Organização de ideias

Articular bem as ideias faz a diferença na comunicação

Diante de um mercado de trabalho cada vez mais competitivo, ter uma boa oratória é considerado um fator determinante para uma contratação ou promoção de cargo. Quem sabe se expressar bem e articular as ideias de modo lógico, coeso e coerente sai à frente de seus concorrentes.

A oratória consiste numa série de regras e técnicas de discurso, de modo que o orador possa informar, entreter, emocionar, em suma, envolver o seu interlocutor. Como início de uma comunicação eficaz, cinco perguntas básicas devem ser feitas antes de formular o texto de seu discurso: quem diz, o que, para quem, onde e por quê.

Com origens na Grécia Antiga, a oratória era ensinada para os que desejavam falar publicamente no tribunal ou na política por meio dos ensinamentos dos sofistas e, mais tarde, por Aristóteles, Platão e Sócrates.

Os bons oradores são aqueles que, além de saber se expressar bem, conseguem mexer com as emoções de seu público. Nomes como Bill Clinton, Martin Luther King, Abraham Lincoln, John Kennedy, só obtiveram sucesso em suas carreiras como políticos graças ao recurso da oratória.

O conhecimento de técnicas de oratória é extremamente importante para se destacar e, assim, alcançar o sucesso desejado.

(Com informações do Portal Exame de Ordem)

A importância de se comunicar bem

Armas de comunicação: persuasão, oratória e carisma

A persuasão é um recurso de comunicação usado para convencer as pessoas sobre alguma ideia, uma atitude ou praticar uma ação. Esse convencimento é feito sob o uso de argumentos lógicos ou de apelo emocional.

No mercado de trabalho, a persuasão se torna um fator essencial para se destacar, mostrando suas crenças e valores para a empresa que você atua, clientes e fornecedores. Junto à credibilidade, atitudes que geram sentimentos positivos e o conhecimento de valores do outro, você conseguirá ser persuasivo e influenciar o outro de maneira saudável.

Além da persuasão, o carisma é fundamental para quem quer dominar a arte da persuasão. Pessoas carismáticas sorriem com facilidade, dizem o que o ouvinte quer escutar, transmitem energia positiva, falam com clareza e objetividade, são alegres e demonstram confiança.

Para melhorar o seu nível de persuasão e carisma, no entanto, é necessário dominar algumas técnicas de oratória. Selecionamos alguns exercícios fáceis para você praticar em sua casa:

1- Leia notícias em frente ao espelho como se fosse um apresentador ou locutor de rádio. Interprete textos e poemas, com entonação e vozes diferentes. Se possível, grave seu exercício para analisar seu gestos, postura e voz;

2- Assista a filmes e preste atenção aos diálogos, movimentação dos atores em cena, expressão facial e tom de voz;

3- Nos telejornais, perceba como a voz dos apresentadores junto à postura e outros recursos audiovisuais se casam, dizendo muito em pouco tempo;

4- Em comerciais de TV, analise os argumentos de venda utilizados para o convencimento;

5- Assista a seminários, cursos e palestras para aprender técnicas de comunicação;

6- Pague micos e dê risada. Cante num karaokê com amigos, veja uma boa comédia e aproveite o lado lúdico da vida.

A persuasão e o carisma do emissor da mensagem são partes de uma comunicação bem estruturada. Comunicando-se melhor, há mais chances de se conquistar o emprego desejado ou mesmo manter a sua posição atual.

(Com informações do iBahia)

Linguagem corporal

Aprenda a entender a linguagem corporal

A maneira como nos portamos é tão importante quanto o que dizemos em todas as esferas de relacionamentos pessoais. Seja no trabalho, com amigos ou familiares, se deixamos de lado a percepção da linguagem corporal, perdemos o entendimento da mensagem como um todo. No âmbito profissional, o sucesso pode até ser adiado em decorrência dessa desatenção.

Para aprender essa linguagem é necessário, antes de tudo, conhecer o próprio corpo com algumas medidas simples que ampliarão a capacidade de compreender como funciona a comunicação não verbal. Veja a seguir:

– Faça atividades ao ar livre: a primeira dica é ter um tempo para praticar atividades ao ar livre como, por exemplo, uma caminhada no parque. Nesta oportunidade, perceba como caminha, o modo como se encontra com outras pessoas no espaço e sinta a temperatura do tempo em sua pele.

– Desenvolva consciência corporal: para entender e transmitir mensagens corporais é preciso que você conheça um pouco sobre o funcionamento do próprio corpo. Assim, procure uma literatura que explique sobre anatomia como forma de entender o que acontece por baixo da sua pele.

– Procure atividades físicas não convencionais: em vez de ir para a academia, tente praticar outra atividade física que permita conhecer melhor o seu corpo, como a dança, o teatro, o circo ou outros esportes ao ar livre.

Ao sair do ambiente comum de trabalho e se conectar com o mundo exterior, a percepção do próprio corpo e a do outro se faz aumentada. Dessa forma, a consequência será um melhor domínio sobre suas gesticulações e postura, adequando-as ao seu discurso, e uma maior compreensão sobre o que os outros têm a dizer não verbalmente.

(Com informações da Exame.com)

Apresentação em público

3 dicas para fixar a atenção do público numa apresentação

Atenção é algo extremamente custoso de se conseguir atualmente, principalmente quando é preciso dividi-la com smartphones. Não existe um estudo preciso sobre quanto tempo contínuo um espectador permanece atento a uma explicação, mas Susan Weinschenk, autora de “Apresentações Brilhantes” (Editora Sextante), acredita que seja em torno de 7 minutos. Após o decorrer deste curto período, o palestrante ou apresentador precisa usar suas habilidades para reconquistar a atenção dos ouvintes.

No livro em questão, Susan fornece algumas recomendações para aqueles que buscam reter a atenção de sua plateia. Veja a seguir como conseguir isso com três pequenos truques usados por experts em apresentação:

1- Faça breves intervalos: se a palestra tiver duração estimada maior que uma hora, programe um intervalo. Cinco minutos pode ser o bastante para arejar os pensamentos do seu interlocutor para que o conteúdo enunciado seja facilmente apreendido por ele.

2- Promova interação: atividades interativas são úteis para ganhar a atenção da plateia. Peça para seu público desenhar, escrever ou proponha pequenas discussões. Outra dica para interagir com sua plateia é fazer perguntas para as pessoas, assim, o discurso é quebrado e não se torna maçante.

3- Conte histórias: pequenas narrativas interessantes e pertinentes ao assunto destacado são formas eficazes de fixar a atenção. Ao falar, modifique sua posição no palco vez ou outra.

No mais, procure sempre alterar a forma como fala ou se porta a cada sete minutos, tempo estimado em que as pessoas costumam “perder” a atenção. Assim, você terá mais chances de obter sucesso em reter a atenção do seu público e atingi-lo com sua mensagem.

(Com informações da Exame.com)

Dificuldade em escrever

Profissionais e até executivos sofrem na hora de escrever

As dificuldades com a escrita parecem cada vez mais evidentes, inclusive no meio corporativo. Profissionais de todos os níveis sofrem para elaborar propostas comerciais, relatórios e até simples e-mails.

Prova disso é o resultado de uma pesquisa feita recentemente pela RZT Comunicação: 84% das pessoas admitiram ter esse problema e reconheceram a necessidade de aprimoramento.

Participaram do levantamento profissionais das áreas de Comércio Exterior, Comunicação, Consultoria Empresarial, Educação, Finanças, Gestão, Palestras, Recursos Humanos, Saúde e Tecnologia da Informação.

“A maioria apontou a dificuldade geral de escrever, de colocar as ideias no papel. Outros identificaram problemas como falta de clareza e objetividade”, afirma Almir Rizzatto, diretor da RZT Comunicação.

A insegurança é tanta que, quando questionados se tinham interesse em escrever um livro, 88% disseram que sim, mas só se contassem com ajuda de um profissional.

De acordo com Rizzatto, que ministra cursos de escrita e criou um treinamento online, o problema atinge profissionais, inclusive os que ocupam cargos de chefia, liderança e diretoria. “Já vi executivos com enorme dificuldade, tanto na estruturação do texto quanto com a própria Língua Portuguesa.”

Prejuízo para todos os lados

A deficiência em comunicação gera danos tanto para empresas quanto para empregados. Uma pesquisa feita pelo Project Management Institute Brasil (PMI), com 300 companhias nacionais e multinacionais, mostrou que em 76% das organizações os projetos não dão certo porque os funcionários não sabem escrever nem falar bem.

“E profissionais com essa dificuldade, obviamente, têm menos chances de serem contratados e promovidos. Ser um bom comunicador é fundamental para ter uma carreira de sucesso, até porque nos comunicamos o tempo todo, seja internamente, com clientes ou nas redes sociais”, lembra Almir Rizzatto.

Apresentação em público

4 formas de vencer a apatia da plateia numa apresentação em público

Às vezes, nem mesmo uma apresentação em público bem preparada e um conteúdo afiado é capaz de prender a atenção de uma plateia. A apatia e o aparente enfado do público é explicado pela psicóloga Susan Weinschenk no livro “Apresentações brilhantes” (Editora Sextante). Para ela, há uma razão principal para isso: somos preguiçosos.

O ser humano aprendeu com anos de evolução que, se ficar mais tempo inerte, terá mais chances de sobreviver por muito mais tempo do que se estiver ativo.

Susan mostra no livro como vencer essa barreira imposta por milhões de anos de evolução com dicas para aplicar nas apresentações em público. São 4 simples maneiras de chamar a atenção dos seus interlocutores. Confira:

1. Recompense seu público

Estude o perfil de sua plateia e veja como pode estimulá-la. Os prêmios podem ser brindes, chocolates ou mesmo um elogio. Use o chamado “estímulo variável”: em vez de recompensar o público sempre que ele participar, faça-o aleatoriamente. Essa imprevisibilidade os deixará mais instigados.

2. Dê autonomia

Caso proponha alguma atividade, permita que as pessoas tenham autonomia para se organizarem da forma que quiserem. As pessoas gostam de ser independentes e a sensação de autonomia proporciona mais segurança. Por exemplo, se for fazer um jogo, deixe que organizem seus times sozinhos.

3. Crie competições

As pessoas são naturalmente competitivas, assim, se você criar jogos entre pequenos grupos, elas se sentirão mais estimuladas. Quanto menor for a sua plateia, mais chances desta técnica funcionar, isto porque, segundo a psicóloga, quando temos poucos concorrentes nos sentimos mais motivados.

4. Permita o contato social

Tarefas em grupo costumam ter mais resultados que as individuais porque o ser humano é naturalmente estimulado a travar contato social. Deixe que as pessoas conversem como trabalharão juntas e permita que discutam sobre o conteúdo abordado na palestra.

(Com informações da Exame.com)

Comunicação eficaz

6 pilares da comunicação eficaz

Presente em nossas vidas em todas as esferas que nos rodeiam, a comunicação nos impacta diariamente. Ao mesmo tempo em que afetamos os outros, somos afetados continuamente pela comunicação, seja nas relações pessoais ou profissionais. Mesmo quando estamos calados transmitimos alguma mensagem às pessoas ao nosso redor.

A comunicação oral, no entanto, é uma característica exclusiva do ser humano e é por meio dela que mantemos a maior parte do contato com outros indivíduos. Por esse motivo, é tão importante que a transmissão de uma mensagem seja feita de modo claro e efetivo. Antes de listarmos aqui os seis pilares que sustentam uma boa comunicação, observe se a interação com as pessoas de seu convívio tem sido eficaz e veja quais pontos você pode melhorar.

1- Seja assertivo: a assertividade na comunicação é o ponto-chave. Para ter sua opinião levada a sério pelo outro, é necessário assumir uma postura respeitável e expor bons argumentos. Assim, estará seguro e confortável ao articular uma ideia.

2- Mantenha a mente aberta: ter a mente aberta para novas ideias e perspectivas não quer dizer falta de personalidade ou confiança em si, ao contrário, significa que você é uma pessoa inteligente e perspicaz para procurar alternativas a problemas. Se manter preso a somente uma ideia ou conceito, limita seus horizontes. Desta forma, enxergue além e considere a opinião alheia, mesmo que for diferente da sua.

3- Seja autêntico: antes de querer agradar o outro, é importante ser autêntico. Muitas vezes, por receio de criar resistência em nosso interlocutor, podemos até dissimular algo ou uma ideia que não acreditamos. Por conta disso, a mensagem não transmite solidez e confiança, porque nem o seu próprio emissor acredita nela. Desse modo, tenha coragem para expor o que acredita e articule o seu discurso da melhor forma, com segurança e firmeza.

4- Tenha empatia: este ponto é essencial para que haja sintonia entre os participantes de um diálogo. Se colocar no lugar do outro faz com que os indivíduos “falem a mesma língua” e melhora o entendimento de ambas as partes.

5- Seja claro: uma boa comunicação muitas vezes não se faz com um discurso impecável, com palavras rebuscadas e fala incomum, mas sim de maneira que o outro tenha entendido e absorvido o conteúdo da mensagem. Por isso, observe se está se comunicando de forma clara, objetiva, se não está sendo ambíguo ou sugerindo alguma dúvida.

6- Ouça o outro: uma conversa entre duas ou mais pessoas é chamada diálogo. Quando somente uma pessoa fala e as outras permanecem caladas é dado o nome de monólogo. Assim, preste atenção se você dá abertura para o outro falar e, quando ele se expressar, se mostre interessado.

Seguindo estes pontos de apoio, você terá grandes chances de obter uma comunicação eficaz. Agora, pratique com seus familiares, amigos e colegas de trabalho a habilidade de se comunicar.

(Com informações do site Administradores)