Artigo: Penhora de bens de condomínio: o que os credores podem receber?

*Daphnis Citti de Lauro

Os credores dos condomínios como, por exemplo, prestadores de serviços, normalmente ficam sem saber o que fazer e a pergunta clássica é: se eu entrar com ação contra o condomínio, vou penhorar o que? A caixa d’água? O elevador? O Código de Processo Civil de 1973, no artigo 671, já previa a penhora de crédito do devedor.

O novo Código, por sua vez, reza no artigo 854, que “para possibilitar a penhora de dinheiro em depósito ou em aplicação financeira, o juiz, a requerimento do exequente, sem dar ciência prévia do ato ao executado, determinará às instituições financeiras, por meio de sistema eletrônico gerido pela autoridade supervisora do sistema financeiro nacional, que torne indisponíveis ativos financeiros existentes em nome do executado, limitando-se a indisponibilidade ao valor indicado na execução”.

Assim, o credor deve entrar com ação contra o condomínio e, por ocasião da penhora, requerer que sejam penhorados valores existentes na conta corrente.

Entretanto, como parte desses valores tem como destino o pagamento de salários e encargos, o credor deve requerer que, mensalmente, seja penhorada uma porcentagem da renda do condomínio até a quitação do débito.

Esta porcentagem pode ser alterada, segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo, “caso se mostre excessiva, comprometendo as atividades essenciais do condomínio ou aquém daquilo que efetivamente tenha condições de ser utilizado mensalmente para a quitação do débito, ficando sob a responsabilidade do depositário, a ser nomeado pelo juiz, para verificar a real situação financeira do condomínio e avaliar o percentual exato da arrecadação mensal, submetendo-o à apreciação judicial (Agravo de Instrumento nº 2255887-29.2015.8.26.0000)”.

O Superior Tribunal de Justiça (Recurso Especial nº 829.583) também entende possível a penhora sobre parte da arrecadação do condomínio.

Aplica-se ao condomínio, por analogia, a regra atinente à possibilidade da penhora sobre o faturamento de empresa.

Segundo a relatora, ministra Nancy Andrighi, “A despeito da sua personalidade restrita, é inegável que o condomínio tem aptidão para adquirir e exercer direitos e contrair obrigações. Ainda que não vise ao lucro, não pode ser tratado como simples estado de indivisão de bens. O condomínio, enquanto ente constituído para gerir um patrimônio comum, deve realizar o seu mister com eficiência, objetivando sempre a preservação e o cumprimento dos direitos e deveres de condôminos e terceiros. Diante disso, conclui-se pela possibilidade de penhora sobre a arrecadação mensal do condomínio. A medida,  porém, além de ter de respeitar a gradação legal do art. 655 do CPC, deve obedecer a outro requisito, que já era jurisprudencialmente exigido por este STJ e que agora se encontra no art. 655-A, § 3º, do CPC, qual seja, a nomeação de ‘depositário, com a atribuição de submeter à aprovação judicial a forma de efetivação da constrição, bem como de prestar contas mensalmente, entregando ao exequente as quantias recebidas, a fim de serem imputadas no pagamento da dívida’. Na hipótese específica do condomínio, nomeia-se um depositário, a quem incumbirá apresentar, para aprovação do Juiz, a forma de levantamento dos recursos e o esquema de pagamento do débito, cuidando inclusive para que o percentual fixado sobre a arrecadação mensal do condomínio não inviabilize o próprio funcionamento deste”.

* Daphnis Citti de Lauro é advogado, formado pela Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie e especialista em Direito Imobiliário, principalmente na área de condomínios e locações. É autor dos livros “Problemas em condomínios” e “Condomínios: Conheça seus problemas”, sócio da Advocacia Daphnis Citti de Lauro (desde 1976) e da CITTI Assessoria Imobiliária.

Sobre Daphnis Citti de Lauro

É advogado, formado pela Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie e especialista em Direito Imobiliário, principalmente na área de condomínios e locações. É autor do livro “Condomínios: Conheça seus problemas”, sócio da Advocacia Daphnis Citti de Lauro (desde 1976) e da CITTI Assessoria Imobiliária, com mais de 20 anos de atividades, que atua como síndica terceirizada.

Sobre a Citti Assessoria Imobiliária

Inaugurada em 19 de outubro de 1989, a CITTI inicialmente administrava somente locações. Posteriormente, para atender pedidos de seus clientes, passou a administrar também condomínios residenciais, comerciais e mistos, além de loteamentos. Hoje, atua como síndica terceirizada.

www.cittiimobiliaria.com.br

Atendimento à imprensa:

Almir Rizzatto – RZT Comunicação
almir@rztcomunicacao.com.br
www.rztcomunicacao.com.br
Fones: (11) 5051-8142 | 99628-1733

Artigo: Resiliência dos colaboradores vira cobiça de empresas

*Por Silvia Bez

Termos como “respirar fundo”, “contar até três” e “focar na solução” são ótimas descrições para a resiliência, que pode ser resumida na capacidade de se adaptar às mudanças rapidamente. E esta é, hoje, uma das competências mais faladas e procuradas pelas empresas. Até por isso, destaca-se o colaborador que consegue lidar com pressão do dia a dia, aumento no volume de tarefas, mudanças na equipe e ainda entregar resultados eficientes.

O enxugamento no quadro de funcionários aumentou a competitividade no mercado e tornou o ambiente de trabalho altamente estressante, inclusive pelo volume de tarefas distribuídas em menor número de pessoas. Muitos dos profissionais que não fizeram parte dos cortes causados pela crise tiveram que aprender a lidar com maior nível de pressão e exigência de seus superiores.

Quando falamos em resiliência, englobamos diversas características de comportamento, como adaptação a diferentes cenários, busca por solução de problemas e enfrentamento de situações muito estressantes ou até traumáticas. Quem possui esta habilidade consegue promover transformações necessárias para alcançar os objetivos com mais facilidade.

Profissionais resilientes geralmente são estimulados por seus próprios estilos de vida. Quanto mais ganham consciência sobre reações e comportamentos diante de situações de pressão e desafio, mais dominam estas questões.

Você é uma pessoa resiliente quando se desenvolve nas mudanças, inova suas práticas e consegue se antecipar às situações que podem afetar seu trabalho. Com esta habilidade, apresenta um perfil proativo e voltado para o futuro.

Atualmente vivemos em uma realidade onde crises econômicas e cenários turbulentos acontecem em períodos cada vez mais curtos. As empresas são frequentemente desafiadas e, por consequência, os dirigentes destas organizações são mais cobrados.

Empreendedores e líderes, em especial, vivem sob demandas desafiadoras. Convivem em ambientes tensos e atuam em situações de alto risco, em que lidar com crises já se tornou parte do cotidiano. Por isso, estas posições exigem profissionais resilientes.

Mesmo nos momentos difíceis, persista em seus objetivos e mantenha a esperança e o pensamento positivo. Pessoas resilientes se tornam mais fortes a cada desafio superado e adquirem a habilidade para lidar com as adversidades do mundo corporativo.

*Silvia Bez é palestrante motivacional, especialista em vendas e marketing pessoal, além de Master Coach. Em seu trabalho, sempre foca o lado humanista. Formada pela Sociedade Latino Americana de Coaching e pela IAC (International Association of Coaching), é autora dos livros “Paixão em Vender – 5 Segredos do Vencedor”, “7 passos para se apaixonar pelo que faz” e “5 Passos para fortalecer sua Memória”. Site: www.silviabez.com.br

Sobre Silvia Bez

É palestrante motivacional, especialista em vendas e marketing pessoal, além de Master Coach. Em seu trabalho, sempre foca o lado humanista. Com um portfólio de palestras com mais de três mil pessoas, também oferece serviços de treinamentos, seminários, workshops e coaching pessoal e profissional.

Possui mais de 30 anos de experiência em cargos de liderança em empresas como Banco Bradesco, Ponto Frio, Ambev, Lopes Consultoria, entre outras.

Formada pela Sociedade Latino Americana de Coaching e pela IAC (International Association of Coaching), é autora dos livros “Paixão em Vender – 5 Segredos do Vencedor”, “7 Passos para se apaixonar pelo que faz” e “5 Passos para Fortalecer sua Memória”.

Site: www.silviabez.com.br

Atendimento à imprensa:

Juliana Fernandes – RZT Comunicação
WWW.rztcomunicacao.com.br
redacao1@rztcomunicacao.com.br
Fones: (11) 5051-8142

 

Man plugging a memory stick in his head

6 erros de comunicação que pequenas empresas cometem

Entre os diversos desafios que os empreendedores encaram para fazer seus negócios decolarem, a comunicação é um dos maiores. A falta de conhecimento na área faz com que muitos falhem na hora de criar uma estratégia.

Confira os 6 principais erros de empresas em crescimento na área da comunicação:

1- Achar que Comunicação e Marketing são coisas de empresa grande

A área de comunicação e marketing pode ter estratégias traçadas de diversos jeitos, para qualquer tamanho de empresa. Comece pelo logo profissional, depois invista em ferramentas e canais de comunicação. O importante é encontrar o que realmente funciona para interagir com o público.

2- Deixar qualquer pessoa criar o logo da marca

O logo é a primeira impressão que o público terá da empresa. Ele estará visível na recepção, no prédio, nos cartões de visita, jornais, canais digitais e redes sociais e pode causar um impacto positivo ou negativo. Por isso, o processo de criação do logo da marca é um dos mais importantes e é preciso deixar esta tarefa na mão de profissionais. Saiba como e com quem fazer esta etapa da imagem de sua empresa.

3- Despreparo na comunicação dos colaboradores

Quando você inicia a empresa, o contato com seus clientes é praticamente diário. No entanto, conforme seu negócio vai crescendo e aumentando o número de profissionais, o distanciamento com seus consumidores é inevitável. Por isso, garanta que sua equipe terá uma comunicação bem desenvolvida para lidar com os clientes em seu lugar.

4- Cometer erros na escrita

Alguns erros de gramática em emails, flyers ou outros informativos parecem bobagem, mas aos poucos podem causar problemas para a imagem de sua empresa. Mesmo que ainda pequena, sua empresa precisa se mostrar grande. Não deixe que estes equívocos atrapalhem seu crescimento.

5- Colocar o Marketing na lista de “corte de gastos”

Marketing não é gasto, é investimento.  E o retorno pode ser visto por meio do sucesso das campanhas da marca. Se o resultado não aparecer é porque a estratégia usada está errada e está na hora de repensá-la. Antes de cortar a verba do marketing, pense bem e verá que não há outra forma de atrair clientes e que, se bem planejado, será um dos setores mais rentáveis da empresa.

6- Não medir resultado das campanhas

É importante medir o ROI (Return of Investiment) de suas campanhas para saber se estão dando certo. Algumas são mais fáceis de controlar, como campanhas de mídia paga online, onde é possível rastrear os acessos.

Já para mensurar anúncios ou distribuição de flyers, você pode anexar alguns cupons de desconto ou outro benefício que faça o cliente entrar em contato por aquela chamada.

Com informações do site Endeavor

Portrait of beautiful office worker

4 dicas para criar seu blog e interagir com o público

Partindo da pesquisa “We Are Social”, que apontou que o Brasil ocupa a primeira posição no ranking de internautas que mais passam tempo online, podemos concluir que apostar seu negócio em plataformas digitais é o caminho certo para o sucesso.

Estar presente nas redes sociais se tornou quase que uma obrigação para os empreendedores. Mas, além destas mídias, existe outra plataforma muito interessante para interagir com seu público: o blog.

Criar um blog vale tanto para os negócios já estabelecidos, quanto para os recentes no mercado. Além de ser um ótimo meio de interação com os consumidores, também pode é uma forma divertida de ganhar dinheiro.

E se você ainda não sabe por onde começar, listamos aqui 4 dicas para criar seu blog:

1- Escolha a plataforma ideal

Existem diversos sites para hospedar diferentes formas de conteúdo. A escolha vai do tipo de postagem que se pretende fazer. Se a intenção é trabalhar com textos, por exemplo, WordPress e Blogger são duas boas plataformas. O Pinterest é uma excelente página para fotografia. E o Youtube é o site mais fácil e popular para divulgar vídeos.

2- Escolha um tema

Para direcionar a audiência e ganhar seguidores, é importante que o blog siga um tema específico. Por meio de seus artigos, reflita suas ideias e exponha opiniões seguindo uma linha para não dispersar dos principais assuntos. Se o blog tiver vários colaboradores com temas diferentes, certifique-se de que os assuntos têm uma ligação entre si.

3- Relacione-se com seus seguidores

Mantenha-se sempre conectado com seus seguidores para que estejam próximos e interagindo com seu trabalho. Comunique-se por meio das redes sociais e responda aos comentários no blog. Um espaço no blog para que possam entrar em contato é uma boa ideia para ouvir as opiniões e dar voz ao público.

4- Faça conexões

Parcerias com outros blogs podem ajudar o seu a se manter bem posicionado no ranking de pesquisa do Google, fazendo com que lhe dê credibilidade. Em seu conteúdo, coloque referência de outros portais ou blogs para indicar para seus seguidores. Assim, cria-se uma relação com outros blogueiros e o seu também poderá ser citado em outras postagens.

Com informações do site Universia

Artigo: Antes de vender é preciso atender com excelência

*Por Erik Penna

O primeiro passo num processo de vendas é o atendimento. Não adianta querer vender sem antes entender e encantar o cliente. E, se assim o fizer, ganhará além de maiores vendas, diversos divulgadores do seu trabalho, multiplicadores e vendedores gratuitos para a sua empresa.

Certa vez, buscava um imóvel na internet. Acessei o site de duas imobiliárias que estavam vendendo o mesmo imóvel pelo mesmo preço. Liguei na primeira e mencionei ao corretor que eu estava interessado no referido apartamento, mas gostaria de ver fotos mais atuais do imóvel. Ele respondeu que as fotos existentes já estavam dispostas no site. Já na outra imobiliária, o corretor me deu a seguinte resposta quando fiz a mesma colocação sobre as fotos: “Você tem razão, eu mesmo irei lá tirar fotos mais atualizadas do imóvel e te envio até amanhã por email”. Repare: o mesmo imóvel, pelo mesmo preço. Adivinha com qual corretor eu comprei?

Percebe que, quando o atendimento melhora, as vendas também são potencializadas? Mas como prestar um atendimento de excelência? A resposta é: com treinamento e avaliação.

Bill Marriot dizia: “Só conquistaremos a excelência com treinamento”. É preciso treinar, treinar e treinar, pois o ser humano aprende por repetição.

Quase todo mundo já sabe que treinar é importante, mas pare para pensar agora: qual foi a última vez que você treinou seu pessoal? E o que muitos não refletem é que um funcionário, atendente, corretor ou vendedor que está sendo avaliado costuma render mais, portanto, crie ferramentas fáceis, simples e rápidas para o cliente avaliar o atendimento que recebe do seu pessoal.

Outro dia mesmo percebi como isso dá resultado na prática. Uma farmácia de bairro que deixava a desejar no atendimento e reclamava nas vendas foi adquirida por uma grande rede. Iniciaram os trabalhos com uma loja mais moderna, com preços similares aos da gestão anterior, mas com uma diferença: começaram a se destacar pelo atendimento, pela forma cordial e acolhedora como recebiam os clientes. Então, descobri o motivo. Atualmente, ao final do atendimento, a vendedora pede, com um sorriso genuíno no rosto, que o cliente avalie o atendimento dela clicando num aparelho com cinco opções de notas.

A avaliação que citei anteriormente pode ser ainda mais simples, fácil e barata. Percebi em outra ocasião numa lanchonete de um posto de combustível em São Paulo que logo na entrada havia um banner com os dizeres: “Estamos avaliando o atendimento para melhor atendê-lo”. E mostrava, ainda, um número de WhatsApp para o cliente pontuar quem lhe prestou atendimento.

Agora, cuidado para não pecar pelo excesso. Sim, avaliar escutando o cliente é válido como percebido nos exemplos anteriores, mas há de se entender que tudo tem limite. Nas últimas férias, fui para um hotel fazenda com minha família e, ao adentrar no quarto, as crianças foram correndo trocar de roupa para irmos à piscina. Percebi que, na cabeceira da cama, havia um opinário que dizia: “Nosso hotel quer saber a sua opinião”. Virei a página e me deparei com 50 questões sobre o hotel. Cinquenta é demais! Então, até brinquei com minha esposa perguntando: “Você acha que eu devo usar meu tempo para me divertir com as crianças ou será melhor passar o sábado e o domingo respondendo a esta pesquisa do hotel?”.

Treine e avalie de forma interessante, rápida, inteligente e, consequentemente, seus resultados serão maximizados.

* Erik Penna é palestrante motivacional, especialista em vendas, consultor e autor dos livros “A Divertida Arte de Vender”, “Motivação Nota 10” e “21 soluções para potencializar seu negócio”. Site: www.erikpenna.com.br

Sobre Erik Penna

É palestrante motivacional, especialista em vendas e consultor. Possui MBA em Gestão de Pessoas pela Fundação Getúlio Vargas, pós-graduação em Administração e Marketing pela Universidade Paulista e graduação em Economia pela Universidade de Taubaté.
Aborda nas palestras ensinamentos baseados nas experiências vivenciadas por ele durante a sua carreira como executivo de vendas, professor, escritor, motivador de equipes e gestor corporativo. É autor dos livros “A Divertida Arte de Vender”, “Motivação Nota 10”, “21 soluções para potencializar seu negócio” e coautor dos livros “Gigantes das Vendas” e “Gigantes da Motivação”. Site: www.erikpenna.com.br

Atendimento à imprensa

Patrícia Arantes  RZT Comunicação
www.rztcomunicacao.com.br
patricia@rztcomunicacao.com.br
Fones: (11) 5051-8142 / 99873-6008

TV studio - Video camera viewfinder

Novas plataformas de comunicação causam mudanças no Media Training

O Media Training se tornou uma prática muito comum na comunicação das empresas para preparar diretores, gerentes ou algum porta-voz específico para lidar com o relacionamento com a imprensa. Este tipo de treinamento geralmente acontece em um dia e é oferecido por profissionais experientes do jornalismo, oratória e relacionamento interpessoal.

Além de preparar os profissionais para falar com a imprensa sobre a divulgação de seus produtos e serviços, o Media Training também é essencial para que eles saibam se relacionar em momentos de crise e como se portar diante de uma situação delicada, para não prejudicar a imagem da empresa.

Por muito tempo o serviço de Media Training ensinou práticas para se relacionar apenas com os meios de comunicação mais comuns: jornais, revistas, televisão e rádio. Isto porque estes são os formatos tradicionais de imprensa, em que o jornalista apura a informação com a fonte, volta para a redação, edita o texto e imagem e só depois a matéria será publicada.

Ainda que este tipo de mídia esteja sobrevivendo, os canais digitais ganham cada vez mais espaço e mudam rapidamente o modo de publicar conteúdos. Seja por portais, blogs ou redes sociais, a divulgação por estas plataformas já é muito popular e o controle sobre a informação fica mais difícil.

A mobilidade das ferramentas para publicação de conteúdo, como smartphones e tablets, faz com que tudo possa ser publicado instantaneamente, principalmente por meio de fotos e vídeos. Muitas destas informações não são apuradas ou editadas devidamente, podendo causar facilmente um mal entendido para a imagem das marcas.

Na mídia tradicional, os formadores de opinião são jornalistas renomados, de muitos anos de carreira, ou especialistas das áreas que ganharam destaque ao longo do tempo. Hoje, a internet permite que qualquer pessoa exponha seus pensamentos e pontos de vista. Isto permitiu a criação de diversas personalidades da internet, que são seguidas por um grande número de usuários das redes sociais e que influenciam nos gostos e modo de pensar do público.

Por isso, líderes e porta-vozes devem estar preparados para lidar com todos os representantes dos meios de comunicação. É preciso atender não somente aos veículos mais tradicionais e de seus interesses, mas também estas personalidades das plataformas digitais que influenciam diversos tipos de público. Um pequeno erro de interpretação ou falta de respostas podem impactar negativamente um significativo número de pessoas.

O desafio do Media Training cresce à medida que novas plataformas surgem nos meios de comunicação e, juntamente, aparecem novos formadores de opinião. O serviço deve ajudar os porta-vozes a lidarem com os tradicionais e novos canais de informação para que consigam impactar positivamente os públicos sobre seus serviços, produtos e imagem.

Com informações do artigo de Rafael Torres para o LinkedIn

Audience Listening To Presentation At Conference

Como a comunicação pode auxiliar as equipes de uma empresa

É fato que a comunicação é extremamente importante no âmbito profissional, essencial para o alcance das metas e objetivos traçados.

À medida que uma empresa vai crescendo, aumentado o número de setores e colaboradores, a comunicação pode se tornar confusa e ineficiente.  Para que isso não aconteça, é necessário investir em técnicas e ferramentas que facilitem a circulação da informação entre as equipes, assim, todos ficarão a par dos assuntos internos.

Uma empresa que mantém comunicação transparente consegue integrar todas as equipes. Provavelmente você já trabalhou em algum lugar onde o setor de Tecnologia não interagia com o Marketing, ou que o Financeiro não compreendia as necessidades de gastos do RH. O maior problema destes desentendimentos é a falta de diálogo entre os colaboradores dos diferentes setores.

Esta falta de sintonia dificulta o trabalho em equipe, o desenvolvimento dos projetos que exigem interação entre os grupos e gera desconforto no ambiente de trabalho. Uma boa estratégia de comunicação pode resolver o problema.

Equipes que se comunicam bem trabalham de maneira dinâmica e eficiente, o que beneficia o andamento dos projetos. Isso torna o trabalho mais produtivo, de rápida entrega, deixando clientes e colaboradores mais satisfeitos.

Mas, quais as práticas necessárias para implementar uma boa comunicação na empresa?

– O primeiro passo é fazer com que todos os colaboradores estejam dispostos a ampliar o limite de comunicação e conversem com pessoas além daquelas com quem já trabalham. Atividades como treinamentos, encontros e palestras institucionais podem ajudar a fazer esta aproximação entre os colaboradores.

– Utilize ferramentas como comunicação online, mural e pequenos eventos que estimulem a interação entre os funcionários das diferentes equipes. Criar um canal interno para compartilhar informações também pode acelerar este processo. Entretanto, a ferramenta escolhida para unir os funcionários deve garantir que as informações compartilhadas sejam seguras. Geralmente, os assuntos em pauta serão trocas de conhecimentos estratégicos de cada área e, para segurança de seu negócio, não devem ser acessados por pessoas indevidas.

– Colaboradores a par dos assuntos da empresa ficam mais produtivos e satisfeitos, por se sentirem importantes. O investimento em ferramentas que possam ser acessadas de qualquer lugar é uma ótima ideia para manter todos conectados e controlar as informações compartilhadas.

Um bom trabalho de comunicação interna contribui para o desenvolvimento de todos os outros setores. A empresa poderá ver os resultados positivos através de seu próprio progresso e pela ótima interação entre os setores envolvidos.

Com informações do site Startupi

Artigo: Aviso aos líderes: ofereçam um grande propósito aos seus profissionais

*Por José Ricardo Noronha

Por mais incrível que possa parecer, ainda me deparo com muitas empresas (especialmente as de pequeno e médio porte) que carecem de uma “missão” clara de existência. Não falo aqui daquela “missão” que só existe na parede e que não tem reflexo algum na operação, na execução e no cotidiano das empresas. Falo, sim, das missões reais que oferecem especialmente aos funcionários um grande propósito de existência.

Este propósito não pode somente ter um significado mercadológico (de marketing). Ele precisa ser forte, real e legítimo o suficiente para incrementar os níveis de motivação, satisfação e retenção dos funcionários. Eles necessitam fazer parte de algo maior, de algo que vai além apenas da remuneração percebida pelos resultados obtidos.

E como se faz isso? O principal e mais importante elemento de construção de um grande propósito ou missão passa pelo pleno entendimento do “por que” de existência da empresa. Alguns questionamentos sugeridos para fazer este “exercício”: A empresa existe para fornecer a solução para qual problema específico? Ela existe para realizar qual sonho? De que forma a empresa pretende e sonha em impactar positivamente o mundo?

Boa remuneração é, sim, fundamental para todo e qualquer profissional. No entanto, cada vez mais os profissionais talentosos buscam oportunidades e desafios profissionais nas empresas e nos empreendimentos nos quais possam colocar todos os seus dons e competências em ação e em favor de uma grande causa, de um grande propósito e de um grande sonho. E oferecer um propósito, um sonho e uma grande missão são papéis do líder!

Portanto, reforço aqui o recado aos líderes de empresas: ofereçam um grande propósito aos seus profissionais. Assim, conseguirão construir resultados cada vez mais consistentes, uma cultura de encantamento e evitar o risco de perder seus talentos para concorrentes que têm um propósito de existência claramente definido e um poder quase que magnético de atração de bons profissionais.

E, tão fundamental quanto oferecer um grande propósito aos seus profissionais, é fazer com que a verdadeira missão de existência da sua empresa seja visível e perceptível pelos seus clientes e mercados alvo. Na  Era do Marketing de Valores em que hoje vivemos, a tendência é que os clientes consumam produtos e serviços das marcas que encontrarem maior congruência com seus próprios princípios, valores e sonhos.

* José Ricardo Noronha é vendedor, palestrante, professor, escritor e consultor. Formou-se em Direito pela PUC/SP e tem MBA Executivo Internacional pela FIA/USP. Possui especialização em Marketing, Empreendedorismo, Empreendedorismo Social e Vendas pela Owen Graduate School of Management e é Professor dos MBAs da FIA. É autor dos livros “Vendedores Vencedores” e “Vendas. Como eu faço?”. www.paixaoporvendas.com.br

Sobre José Ricardo Noronha

É vendedor, palestrante, professor, escritor e consultor. Tem como sonho e missão transformar a carreira e a vida de milhares de profissionais e os resultados de vendas de empresas através do compartilhamento de lições, experiências, dicas e da sua própria história de superação pessoal.

Formou-se em Direito pela PUC/SP e tem MBA Executivo Internacional pela FIA/USP. Possui especialização em Marketing, Empreendedorismo, Empreendedorismo Social e Vendas pela Vanderbilt University (Owen Graduate School of Management) e atua como professor dos Programas de MBA da FIA e também do Programa de Educação Continuada do Corretor de Imóveis do CRECI/SP.

Escreveu os livros “Vendedores Vencedores” e “Vendas. Como eu faço?”, que contam com a participação especial de experts como Gustavo Cerbasi, Robert Wong, Eugenio Mussak, Raul e James Hunter, entre outros. É considerado um dos 5 maiores palestrantes e professores de vendas do Brasil.

Site: www.paixaoporvendas.com.br | Blog: www.josericardonoronha.com.br

Atendimento à imprensa:

Almir Rizzatto – RZT Comunicação
almir@rztcomunicacao.com.br
www.rztcomunicacao.com.br
Fones: (11) 5051-8142 | 99628-1733

Businessman using modern social network

5 dicas para melhorar o engajamento nas redes sociais

As empresas encontraram nas redes sociais uma ótima oportunidade para se aproximarem do público, por ser uma plataforma dinâmica e com grande número de adeptos. Entretanto, interagir e atrair seguidores não são tarefas fáceis. É preciso esforço e dedicação para entender o que desejam.

Confira 5 dicas para engajar sua marca nas redes sociais:

1- Crie um elo com seus seguidores

Quando a pessoa curte a página da marca em uma rede social, ela quer mostrar para todos a sua admiração. É importante fazer com que os seguidores sintam-se especiais para que a página ganhe cada vez mais curtidas. Existem ferramentas que permitem acompanhar o engajamento dos clientes nas mídias. Isso possibilita a empresa trabalhar com vários tipos de interações para os diferentes perfis.

2- Estabeleça periodicidade das atualizações

Uma página desatualizada demonstra desleixo por parte da marca. É interessante ter uma equipe responsável para produzir o conteúdo das mídias sociais. Caso não haja nada novo, destaque os produtos mais interessantes do momento, invista em artigos e textos que tenham a ver com seu negócio e em vídeos, formato que chama a atenção dos seguidores.

3- Invista no SAC 2.0

Além de interagir com o público, as redes sociais se tornaram um meio para os clientes tirarem dúvidas e até fazerem reclamações. Neste caso, também é recomendado ter uma equipe voltada para este serviço.  Outro ponto importante é que empresas que não respondem aos comentários e reclamações dos clientes ficam mal vistas, por isso, não deixe de atendê-los.

4- Leve o trabalho a sério

O ambiente de quem trabalha com redes sociais é mais descontraído comparado aos outros setores da empresa, mas nem por isso não deve ser levado a sério. Preste atenção em todas as informações compartilhadas nas plataformas em que a marca esteja presente e tome cuidado com a linguagem usada. A comunicação na internet deve ser compatível com a identidade da marca.

5- Cuidado com assuntos polêmicos

A marca deve tomar cuidado ao se posicionar diante de alguns assuntos, principalmente os mais polêmicos que são comentados na internet. Às vezes, um comentário que parece ser inofensivo pode ofender um grupo de pessoas e trazer problemas. O ideal é ter sempre uma posição neutra e não se envolver em discussões.

Com informações do site Próxxima

Artigo: Clientes buscam atendimento mais humanizado na hora da compra

*Por Silvia Bez

A situação econômica do Brasil fez o consumidor reduzir suas compras e ficar mais seletivo na hora de adquirir um produto ou serviço. Isto se transformou em um grande obstáculo para o mercado de vendas e mais uma razão para que o profissional aprimore suas práticas. Hoje, mais do que nunca, é preciso ter um relacionamento mais humanizado com o cliente.

As pessoas querem cada vez mais esse tipo de tratamento. Elas buscam produtos diferenciados, voltados ao seu perfil, e esse atendimento mais íntimo, para, assim, sentirem-se mais satisfeitas no ato da compra.

Entretanto, infelizmente muitos estabelecimentos ainda continuam com modelo de venda ultrapassado, com discursos padronizados, tratamento frio, com o único objetivo de fechar venda.

Este modelo engessado e a falta de visão do vendedor dificultam o processo de atrair clientes. O despreparo e a falta de sentimento em todas as etapas da venda são fatores que deixam o profissional de vendas cada vez mais distante do sucesso.

Já o vendedor bem sucedido, além de efetivar a negociação, “humaniza” o tratamento com o consumidor e transforma a compra em uma experiência. Ele se preocupa em focar nas metas que oferecem soluções e elevem a autoestima do cliente, para satisfazer suas necessidades a garantir o retorno ao estabelecimento.

Tudo isso também envolve uma característica: a paixão. Ela faz com que o profissional aperfeiçoe suas técnicas para oferecer o melhor e estar à frente em seu mercado. Além das práticas de venda, o vendedor busca entender exatamente as necessidades e desejos do consumidor. O cliente é a peça final do quebra-cabeça para o negócio dê certo. É preciso manter-se atento e captar os sinais que o comprador emite e procurar saber sobre qualquer coisa que possa afetar sua decisão.

O conhecimento na área do vendedor não é o bastante se ele não realizar seus serviços com paixão.  Em tempos de crise econômica, grande concorrência no mercado e altas metas, o sucesso do profissional também se deve às emoções que ele pode oferecer para o cliente e tornar a venda um momento único.

*Silvia Bez é palestrante motivacional, especialista em vendas e marketing pessoal, além de Master Coach. Em seu trabalho, sempre foca o lado humanista. Formada pela Sociedade Latino Americana de Coaching e pela IAC (International Association of Coaching), é autora dos livros “Paixão em Vender – 5 Segredos do Vencedor”, “7 passos para se apaixonar pelo que faz” e “5 Passos para fortalecer sua Memória”. Site: www.silviabez.com.br

Sobre Silvia Bez

É palestrante motivacional, especialista em vendas e marketing pessoal, além de Master Coach. Em seu trabalho, sempre foca o lado humanista. Com um portfólio de palestras com mais de três mil pessoas, também oferece serviços de treinamentos, seminários, workshops e coaching pessoal e profissional.

Possui mais de 30 anos de experiência em cargos de liderança em empresas como Banco Bradesco, Ponto Frio, Ambev, Lopes Consultoria, entre outras.

Formada pela Sociedade Latino Americana de Coaching e pela IAC (International Association of Coaching), é autora dos livros “Paixão em Vender – 5 Segredos do Vencedor”, “7 Passos para se apaixonar pelo que faz” e “5 Passos para Fortalecer sua Memória”.

Site: www.silviabez.com.br

Atendimento à imprensa:

Juliana Fernandes – RZT Comunicação
www.rztcomunicacao.com.br
redacao1@rztcomunicacao.com.br
Fones: (11) 5051-8142