blog-03-10

Organize sua caixa de email e otimize o tempo no trabalho

O email é a plataforma digital onde as mensagens pessoais e profissionais mais importantes estão guardadas. E para que seja possível encontrar rapidamente as informações desejadas, é fundamental que a caixa de entrada esteja sempre organizada. Caso contrário, terá muito lixo virtual dificultando a visualização de oportunidades e ocupando o espaço que lhe resta.

Embora seja ignorada pela maioria das pessoas, a organização da caixa de email é a chave para a eficiência e produtividade no dia a dia. É comum que profissionais recebam cerca de 50 mensagens por dia. Sem disciplina, muita gente acaba se perdendo e deixa de responder assuntos importantes ou até apagando informações relevantes.

Com gerenciamento bem feito, o profissional otimiza o tempo e consegue desenvolver outras tarefas mais calmamente. Para isso, preste atenção nestas dicas sobre como organizar melhor sua caixa de email:

1-Mude a forma de checagem de emails

Parar as tarefas para olhar a caixa de email o tempo todo nos distrai para realizar trabalhos que demandam mais atenção. Para que isto não aconteça, estabeleça intervalos para verificar sua caixa de entrada. Caso alguém precise falar com você urgentemente, oriente que faça contato por telefone.

2- Estabeleça um método

Vale a pena investir seu tempo e responder emails imediatamente quando a tarefa não dura mais que dois minutos. Por outro lado, se as mensagens forem longas e complexas, é aconselhável reservar uma parte do seu dia só para isto.

Para não perder muito tempo, sempre verifique o destinatário. Se seu nome estiver em cópia apenas para tomar ciência do assunto, guarde-o em uma pasta específica para ler depois e dê prioridade aos que são enviados diretamente para você.

3- Elimine cópia aberta

Quando enviamos cópia aberta para muitas pessoas, recebemos uma enxurrada de respostas que, muitas vezes, não nos são direcionadas. Se for necessário que os destinatários saibam quem é copiado, coloque apenas estes nomes visíveis.

4- Caixa de entrada vazia

Soa estranho, mas manter a caixa de entrada vazia é a melhor maneira de visualizar novos emails. Separe os temas por pastas e, à medida que receber suas mensagens, guarde cada uma em seu respectivo lugar.

5- Programe para que mensagens sejam armazenadas em pastas

Muitas contas permitem a criação de pastas para armazenamento ou de marcadores para classificação das mensagens. Você pode criar categorias como “pendentes”, “projeto X”, “resolvidos”, etc., para se organizar e esvaziar a caixa de entrada. Apague mensagens inúteis, spams e emails que você não precisa guardar.

Tanto o Outlook quanto o Gmail permitem que você utilize um dispositivo para encaminhar mensagens diretamente para suas devidas pastas sem que elas sequer cheguem na caixa de entrada.

6- Redirecione emails menos importantes para outra conta

Evite cadastrar seu email profissional em lojas, newsletters ou sites de desconto para que não encham sua caixa desnecessariamente. Estas mensagens podem ser enviadas para uma conta pessoal, para que você possa vê-las em outro momento que não atrapalhe suas tarefas.

7- Crie respostas padronizadas

Se você recebe mensagens do mesmo assunto frequentemente, crie uma resposta padrão bem informativa e guarde-a em uma pasta. Deste modo, da próxima vez que receber o email com a mesma questão, já terá uma resposta pronta e otimizará muito o seu tempo.

8- Diminua o número de emails recebidos

Se você é gestor, naturalmente recebe uma enxurrada de mensagens diariamente, mas você pode fazer com que este número diminua. Basta evitar enviar decisões práticas por email e comunique à sua equipe pessoalmente. Isso melhora as condições de trabalho e alivia a caixa de entrada.

Profissionais chegam a perder horas do dia respondendo emails quando não sabem administrar corretamente. Evite que isto aconteça com você. Fazendo um bom gerenciamento e seguindo estas dicas, você otimizará seu tempo no escritório e se tornará mais produtivo.

 Com informações do portal Neotriad

Artigo: Por networking de qualidade, seja interessante (e não interesseiro)

*Por Silvia Bez

De maneira resumida, networking é uma forma de criar e alimentar uma rede de relacionamentos, com o objetivo de ajudar e aprender com o próximo, estabelecer trocas e buscar oportunidades de negócios para ambas as partes. E, para que isso dê certo na vida profissional e pessoal, a comunicação é um elemento fundamental.

Entretanto, essa arte de criar uma rede vem ganhando outras faces, que distorcem as ideias e o princípio inicial. Muito profissionais cometem erros na formação do networking porque focam somente no interesse e deixam de estabelecer uma ligação vantajosa para ambos.

No verdadeiro networking se estabelece um relacionamento real. Não basta entregar cartões de visita ou um catálogo de produtos e serviços para apenas fazer negócios. É preciso demonstrar o desejo de criar uma relação de confiança e apoio das duas partes. De que adianta ter milhares de pessoas nas redes sociais se houver apenas interesse comercial e uma ligação superficial?

Portanto, invista de maneira inteligente na formação de seu networking e, em breve, terá muita gente com quem negociar de maneira prazerosa e satisfatória.

Veja algumas considerações que lhe ajudarão a tornar sua rede de relacionamentos mais consistente, de modo que trará grandes resultados em sua vida pessoal e profissional:

Apenas distribuir cartões não levará a nada: Quantas vezes paramos para organizar nossas coisas e percebemos que estamos cheios de cartões, panfletos e folders? E, na maioria das vezes, nem nos lembramos de quem recebemos aquele material.

Por isso, quando receber um cartão ou um folheto, faça uma observação, algo que o ajudará a lembrar daquela pessoa. Lembre-se que fazer networking não é apenas construir uma lista de contatos.

Equilibre qualidade x quantidade: A qualidade dos seus contatos e relacionamentos está diretamente ligada a um networking bem realizado.

Um ponto importante para não perder a qualidade na comunicação é ter controle na quantidade de contatos que você administra. Quanto maior for a sua rede de relacionamentos, menores serão as chances de estabelecer relações de qualidade com as pessoas.

Por isso, cuide muito bem da administração desse binômio “qualidade x quantidade”.

Aplique a lei da reciprocidade: Ter um networking não significa ser interesseiro e, sim, interessante e interessado. Seja uma fonte de recursos para as pessoas com quem você se relaciona e proporcione elementos de valor aos que interagem com você.

Outro ponto importante é sempre retribuir a ajuda que receber de alguém. Lembre-se que, embora muitos não cobrem isso, as pessoas sempre buscam reconhecimento.

Ajude de boa vontade: Sempre que ajudamos alguém, seja com informação, indicação ou aprendizado, não devemos fazê-lo esperando algo em troca. Tenha sempre a certeza de que o universo se incumbirá de nos dar de volta muito mais do que aquilo que ofertarmos a alguém. Portanto, ajude sempre de boa vontade e faça a roda da prosperidade girar.

Essas dicas são a base para você iniciar um networking poderoso. Invista de maneira inteligente, focando na qualidade da sua rede de relacionamentos.  E lembre-se sempre de ser interessante, e não interesseiro.

*Silvia Bez é palestrante motivacional, especialista em vendas e marketing pessoal, além de Master Coach. Em seu trabalho, sempre foca o lado humanista. Formada pela Sociedade Latino Americana de Coaching e pela IAC (International Association of Coaching), é autora dos livros “7 passos para se apaixonar pelo que faz” e “5 Passos para fortalecer sua Memória”. Site: www.silviabez.com.br

Sobre Silvia Bez

É palestrante motivacional, especialista em vendas e marketing pessoal, além de Master Coach. Em seu trabalho, sempre foca o lado humanista. Com um portfólio de palestras com mais de 30 mil pessoas, também oferece serviços de treinamentos, seminários, workshops e coaching pessoal e profissional.

Possui mais de 30 anos de experiência em cargos de liderança em empresas como Banco Bradesco, Ponto Frio, Ambev, Lopes Consultoria, entre outras.

Formada pela Sociedade Latino Americana de Coaching e pela IAC (International Association of Coaching), é autora dos livros “7 Passos para se apaixonar pelo que faz” e “5 Passos para Fortalecer sua Memória”.

Site: www.silviabez.com.br

Juliana Fernandes – RZT Comunicação
www.rztcomunicacao.com.br
redacao1@rztcomunicacao.com.br
Fones: (11) 5051-8142

blog-28-09

Confira 5 dicas para se portar bem em uma apresentação

O sucesso da oratória está vinculado ao modo como nosso corpo se expressa. Portanto, não basta usar belas palavras e saber relacionar as ideias se a comunicação não verbal não condiz com aquilo que se é dito.

Gestos e movimentos errados podem distrair as pessoas da mensagem que você está passando. É preciso estar atento não só às palavras, mas também à expressão corporal. Aqui temos 5 dicas para fazer bonito em uma apresentação:

1- Postura

A postura deve manter-se segura e firme. Isto é a base para um bom discurso. Mantenha sempre cabeça e coluna eretas e caminhe com determinação.

2- Movimentação

Busque um equilíbrio entre andar e ficar parado. Não se pode fazer uma apresentação inteira no mesmo lugar, mas caminhar demais transmite nervosismo. Evite gestos repetidos o tempo todo e movimente-se com naturalidade.

3- Pernas

Em apresentações longas podemos ficar cansados por ficar muito tempo em pé, por isso, é importante encontrar uma posição cômoda, mas sem aparentar desleixo. Não apoie todo seu peso em apenas uma perna e deixe-as afastadas para dar equilíbrio para o corpo.

4- Braços e mãos

O modo como movimenta e posiciona braços e mãos demonstra atitudes diferentes diante das pessoas. Por exemplo, braços cruzados demonstram insegurança, enquanto movimentos duros podem aparentar agressividade.

Também não é aconselhável manter mãos nos bolsos ou atrás das costas e cotovelos grudados no corpo. Deixe os braços soltos.

5 – Olhos

É fundamental estabelecer uma conexão com o público e o olhar é uma forma muito eficaz. Por isso, volte-se de modo individual para a plateia e não fuja se alguém fizer contato visual, mas evite olhar de cima para baixo, pois aparenta que está julgando a pessoa. Se alguém falar com você (no caso de uma pergunta), olhe e preste atenção.

Muitas vezes, precisamos de anotações para orientar nossas apresentações. Se precisar checá-las durante sua fala, seja discreto e evite ler por muito tempo.

Com informações do site Widoox

Artigo: Como se transformar numa marca de confiança e potencializar seu negócio

Inúmeros estudos comprovam que o sucesso, a vitalidade e a felicidade estão diretamente relacionados com o nível de confiança de confiança em nossos relacionamentos, sejam eles profissionais e pessoais. A confiança, quando presente em tudo o que fazemos, cria um círculo virtuoso onde tudo flui melhor e todos ganham.

No mundo dos negócios, nas vendas e na vida em geral, duas premissas são absolutamente essenciais e fundamentais. A primeira: pessoas compram de pessoas e se relacionam com pessoas. A segunda: as pessoas compram e se relacionam com quem confiam. Portanto, quando nos transformamos em profissionais de confiança, os relacionamentos e os negócios tendem a crescer de forma substancial e fortemente baseados na credibilidade conquistada junto aos nossos amigos, familiares, clientes, fornecedores e nos mercados em que atuamos.

O grande problema é que vivemos em uma Era marcada por um ambiente de baixíssima confiança. Vivemos uma crise de confiança que tem impacto negativo no nosso bem estar econômico e na qualidade de vida em geral. Pessoas não confiam em pessoas. Pessoas não confiam nos seus líderes. Empresas não confiam em seus profissionais. Enfim, ninguém confia em ninguém! Confiar, que deveria ser a regra prevalecente, transformou-se em exceção.

Aliás, aproveito para recomendar o excelente livro “A Velocidade da Confiança”, de Stephen M.R. Covey, publicado no Brasil pela Editora Elsevier. A obra ressalta que quão maior é a confiança nos relacionamentos, maior é a velocidade com que as coisas acontecem e menor é o custo. Já quão menor é a confiança, menor é a velocidade e maior o custo.

Quando se há um elevado nível de confiança nos relacionamentos, as pessoas são capazes de se comunicar com maior rapidez, de colaborar melhor, de inovar mais e de fazer negócios de forma muito mais acelerada e de maneira muito mais eficiente.

Para conquistar a confiança do mercado, é preciso investir em confiança. Treinamentos para capacitar sua equipe para um atendimento impecável, por exemplo, ajudam a estabelecer um alto padrão de atendimento. E isso gera, sem dúvidas, um ativo que nunca para de se valorizar: a confiança.

* José Ricardo Noronha é vendedor, palestrante, professor, escritor e consultor. Formou-se em Direito pela PUC/SP e tem MBA Executivo Internacional pela FIA/USP. Possui especialização em Marketing, Empreendedorismo, Empreendedorismo Social e Vendas pela Owen Graduate School of Management e é Professor dos MBAs da FIA. É autor dos livros “Vendedores Vencedores” e “Vendas. Como eu faço?”, além de idealizador da Universidade das Vendas. www.paixaoporvendas.com.br e www.universidadedasvendas.com.br 

Sobre José Ricardo Noronha

É vendedor, palestrante, professor, escritor e consultor. Tem como sonho e missão transformar a carreira e a vida de milhares de profissionais e os resultados de vendas de empresas através do compartilhamento de lições, experiências, dicas e da sua própria história de superação pessoal.

Formou-se em Direito pela PUC/SP e tem MBA Executivo Internacional pela FIA/USP. Possui especialização em Marketing, Empreendedorismo, Empreendedorismo Social e Vendas pela Vanderbilt University (Owen Graduate School of Management) e atua como professor dos Programas de MBA da FIA e também do Programa de Educação Continuada do Corretor de Imóveis do CRECI/SP.

Escreveu os livros “Vendedores Vencedores” e “Vendas. Como eu faço?”, que contam com a participação especial de experts como Gustavo Cerbasi, Robert Wong, Eugenio Mussak, Raul e James Hunter, entre outros. É considerado um dos 5 maiores palestrantes e professores de vendas do Brasil.
É também idealizador da Universidade das Vendas, plataforma com dezenas de horas de conteúdo online sobre vendas, atendimento, negociação, liderança e outros.

www.paixaoporvendas.com.br
www.universidadedasvendas.com.br
www.josericardonoronha.com.br

Atendimento à imprensa:

Almir Rizzatto – RZT Comunicação
almir@rztcomunicacao.com.br
www.rztcomunicacao.com.br
Fones: (11) 5051-8142 | 99628-1733

Artigo: Sua empresa está pronta para aproveitar a retomada da economia?

* Por Manoel Carlos Jr.

Tornar a sua marca apaixonante, queridinha do consumidor. Quem não quer? A briga atual é grande, mas o momento é este! A economia dá os primeiros sinais de uma retomada lenta do crescimento, que pode oferecer inúmeras boas oportunidades num cenário de curto e médio prazo. E você e sua empresa precisam se preparar já!

Com tantas empresas atuando nos mesmos ramos, disputar o coração do consumidor para se tornar a mais desejada é o grande desafio. A causa emocional de uma marca – amor ou paixão pelo que faz e/ou entrega para o cliente – é um fator essencial para uma boa relação entre público e empresa. O respeito pela marca está diretamente ligado às boas emoções e é nisso que aposta o meu conceito Experiencialize!.

Nessa mesma vertente, o respeito está diretamente ligado à manutenção da relação com o consumidor a cada contato, a cada experiência com a marca. Se essa relação falhar, se a experiência com a empresa não for boa, o cliente irá se afastar e procurar uma nova opção com a qual se identificará. A cobrança é grande, mas é possível obter sucesso.

Olhe para o seu consumidor e descubra o que ele deseja. Enquanto seus concorrentes estão pensando de forma racional, siga a intuição. Pense e aja com o coração. Algumas marcas estão aprendendo a agir assim.

Como exemplo do poder dessa relação, podemos citar o caso dos Duocórnios envolvendo a PepsiCo Brasil. Uma garota de nome Julianna mandou um desenho de dois seres mágicos com o nome “duocórnios” à Ruffles e, em troca, pediu a batata sabor costelinha que tinha edição limitada.

A empresa respondeu através da RIOT (agência digital da marca). Eles recriaram os Duocórnios e enviaram com um kit das Ruffles sabor costelinha. Mesmo com a edição não tendo voltado ao mercado por causa do pedido da cliente, a empresa fez uma ação que certamente fará Julianna lembrar positivamente da marca por toda a vida. Isso com um gesto simples, mas de grande valor.

Esse exemplo mostra que nem sempre é possível satisfazer tudo o que o consumidor quer, mas uma resposta com carinho pode transformar a situação de “sem solução” para uma relação de respeito entre cliente e marca. Faça com que as pessoas se mexam pela emoção.

* Manoel Carlos Jr. é especialista e pioneiro no marketing de experiência no Brasil e criador do termo “Experiencialize”. É palestrante, publicitário formado pela Escola Superior de Propaganda e Marketing , pós-graduado em Gestão de Marketing pela FGV-SP e especialista em Business Comunication pela International English Institute – CA (EUA).

Sobre Manoel Carlos Jr.

Especialista e pioneiro no marketing de experiência no Brasil e criador do termo “Experiencialize”. É palestrante, publicitário formado pela Escola Superior de Propaganda e Marketing , pós-graduado em Gestão de Marketing pela FGV-SP e especialista em Business Comunication pela International English Institute – CA (EUA).

Sócio e diretor da Publicarte Propaganda, uma das agências mais premiadas do interior do estado de São Paulo. É também fundador e coordenador do Meeting Empresarial do Vale do Paraíba-SP, fórum que reúne os principais empresários e altos executivos da região.  Atuou durante 6 anos como professor universitário nas disciplinas de planejamento de campanha e redação publicitária.

Suas palestras têm abordagem prática, fruto de mais de 15 anos de experiência no planejamento de marketing de profissionais liberais, pequenas e médias empresas.

Site: www.experiencialize.com

Atendimento à imprensa:

Almir Rizzatto – RZT Comunicação
almir@rztcomunicacao.com.br
www.rztcomunicacao.com.br
Fones: (11) 5051-8142 | 99628-1733

blog-26-09

Assessoria de imprensa vai além do release e follow up

As plataformas e serviços de comunicação se estenderam muito nos últimos anos, o que fez o trabalho das assessorias ir além de releases e follow up. Hoje, as agências devem oferecer soluções cada vez mais completas e são responsáveis pelas estratégias de interação com os jornalistas e com o público também.

Notamos que as assessorias saíram da zona das relações públicas e começaram a dominar a área do marketing para dar às empresas a credibilidade, reconhecimento e reputação que procuram no serviço de comunicação. Desta forma, ela se tornou muito importante até mesmo para as vendas.

Para atender às demandas de marketing, são necessárias estratégias eficazes em diversas mídias para segmentar o público e atingir resultados eficientes. Desse modo, assessoria, redes sociais, produção de conteúdo, blogs, inbound marketing (marketing de atração) além de campanhas digitais, são algumas das ferramentas usadas.

Listamos alguns dos principais serviços que uma assessoria de imprensa pode prestar para ajudar na boa imagem das empresas:

1- Produção de releases, artigos e notas

O texto sempre fará parte da estratégia de comunicação, mas seu formato muda dependendo do objetivo. Releases, notas e artigos são ferramentas tradicionais para a divulgação de produtos, serviços, opiniões e posições dos porta-vozes diante uma de situação. São fundamentais para que jornalistas e blogueiros possam fazer suas reportagens.

2- Convite para mídia

Encontros, almoços, visitas técnicas e eventos são feitos para a divulgação de um produto ou serviço muito relevante da empresa. Estas são boas alternativas para que a imprensa conheça detalhes e tenha a oportunidade de trabalhar mais próxima da pauta.

3- Coletivas de imprensa

As coletivas são mais específicas e servem para que a marca possa fazer algum anúncio importante ou mesmo para gestão de crise. É uma forma de reunir jornalistas com data e hora marcada para que possam fazer perguntas e esclarecer o assunto em pauta.

O cuidado que se deve tomar com elaboração de coletivas de imprensa é a supervalorização da notícia. Se o assunto não for de extrema urgência, o resultado pode ser falho e prejudicar futuros encontros e pautas. Este meio é usado apenas para casos específicos.

4- Produção de moda e fotografia

Não são apenas marcas de roupas e produtos de beleza que precisam de uma boa produção. Às vezes, um texto bem elaborado não é suficiente para atrair jornalistas e consumidores, então é importante fazer uma seção de fotos para tornar o produto mais interessante.

Neste caso, a assessoria de imprensa tem como função orientar e acompanhar o cliente neste trabalho. Os resultados podem ser vistos em editoriais de moda, resenhas, produções fotográficas em jornais e revistas, além da possibilidade de serem usados em novelas, minisséries, programas de TVs, etc.

5- Presskits

A melhor maneira de apresentar o produto para o jornalista é mostrando pessoalmente. O presskit é um material com a informação completa. Se a marca está lançando um perfume, por exemplo, pode enviá-lo ao jornalista com um release. É uma forma bem eficiente para a mídia ter conhecimento.

6- Relacionamento com blogueiros

Os blogueiros se tornaram importantes formadores de opinião e, manter o relacionamento com eles, é fundamental e estratégico para a marca. E a qualidade do conteúdo destes blogs é primordial para a eficácia da informação, pois de nada adianta oferecer produtos ou permuta não for relevante.

7- Campanhas digitais

Unir as estratégias de assessoria com as campanhas nas redes sociais pode trazer experiências positivas nas mídias. Enquanto a assessoria atende a imprensa, as redes sociais conversam com o público final, ampliando o alcance da marca.

O trabalho da assessoria de imprensa aparece a longo prazo e requer estratégia para estabelecer uma imagem positiva para a empresa, principalmente para aquelas que estão começando agora. Por isso, é preciso firmar parceria com uma agência empenhada em conhecer os negócios do cliente e com disposição para atingir os melhores resultados.

Com informações do site AdNews

writing-828911_1280

5 benefícios da prática da escrita

Escrever é uma das melhores formas de expressar pensamentos e ideias. Mesmo sem pretensão de ser escritor, qualquer pessoa pode aproveitar os benefícios da escrita. Veja como esta prática pode ajudar em diversos aspectos da vida:

1- Ser mais feliz

A escrita é uma forma de colocar os sentimentos para fora. Até mesmo escrever para um blog tem benefícios semelhantes aos da escrita terapêutica. Este hábito já foi relacionado com melhoras de humor, bem-estar e níveis reduzidos de estresse. Colocar no papel os objetivos e realizações pode fazer com que as pessoas fiquem mais saudáveis.

2- Melhor comunicação

Dificuldades com as palavras complicam desde tarefas simples do dia a dia até a expressão de sentimentos. O exercício da escrita ajuda o praticante a lidar com isso, pois desenvolve a maneira que a pessoa se comunica com os outros.

3- Lidar com situações difíceis

Um estudo feito com engenheiros demitidos recentemente mostrou que aqueles que escrevem sobre seus sentimentos, souberam lidar melhor com o fato e encontraram um novo emprego mais rapidamente. Entretanto, outro estudo apontou que, expressar sentimentos levou algumas pessoas à depressão. Ou seja, existe um momento certo para escrever sobre os momentos difíceis, caso contrário, piora a situação.

4- Motivação

Refletir sobre os acontecimentos da vida e elevar as coisas boas torna a pessoa mais positiva e motivada para viver o presente e futuro.

5- Organizar pensamentos

Tentar resolver todos os problemas ao mesmo tempo nos deixa mais confusos e distraídos. Escrever pensamentos ajuda a organizá-los e deixa as soluções mais claras.

Com informações do site Universia

Artigo: 5 condutas assertivas do vendedor contemporâneo

*Por Erik Penna

 “Se você não cuidar do seu cliente, o seu concorrente irá.” (Bob Hooey)

O Dia do Vendedor é celebrado no Brasil em 1º de outubro. Por sinal, a profissão de vendas é uma das mais antigas da humanidade e acredite, ainda há vendedores que agem como se estivessem na antiguidade.

Trabalhei com centenas de vendedores, ensinei e aprendi muito com eles, e afirmo que qualquer pessoa que tenha força de vontade, coragem, persistência e algumas técnicas pode se dar bem no mundo das vendas. Certa vez, atuei com um vendedor espetacular, ele até ganhou prêmio de melhor vendedor na empresa. Me lembro que, na entrevista de admissão, ele disse que sua única experiência profissional era como motorista na marinha.

Reparei que os vendedores que se destacam pela alta performance possuem alguns pontos em comum e que normalmente precisam:

1- Gostar, gostar e gostar de pessoas –  É imprescindível gostar de gente, de ajudar e inspirar as pessoas, de se relacionar levando soluções e ideias que melhorem a vida dos clientes. É preciso gostar do produto que vende e conhecer bem o que vai oferecer, afinal, ninguém ama aquilo que não conhece.

2- Perguntar, perguntar e perguntar – Saber perguntar para entender e só depois atender a real necessidade do cliente é a forma mais efetiva de proceder.

Alguns vendedores não se sentem à vontade para fazer perguntas e alegam que os clientes não apreciam esta prática. De fato, algumas pessoas não gostam de ser questionadas, mas duas dicas podem resolver isso: a) pergunte em tom de bate-papo e não de interrogatório; b) justifique as perguntas, ou seja, avise o cliente que fará algumas questões para conseguir entender melhor a necessidade dele e, de acordo com as respostas, você poderá buscar a melhor opção e condição monetária. Pronto! Sabendo disso, muitos clientes sentirão que serão beneficiados e responderão bem mais motivados.

3- Escutar, escutar e escutar – Escutar mais e falar menos. Com o passar do tempo, o profissional de vendas que atua com excelência evoluiu e aprendeu que não adiantar mais falar, falar, falar e vencer o cliente pelo cansaço ou com alguma mentira. Ele precisa dizer a verdade e escutar para descobrir a melhor sugestão para apresentar.

O mercado no passado valorizava o vendedor que falava bastante, mas hoje isso mudou. Diversas empresas preferem o vendedor introvertido, aquele que fala menos, mas escuta atentamente e responde de forma assertiva. O falastrão que engana os clientes para vender a qualquer custo está fadado ao fracasso, pois o peixe morre pela boca.

4- Treinar, treinar e treinar – treinar continuamente. Antigamente, um vendedor fazia meia dúzia de cursos e, com algum tempo de trabalho, já se apresentava como um expert das vendas.

Segundo a ABTD (Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento) as organizações brasileiras vêm investindo cada vez mais na qualificação dos colaboradores, mas para se ter uma ideia do quanto precisa melhorar, o estudo ainda revela que o Brasil treina por ano 16,6 horas/colaborador, enquanto os Estados Unidos treina 31,5 horas/colaborador, quase o dobro.

O treinamento já é o terceiro fator mais valorizado na hora de reter talentos nas organizações, é o que revela pesquisa da Panorama RH 2016, da Mercer.

Hoje, quando realizo palestras motivacionais e treinamentos de vendas em diversas empresas e entidades por todo o Brasil, percebo que o nível de interesse por parte do funcionário com a capacitação aumentou consideravelmente, afinal, quem acha que sabe tudo na verdade não sabe nada.

5- Superar, superar e superar – superar as metas, pois elas existem para serem ultrapassadas. Walt Disney disse certa vez: “A diferença entre ganhar e perder é muitas vezes…não desistir”. Mas você já reparou como as pessoas desistem facilmente das metas quando elas começam a ficar difíceis? Meta fácil qualquer um bate, mas para metas difíceis chame um campeão, pois ele é incansável, corajoso, persistente e só sossega quando atinge seu objetivo. O ser humano tende a ficar na zona de conforto, mas os grandes vitoriosos fogem desta cilada mortal e buscam sempre novos desafios.

Quer distinguir um vencedor de um perdedor? É fácil, pergunte o motivo do seu insucesso. Os medíocres fogem da responsabilidade e atrelam seu insucesso a algum fator externo, já os verdadeiros campeões olham para dentro de si e buscam internamente uma forma de aprimorar e vencer. E, assim, encaram suas dificuldades com persistência e resiliência, superam suas adversidades com disciplina e foco, conquistam suas metas e, não por acaso, chegam merecidamente ao topo.

Parabéns vendedor!

* Erik Penna é palestrante motivacional, especialista em vendas com qualificação internacional, consultor e autor dos livros “A Divertida Arte de Vender”, “Motivação Nota 10” e “21 soluções para potencializar seu negócio”. Saiba mais sobre motivação e vendas em: www.erikpenna.com.br

Sobre o palestrante motivacional Erik Penna

É palestrante motivacional, especialista em vendas com qualificação internacional e consultor. Possui MBA em Gestão de Pessoas pela Fundação Getúlio Vargas, pós-graduação em Administração e Marketing pela Universidade Paulista e graduação em Economia pela Universidade de Taubaté.

Aborda nas palestras ensinamentos baseados nas experiências vivenciadas por ele durante a sua carreira como executivo de vendas, professor, escritor, motivador de equipes e gestor corporativo. É autor dos livros “A Divertida Arte de Vender”, “Motivação Nota 10”, “21 soluções para potencializar seu negócio” e coautor dos livros “Gigantes das Vendas” e “Gigantes da Motivação”.

Site: www.erikpenna.com.br

Atendimento à imprensa

Patrícia Arantes  RZT Comunicação
www.rztcomunicacao.com.br
patricia@rztcomunicacao.com.br
Fones: (11) 5051-8142 / 99873-6008

 

blog-16-09

6 hábitos que atrapalham a comunicação interna nas empresas

Embora a comunicação interna seja conhecida e essencial para o trabalho das equipes, muitas empresas precisam olhar para esta área com mais atenção. O erro pode não estar no planejamento, mas em pequenos hábitos que passam despercebidos e que atrapalham bastante o desenvolvimento do setor.

Confira 6 erros que podem acontecer na comunicação da empresa e você não nota:

1- Não perceber urgências

É importante seguir as estratégias da comunicação interna e manter todas as tarefas alinhadas. Entretanto, há casos de urgência que merecem mais atenção em certos momentos. Por exemplo, se a empresa vai tirar um produto de linha, é mais importante explicar logo o motivo aos colaboradores do que levar muito tempo planejando como isto será feito.

2- Linguagem inapropriada

Cada área da empresa tem seus próprios termos técnicos e os gestores adoram usá-los. Isto prejudica a comunicação interna, já que muitos colaboradores podem não entender algumas palavras específicas.

Para manter a comunicação interna eficiente, adeque a linguagem de modo que todos os colaboradores entendam a mensagem corretamente.

3- Usar apenas uma plataforma

Com tantas opções de informação que temos hoje em dia, cada um se adapta a um meio diferente – desde emails até reuniões. Um erro comum na comunicação interna é usar apenas uma plataforma para passar as mensagens e esta prática acaba ignorando o hábito dos demais colaboradores.

Por isso, a estratégia de comunicação precisa abranger diversas plataformas, para que a informação seja passada para todos da empresa. Usar diversas plataformas não é um desperdício de tempo, mas sim, uma maneira de otimizar a comunicação.

4- Não checar o retorno

Tornou-se muito comum, devido à falta de tempo, a comunicação fazer disparos  de mensagens sem a checagem de que todos receberam. Este equívoco só é percebido quando os resultados não saem como o esperado.

É importante ter um canal para que os colaboradores possam interagir e enviar dúvidas e sugestões em todas as plataformas.  Isso permite que a comunicação se torne uma via de mão dupla.

5- Editar as demais informações

A relação entre a empresa e o colaborador se tornou mais humana e, por isso, as informações passaram a ser mais transparentes. Mesmo as coisas negativas devem ser passadas a todos, como queda de vendas, perda de clientes, problemas na produção. Caso contrário, rumores começam a ser espalhados e a produtividade dos profissionais e a confiança nos gestores podem ser abaladas. Edições devem ser feitas, mas nada que omita ou distorça os fatos.

6- Falta de estratégia

Não desenvolver um planejamento é certamente um dos maiores problemas para a comunicação interna. Muitos gestores acreditam que basta estar em contato com a equipe, mas, como já apresentamos, alguns hábitos simples podem atrapalhar o desenvolvimento da área.

Planejamento e estratégia evitam erros e criam diversas práticas positivas para o alinhamento das equipes.

Com informações do portal do Neotriad

blog-14-09

5 dicas para conteúdos mais atrativos nas redes sociais

Já falamos anteriormente aqui em nosso blog que não adianta fazer diversas postagens nas redes sociais. O que o público das empresas leva mesmo em conta é o conteúdo compartilhado.

Mas, a dúvida que provavelmente ficou no ar foi: como fazer um conteúdo que seja realmente interessante para o meu público nas redes sociais? Confira estas 5 dicas:

1- Crie títulos que despertem a curiosidade

O título deve ser interessante para atrair a atenção do leitor e fazer com que ele abra seu conteúdo. Chamadas com números, como “As 10 praias mais exóticas para conhecer em suas férias”, uso de trocadilhos ou até mesmo títulos que já comecem com uma afirmação e dê vontade de continuar lendo o resto do conteúdo são totalmente válidos.

2- A chamada deve entregar o conteúdo

O título deve ser praticamente um resumo sobre o assunto do texto. Caso o leitor não encontre o conteúdo que leu na chamada, se sentirá enganado e evitará abrir futuros materiais que a página postar. Por isso, seja objetivo sobre o tema que será abordado.

3- Compartilhe informações relevantes

A internet está recheada de informações parecidas e, por isso, o público busca novos conteúdos. Converse com especialistas sobre o assunto que pretende abordar e busque dados que comprovem suas afirmações. Procure criar um material que responda aos questionamentos dos seus seguidores.

4- Dê espaço entre os parágrafos

Antes de ler, as pessoas costumam bater o olho para ver se aquele texto realmente é interessante. Caso ela se depare com parágrafos apertados e cheios de informação, perderá a disposição em continuar a leitura. Por isso, é importante manter as linhas espaçadas e escrever apenas o que é relevante para o tema.

5- Conheça a linguagem de seu público

Além dos temas que interessam ao seu público, é importante saber falar como ele. Isso fará com que os leitores se identifiquem com o conteúdo. Não adianta usar palavras complexas se está lidando com pessoas de linguajar dinâmico e direto, da mesma forma que não é inteligente usar vocabulário popular para quem é mais culto.

Publicar materiais que sejam relevantes para seus seguidores é o principal segredo para o sucesso nas redes sociais. E seguir estas dicas com certeza lhe ajudará a movimentar sua página e deixá-la mais interessante.

Com informações do portal Próxxima