e, se for o caso, a decoração do escritório ou da sala. Atente-se aos locais que se reúne com parceiros e clientes e prefira deixar objetos muito pessoais como fotografias de familiares ou hobbies de coleção, para seu convívio pessoal. O visual é um aspecto que pode gerar uma ideia distorcida daquilo que se quer transmitir ao outro.

2) Cordialidade

Trate os colegas de trabalho com gentileza e educação. Um “bom dia” e “obrigado” fazem muita diferença no convívio. O local de trabalho é onde geralmente as pessoas passam a maior parte do dia, até mais tempo do que com os familiares, assim, é essencial que seja um ambiente agradável, com atitudes que partam de você.

3) Atenção ao colega

Esteja aberto a conversa, sorrindo e mantendo a postura corporal alinhada. O tom e altura da voz são pontos importantíssimos. Fale com a voz firme e clara, porém, não de forma impositiva, mas de modo que a segurança transpareça em suas palavras. Estar disposto a ouvir críticas, sugestões e ideias do outro, demonstrando atenção, é algo que irá criar relações de confiança com seus colegas.

4) Saiba separar o íntimo e o profissional

É essencial que se tenha limites no tratamento com os colegas de trabalho. Não tente forçar intimidade ou fazer comentários muito pessoais. Naturalmente, laços de amizade podem nascer neste ambiente, porém, é necessário que se tenha comedimento no local de trabalho. Evite também atender muitas ligações pessoais. Não é necessário e nem elegante que todos ao redor saibam tudo o que ocorre em sua vida particular.

5) Boa conduta profissional

Seguindo essas recomendações de conduta no trabalho, mostrará seriedade e comprometimento profissional aos colegas e superiores. Assim, será lembrado de maneira positiva e o crescimento se dará como consequência natural de toda a boa conduta. Prossiga e sempre mantenha a postura profissional para chegar ao lugar que deseja.

(Com informações do Empregos.com)