Artigo: 5 ações motivadoras na gestão de talentos

*Por Erik Penna

Manter a união e os bons resultados de uma equipe exige uma gestão que motive e inspire a confiança de seus colaboradores. Um profissional que trabalha feliz e satisfeito estará sempre focado em alcançar suas metas e aceitará novos desafios para se superar. Seguem abaixo cinco ações que a gestão deve ter para motivá-los:

1 – Desafio

 “Aquele que procura pérolas deve mergulhar fundo.” (John Dryden)

A maioria dos profissionais potencializa sua performance quando desafiados e colocados à prova. São os “apaixonados por recordes”, profissionais que amam o que fazem e estão continuamente em busca da superação. Portanto, identifique estes em seu grupo e lhes propicie fatos novos, que fujam da rotina, que exija um algo mais.

Momentos instigantes para provarem e mostrarem seu potencial

O líder motivador é aquele que encara os desafios como uma grande oportunidade e transmite isso à sua equipe, elevando as expectativas de todos. Ao utilizar desafios para motivar, lembre-se que a meritocracia é fundamental para que seu time continue a agigantar os resultados.

2 – Reconhecimento

Por que economizar elogios? Já parou pra pensar como algumas pessoas são fortemente impulsionadas quando reconhecidas publicamente? Além de não custar nada, um elogio faz maravilhas e é um estímulo poderoso, que motiva as pessoas e as tornam ainda mais dedicadas e esforçadas.

Repare que, quando você faz um elogio merecido e verdadeiro a uma pessoa, além de agradá-la, você faz com que ela se preocupe em fazer jus às suas palavras e, assim, manter a reputação sobre o que foi dito.

3 – Treinamento

 “Quanto mais você sua nos treinamentos, menos você sangra no campo de batalha.”

(Colonel Red)

Aposte na constante capacitação dos seus colaboradores. Isso proporciona a eles uma maior confiança e credibilidade para abordar o cliente, argumentos variados para vencer as objeções e um repertório de técnicas para aumentar os resultados.

Prefira cursos e treinamentos que estimulam a parte pragmática, enfatizam os exemplos práticos e interativos. Isso gera fácil assimilação e aplicabilidade imediata dos ensinamentos. O treinamento realça o conhecimento e ninguém ama aquilo que não conhece.

Lembre-se da frase de um campeão mundial de golfe, Tiger Woods: “Quanto mais eu treino mais sorte eu tenho”.

4 – Acompanhamento

O que provavelmente acontece com as notas escolares do filho se os pais não se interessam?

Para manter o bom desempenho é fundamental se interessar, apoiar, ajudar o time e emitir feedback para as pessoas ao seu redor. Comandar não é apenas cobrar e criticar. Afinal, estrutura muito rígida normalmente desestimula.

É primordial haver reuniões e encontros periódicos e interessantes com data e hora previamente marcados, onde o líder estabeleça claramente as metas. Permita que todos tenham um momento para falar e apresentar seus resultados, pois participação gera comprometimento. E, acima de tudo, não se esqueça de celebrar as vitórias!

5 – Foco

 “Se você acredita que pode, você tem razão. Se você acredita que não pode, também tem razão.” (Henry Ford)                                                                                                

Um grande líder dá o exemplo, atinge suas metas, inspira e transforma pessoas e resultados. Aliás, meta é saber AONDE quer chegar, planejamento é saber COMO fazer para chegar lá.  Sua equipe jamais pode perder o foco. É preciso ter a meta clara em mente e persegui-la até atingir.

Confira sempre o nível de disciplina e persistência da sua equipe. Afinal, estes dois ingredientes é que vão ligar o sonho à realização.

* Erik Penna é palestrante motivacional, especialista em vendas, consultor e autor dos livros “A Divertida Arte de Vender”, “Motivação Nota 10” e “21 soluções para potencializar seu negócio”. Site: www.erikpenna.com.br

Sobre Erik Penna

É palestrante motivacional, especialista em vendas e consultor. Possui MBA em Gestão de Pessoas pela Fundação Getúlio Vargas, pós-graduação em Administração e Marketing pela Universidade Paulista e graduação em Economia pela Universidade de Taubaté.

Aborda nas palestras ensinamentos baseados nas experiências vivenciadas por ele durante a sua carreira como executivo de vendas, professor, escritor, motivador de equipes e gestor corporativo. É autor dos livros “A Divertida Arte de Vender”, “Motivação Nota 10”, “21 soluções para potencializar seu negócio” e coautor dos livros “Gigantes das Vendas” e “Gigantes da Motivação”. Site: www.erikpenna.com.br

Atendimento à imprensa

Patrícia Arantes – RZT Comunicação
www.rztcomunicacao.com.br
patricia@rztcomunicacao.com.br
Fones: (11) 5051-8142 / 99873-6008

Comunicação Interpessoal

9 dicas para desenvolver a comunicação interpessoal

Além de um vocabulário claro e adequado, a forma de se expressar complementa o bom desenvolvimento da oratória. Desta forma, o modo de agir é tão importante quanto o de falar e uma boa prática de comunicação interpessoal pode transformar a sua imagem pessoal e profissional.

A princípio esta preocupação parece irrelevante, já que o modo de se expressar faz parte da fala. Mas, em certos ambientes, como o corporativo, não podemos agir de qualquer forma. Por isso, seguem nove dicas abaixo para que você consiga aprimorar esta prática:

1- Troque algo além de palavras

A comunicação interpessoal vai muito além das mensagens verbais. É interessante, junto com as informações, exercer empatia (capacidade de se colocar no lugar do outro) e tentar ter uma visão dos fatos que talvez você ainda não tenha.

 2- Aprenda com seus interlocutores

A comunicação é uma troca de ideias. Estando aberto para se comunicar, prepara-se o campo para receber aprendizados. Ou seja, acontece uma troca de experiências que torna as informações muito mais ricas e relevantes.

 3- Repense seus paradigmas

Ao longo da vida criamos paradigmas que se concretizam em nossas ideias. Mas, ao desenvolver a comunicação interpessoal, fica mais fácil quebrá-los ou renová-los. Não que a outra pessoa tenha razão e você mude completamente de ideia sobre um determinado assunto, mas é possível evoluir em seus pensamentos e descobrir novos horizontes.

 4- Estimule o compartilhamento

A inibição é uma característica normal de muitas pessoas. Mas, no mundo corporativo, não compartilhar ideias pode ser prejudicial. Deixar de apresentar planos e não defender posicionamentos inibem os verdadeiros valores do profissional para a empresa. A comunicação interpessoal traz mais confiança e segurança no ambiente em que se está inserido.

 5- Incentive o networking

A prática da comunicação interpessoal é um caminho para aumentar sua rede de contatos. Com as dicas dadas acima, realizar o networking torna a tarefa muito mais fácil.

 6- O corpo fala

Entonação da voz e articulação de gestos são fatores fundamentais para uma boa comunicação interpessoal. Atente-se para demonstrar o tipo de sentimento durante a conversa: alegria, contrariedade, questionamento, etc. Isso torna a conversa mais clara e objetiva.

 7- Comunicação interpessoal para resolução de conflitos

Esta prática é uma grande aliada para resolver ou prevenir conflitos. Muitos profissionais causam discussões por se negarem a trocar ideias, desfazer equívocos e chegar a um consenso. Por isso, é importante sempre estimular o diálogo para manter a serenidade no ambiente corporativo.

 8- Melhorar o desempenho da equipe

Estimular comunicação no ambiente corporativo melhora o desempenho e conecta os colaboradores em busca de obtenção de resultados.

 9- Promova o autoconhecimento

Ao promover as práticas de comunicação interpessoal, você abre caminhos para conhecer a si e entender como os outros o enxergam.

 Com informações do site Endeavor

 

 

 

Artigo: Interpretação dificulta aplicação de multa a condôminos antissociais

Reclamações sobre vizinhos são comuns em condomínios. E quando o limite é extrapolado, a administração precisa agir. A lei até prevê punições severas para os chamados “condôminos antissociais”, mas o problema é a interpretação do termo, alerta Daphnis Citti de Lauro, advogado especialista em Direito Imobiliário.

O artigo 1337 do Código Civil, no seu parágrafo único, fala sobre esse tipo de morador e da aplicação de multa correspondente a dez vezes o valor da taxa condominial:“O condômino ou possuidor que, por seu reiterado comportamento antissocial, gerar incompatibilidade de convivência com os demais condôminos ou possuidores, poderá ser constrangido a pagar multa correspondente ao décuplo do valor atribuído à contribuição para as despesas condominiais, até ulterior deliberação da assembleia”.

Daphnis, entretanto, alega que o termo é vago e gera análises subjetivas. “Muitas vezes o que é incômodo para um vizinho não é para outro. A lei não detalha o que é um comportamento antissocial e isso causa dificuldades na aplicação da pena”, afirma o especialista, que também é sócio da CITTI Assessoria Imobiliária, empresa que administra condomínios, locações e atua como síndica terceirizada.

Alguns exemplos, entretanto, auxiliam na avaliação de uma conduta indiscutivelmente antissocial. Em Balneário Camboriú (SC), uma pessoa voltou ao condomínio depois de cumprir pena por prisão e costumava brigar constantemente com seus familiares, incomodando os vizinhos. Como se não bastasse, passou a jogar insetos mortos e alimentos numa sacada vizinha.

O dono do apartamento atingido reclamou e viu o denunciado invadir seu apartamento com uma faca de cozinha nas mãos, ameaçando-o. O ato deu origem a uma ação de danos morais e materiais, julgada procedente, e que foi objeto de recurso na 5ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, tendo sido a sentença confirmada por unanimidade (Apelação Cível nº 2013.088945-1).

Segundo o relator, Dr. Luiz César Medeiros, “é evidente que o comportamento relatado extrapola o normal uso da propriedade pelo réu e seus familiares, porquanto atenta contra o sossego e sensação de segurança do autor. Nesse sentido, a dignidade do requerente foi afetada, na medida em que foi tolhido de seu direito à paz e tranquilidade em seu lar”.

Sobre Daphnis Citti de Lauro

É advogado, formado pela Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie e especialista em Direito Imobiliário, principalmente na área de condomínios e locações. É autor do livro “Condomínios: Conheça seus problemas”, sócio da Advocacia Daphnis Citti de Lauro (desde 1976) e da CITTI Assessoria Imobiliária, com mais de 20 anos de atividades, que atua como síndica terceirizada.

Sobre a Citti Assessoria Imobiliária

Inaugurada em 19 de outubro de 1989, a CITTI inicialmente administrava somente locações. Posteriormente, para atender pedidos de seus clientes, passou a administrar também condomínios residenciais, comerciais e mistos, além de loteamentos. Hoje, atua como síndica terceirizada.

www.cittiimobiliaria.com.br

Atendimento à imprensa:

Almir Rizzatto – RZT Comunicação
almir@rztcomunicacao.com.br
www.rztcomunicacao.com.br
Fones: (11) 5051-8142 | 99628-1733

 

TED Talk

Apresentadores de TEDs dão 5 dicas para falar em público

Quando assistimos aos vídeos de apresentadores de TED Talk, temos a impressão de que falar em público é uma tarefa muito simples para eles. Isso porque a maioria das pessoas sente grande dificuldade em se expressar frente a um grande auditório.

Para que você aprenda a desenvolver esta prática e não tenha mais problemas em realizar uma apresentação, confira 5 dicas dos próprios apresentadores de TED Talks:

1 – Foque na respiração

 Com a respiração constante, você conseguirá manter o foco em sua apresentação, sem se perder em momento algum. Assim, passará uma imagem mais confiante. Não manter o controle da respiração transparece nervosismo e o desempenho não sai como o esperado.

2 – Seja claro

Fale de uma forma que todos do auditório compreendam facilmente. Independentemente do tipo de público para o qual você se apresenta, a mensagem deve ser passada de maneira objetiva. Por isso, use um vocabulário claro e sem complexidades.

3 – Prepare-se para imprevistos

Imprevistos podem acontecer no meio do caminho, mas você não pode deixar que isto atrapalhe sua apresentação. Caso aconteça algo fora do seu planejamento, lide com a situação e continue a sua fala. Se tratar os problemas com naturalidade eles praticamente não serão notados.

4 – Mantenha a atenção das pessoas

 Apenas falar durante toda a apresentação pode se tornar algo cansativo e desinteressante para o público. Investir em interação com as pessoas aumenta o interesse do auditório e deixa sua apresentação mais dinâmica.

5 – Pense sobre suas pausas

 As pausas durante as falas são muito importantes. Elas contribuem para o bom desenvolvimento de sua apresentação e são um tempo para que você coloque as ideias em ordem. Mas, tome cuidado, elas não podem durar nem muito e nem pouco tempo.

Com informações do Universia.

Artigo: 10 segredos para ter um relacionamento dos sonhos

*Por Bibianna Teodori

Você tem se perguntado por que algumas relações vão à falência, enquanto outras são felizes e harmoniosas?

Tendo visto a relação dos meus pais naufragar, sempre me perguntei como um casal pode ser feliz. Como deve ser e como não deve ser? Quais são os segredos de um relacionamento dos sonhos?

Assim, procurei as respostas nos relacionamentos dos meus amigos, clientes, em pesquisas e, sobretudo, em meu coração e em minhas experiências.

A boa notícia é que estas qualidades não devem necessariamente ser talentos naturais. São as competências que podem ser aprendidas e desenvolvidas.

Confira abaixo a lista das 10 principais qualidades das pessoas que têm ou já tiveram grandes relações.

1) Conseguem  deixar o passado para trás

Relacionamentos acabam e, às vezes, são experiências muito difíceis. Mas, a coisa mais importante é entender que não é preciso etiquetar-se para o que viveu nas relações no passado. Você pode ir pra frente.

As pessoas grandiosas nos relacionamentos conseguiram perdoar o precedente parceiro e desejar-lhe felicidade. Quando iniciamos um novo relacionamento, não sabemos se a pessoa atual não é a mesma de antes. E estas pessoas vivem a nova relação sem usar a anterior como exemplo e não deixam que isto atrapalhe o próprio futuro.

2) Entendem o equilíbrio de dar e receber

Sabem que cada relacionamento sólido tem um equilíbrio em dar e receber. Por muito tempo, tive dificuldade em dar muito de mim mesma. Em minhas relações anteriores, não fiz outra coisa que não tenha sido dar esperando conquistar o amor e não pensava me sentir merecedora de receber. Isto tem raízes no meu passado e na minha família. Procuro trabalhar o amor para mim mesma até quando todas as células do meu corpo entendam que em uma relação feliz tem sempre respeito recíproco e o equilíbrio entre doar e receber.

3) Sabem quando precisam de espaço

Algumas pessoas se anulam quando entram num relacionamento. Tenho certeza de que você conhece muitas mais pessoas deste tipo e a maioria provavelmente mulheres. Ou talvez tenha acontecido com você mesmo. As pessoas que se anulam no relacionamento deixam de ver os amigos, a família ou fazer as coisas que amam. Esta é a dependência afetiva e falta de equilíbrio. Um relacionamento pede espaço e solidariedade entre as duas pessoas. É preciso um momento para que façam algo sozinhos, para si, e recarregar as baterias. Importante é que o seu parceiro tenha a mesma liberdade.

4) Algumas pessoas aprendem a comunicação de jeito autêntico

A comunicação autêntica é uma habilidade que deve ser praticada diversas vezes. Não se pode chegar naturalmente às pessoas que não a conseguem senti-la com a pureza de uma criança ou têm medo de falar deles mesmos e expressar as exigências do outro. Dizer aquilo que você pensa pode ser amedrontador, mas não tanto como se você sujasse tudo, segurando dentro de si pensamentos e emoções sem expressá-las.

5) Aprendem a linguagem do amor do parceiro e a usam regularmente

Li o livro As Cinco Linguagens do Amor, de Gary Chapman. Aconselho muito a leitura a todos aqueles que querem melhorar as relações. Ele diz que existem cinco linguagens primárias do amor: as palavras das afirmações, o contato físico, a qualidade do tempo, os atos de amor e o se doar. Quando se entende a linguagem do amor do parceiro, é possível receber e ter suas exigências satisfeitas.

6) Dão risadas de si 

Às vezes é melhor ignorar os problemas e compartilhar um belo sorriso. Quando um dos dois está com raiva por algum motivo ou brigam, quebrar a atmosfera pesada com uma brincadeira ou algo assim é a coisa melhor a se fazer, para que tudo fique mais leve.

7) Criam falsas expectativas

Os nossos parceiros são seres humanos, assim como nós. Quem vive com algum, por pelo menos um mês ou algumas férias, pode perceber que isto é verdade. É injusto pretender falsas expectativas no próprio parceiro, porque todos têm defeitos, inseguranças e pontos a serem melhorados. Isto é o que os torna humanos, e é o que torna o relacionamento bonito.

8) Evitam criar proibições

A proibição é responsável por 90% dos problemas das relações, e evitá-la é um grande ato de cura. Projetamos nossas inseguranças em nossos parceiros sem perceber, porque nosso ego não consegue aceitá-los como são. Muitas vezes somos atraídos por pessoas com qualidades que queremos desenvolver em nós mesmos. No entanto, se não conseguimos desenvolvê-las, o relacionamento pode acabar nas críticas. Talvez quando você conheceu o seu parceiro, ele parecia divertido e espontâneo.  Mas, depois um tempo, teve a sensação de que ele tenha mudado e não seja o mesmo de antes. É importante entender que as relações são um meio para o crescimento.

9) Esperam e sonham coisas bonitas

As profecias se realizam se esperarmos que elas aconteçam. Precisam somente de um pouco de tempo. Se você espera que o seu relacionamento acabe, isto provavelmente acontecerá. Porque quando você acredita em algo no curso de um tempo muito longo, começa a agir da maneira como imagina que vai ser. É um mecanismo inconsciente que todos temos. Isto vale para a vida. Portanto, porque não sonhamos coisas bonitas para o nosso relacionamento? Acredite… É assim mesmo! Isto é possível.

10) Principalmente, se amam

Eles se amam. Amam o parceiro. Amam os outros. Sabem que são 100% completos e que seus parceiros os amam e os completam. Aprendem a fluir, a soltarem-se. Confiam no fluxo natural e espontâneo e, lentamente, se abrem para o grande e maravilhoso amor.

* Bibianna Teodori é Executive e Master Coach, idealizadora e fundadora da Positive Transformation Coaching. Autora do livro “Coaching para pais e mães – Saiba como fazer a diferença no desenvolvimento de seus filhos” e coautora de “Coaching na Prática – Como o Coaching pode contribuir em todas as áreas da sua vida”. 

www.bibiannateodoricoach.com.br

Sobre Bibianna Teodori

É Executive e Master Coach, idealizadora e fundadora da Positive Transformation Coaching. Autora do livro “Coaching para pais e mães – Saiba como fazer a diferença no desenvolvimento de seus filhos” e coautora de “Coaching na Prática – Como o Coaching pode contribuir em todas as áreas da sua vida”.

Possui larga experiência organizacional e trabalhou por mais de 20 anos como executiva de empresas italianas nas áreas de RH, gestão de mudanças, venda & marketing, unindo competências de liderança e transformação pessoal para aumento de desempenho.

Além da formação na Sociedade Brasileira de Coaching, com certificação pela BCI Behavioral Coaching Institute e pelo ICC International Coaching Council, fez Soul Coaching pela Denise Linn. Tem ainda certificações em Assessments Training (Disc – Motivadores – Axiologia – Valores – Psicologia Positiva), Assessment Traninig (Success Tools), Assessment Training (Universidade Quantum) e especializações em coaching de liderança e aplicado a vendas. É também palestrante internacional.

www.bibiannateodoricoach.com.br

Atendimento à imprensa:

Almir Rizzatto – RZT Comunicação
almir@rztcomunicacao.com.br
www.rztcomunicacao.com.br
Fones: (11) 5051-8142 | 99628-1733

 

 

Artigo: Apaixone-se por você, pelo que faz e descubra oportunidades incríveis

*Por Silvia Bez

Aprender a gostar de si é o primeiro passo para uma vida mais plena e feliz. No aprendizado da autoestima, a pessoa procura oferecer a si aquilo que lhe faz crescer e se sentir bem. E, estando satisfeita, ela se vê merecedora de toda a felicidade e sucesso.

Abre-se, inclusive, um leque de oportunidades internas. Até mesmo os processos de criatividade, produtividade e dedicação são aflorados. Esta paixão é o catalisador para atingirmos nossas metas pessoais e profissionais.

E todo esse bem-estar pessoal nos leva ao segundo passo, que é apaixonar-se pelo que você faz. Há uma frase de Confúcio, o mais famoso filósofo e pensador político da China, que diz: “Escolha um trabalho que você ame e não terá que trabalhar um único dia em sua vida”. A premissa é exatamente esta! Quando amamos aquilo que fazemos, automaticamente nos dedicamos de forma completa às nossas atividades.

Uma questão importante para se apaixonar pelo que faz é permitir descobrir novas oportunidades. Se ainda não está contente, saia da sua zona de conforto, descubra o que faz o teu coração vibrar e se orgulhe disso. Isso não depende de ninguém mais além de você!

Fazer o que realmente gosta não significa que não terá percalços pelo caminho. Mas, se você estiver feliz, até as adversidades funcionarão como propulsores para alcançar as metas.

É preciso tentar enxergar os problemas de uma forma mais positiva. Pessoas otimistas não encaram desafios como barreiras, mas como novas oportunidades, e este é um dos fatores para que continuem sempre motivados e apaixonados.

Assim como apaixonar-se por alguém, é importante descobrir em nossas atividades aspectos que nos inspiram, além de novas possibilidades. Estar à frente de algo desconhecido também pode ser um caminho para encontrar novas habilidades. E porque não uma nova paixão?

Vá em frente, permita-se viver apaixonado pelo que faz!

*Silvia Bez é palestrante motivacional, especialista em vendas e marketing pessoal, além de Master Coach. Em seu trabalho, sempre foca o lado humanista. Formada pela Sociedade Latino Americana de Coaching e pela IAC (International Association of Coaching), é autora dos livros “7 passos para se apaixonar pelo que faz” e “5 Passos para fortalecer sua Memória”. Site: www.silviabez.com.br

Sobre Silvia Bez

É palestrante motivacional, especialista em vendas e marketing pessoal, além de Master Coach. Em seu trabalho, sempre foca o lado humanista. Com um portfólio de palestras com mais de três mil pessoas, também oferece serviços de treinamentos, seminários, workshops e coaching pessoal e profissional.

Possui mais de 30 anos de experiência em cargos de liderança em empresas como Banco Bradesco, Ponto Frio, Ambev, Lopes Consultoria, entre outras.

Formada pela Sociedade Latino Americana de Coaching e pela IAC (International Association of Coaching), é autora dos livros “7 Passos para se apaixonar pelo que faz” e “5 Passos para Fortalecer sua Memória”.

Site: www.silviabez.com.br

Atendimento à imprensa

Juliana Fernandes – RZT Comunicação
www.rztcomunicacao.com.br
redacao1@rztcomunicacao.com.br
Fones: (11) 5051-8142

Media Training

A importância do Media Training para startups

Lidar com jornalistas não é uma tarefa fácil, mas precisa ser encarada diariamente por empresas que desejam estar na mídia. Por isso, a procura por Media Training tem sido recorrente para preparar porta-vozes e manter um bom posicionamento na imprensa. Além disso, evitar qualquer mal-entendido que possa impactar negativamente a imagem da marca.

As empresas estabelecidas no mercado já entenderam a importância deste treinamento e é um ótimo exemplo que elas podem passar para o fenômeno do business que cresce cada vez mais: as startups.

Este tipo de negócio é conhecido principalmente por suas inovações e rápida conquista no mercado. Mas, nem sempre estas empresas possuem a mesma habilidade e jogo de cintura para lidar com jornalistas.

Primeiramente, as startups devem entender que, para construir uma boa reputação e atingir seu público alvo, é importante manter um bom contato com a imprensa. Estreitar relacionamento com formadores de opinião e conquistar a credibilidade deles é fundamental, já que possuem grande influência junto à opinião pública.

Para ajudar com este relacionamento, o trabalho com assessoria de imprensa será muito útil. Além de divulgar seus produtos e serviços, um assessor ajudará a atender aos pedidos de jornalistas. E não responder às solicitações pode gerar publicações como “a empresa procurada não quis se posicionar”, o que pode influenciar negativamente na opinião pública.

E para estas situações de posicionamento, principalmente em casos de crise, o porta-voz deve estar muito bem preparado para encarar a mídia e saber lidar com a ocorrência daquele momento. Por isso, ter um bom Media Training será fundamental para que a empresa se saia muito bem diante destas situações.

Veja a seguir algumas dicas sobre como o porta-voz e a comunicação da empresa devem se portar com a mídia:

1- O porta-voz ajudará a criar uma imagem mais confiável para as notícias divulgadas para a imprensa. Poderá servir de fonte de informações para futuras notícias sobre o setor e não apenas sobre a empresa;

2- Deve ser uma pessoa influente e respeitada dentro da empresa. Quanto mais elevada a posição de um executivo, maior deve ser seu esforço para trabalhar com a mídia. Além disso, o designado deve saber de todas as informações básicas e importantes, bem como os detalhes “noticiosos”;

3- É importante disponibilizar um ambiente agradável onde o repórter possa se sentar e ter espaço apropriado para fazer anotações;

4- O responsável por conceder a entrevista deve ser sempre amistoso e educado com o repórter e sua equipe, independentemente do tipo de entrevista ou veículo;

5- É necessário procurar fornecer informações / dados por escrito (press releases) já previamente aprovados e checados pela empresa, além de estar preparado para questões sobre temas factuais (crise internacional, por exemplo);

6- Para finalizar, a empresa e o porta-voz devem considerar sempre o interesse público e primar por dizer a verdade, ou então, não falar.

Com informações do Startupi

escrita blog

Descubra porque e-mails corporativos acabam no spam

Uma análise com mais de quatro trilhões de e-mails corporativos enviados em 2015, revelou porque muitos deles não chegaram à caixa de entrada e pararam diretamente no spam. Reclamações de usuários, envio de mensagens a destinatários desconhecidos e a falta de engajamento de alguns assinantes foram os motivos que mancharam a reputação de remetentes com os provedores, segundo pesquisa do programa de métricas Sender Score, produzido pela Return Path.

As marcas classificadas como melhores remetentes alcançaram a maior parte de seu público. No Sender Score as maiores pontuações ficaram entre 91 e 100, com 95% das mensagens entregues diretamente à caixa de entrada de seus destinatários e apenas 0,17% marcadas como spam. Remetentes com boa reputação, 81-90, apresentaram índice de entrega de 90% e marcação como spam próxima a 1%.

Nota-se uma alteração significativa nos resultados das marcas classificadas entre 71 e 80 pontos. Alcançaram 76% da caixa de entrada e 2,19% dos e-mails foram direcionados ao spam. Já as marcas que ficaram abaixo de 70 pontos no Sender Score, tiveram pouco mais da metade das mensagens entregues corretamente.

Como aumentar a reputação, de acordo com a Return Path:

1. Controle sua reputação – seja a de seu domínio remetente (caso envie e-mails de IP compartilhado) ou a de seu endereço de IP dedicado;

2. Saiba o Sender Score de seus domínios ou endereços de IP de envio;

3. Identifique métricas de reputação problemáticas;

4. Garanta que links para descadastro de usuários funcionem e estejam visíveis;

5. Autentique seus domínios de envio;

6. Dê atenção às reclamações de usuários;

7. Saiba quais dispositivos seus usuários utilizam para ler e-mails;

8. Otimize suas campanhas para todos os dispositivos;

9. Garanta que todas as URLs estejam funcionando;

10. Segmente sua lista com base no engajamento de seus usuários.

 Com informações do site Proxxima