conteudo em audio

Conteúdo em áudio: benefícios desta ferramenta de marketing

O conteúdo em áudio está cada vez mais ganhando espaço nas estratégias de marketing das empresas. Podcasts, audiobooks e posts narrados, são exemplos desse formato que é tendência no mercado.

Por vários motivos, algumas pessoas preferem ouvir o conteúdo, em vez de ler. O artigo a seguir mostra os benefícios dessa ferramenta e os motivos que a estão tornando um dos melhores artifícios para levantar a audiência do seu site ou blog.

Por que conteúdo em áudio é tendência?

Uma pesquisa realizada pelas empresas Edison Research e Triton Digital, a Infinite Dial 2018, verificou que 44% das pessoas que vivem nos Estados Unidos já ouviram ao menos um podcast, um crescimento em comparação aos anos anteriores. Em 2016, esse valor foi de 36%, enquanto que, em 2017, 40%.

A pesquisa analisou, ainda, o interesse das pessoas por podcasts e audiolivros. O resultado foi surpreendente e positivo no que se refere ao número de usuários destes tipos de mídias.

Com relação aos locais que as pessoas ouvem conteúdo em áudio, a pesquisa obteve esses dados:

49% escutam em casa;
22% no carro ou no caminhão;
11% no trabalho;
4% no transporte público;
4% na academia;
3% durante uma caminhada;
7% outros.

Benefícios do conteúdo em áudio para o marketing da sua empresa

Há várias vantagens em produzir esse tipo de conteúdo para o seu site ou blog. Confira alguns motivos para aplicar esse formato em sua estratégia:

– Acessibilidade: o conteúdo em áudio é acessível para pessoas com deficiência visual ou com dificuldade para enxergar. São melhores opções do que os softwares de leitura de tela, pois oferecem mais entonação e emoção ao texto. Os demais programas ainda não disponibilizam estes benefícios e transmitem as informações de forma robótica.

– Conveniência: devido à falta de tempo do dia a dia, muitas pessoas acabam não conseguindo ler todas as matérias que querem, seja por estarem dirigindo, ou fazendo alguma atividade doméstica, entre outros. Com o conteúdo em áudio, é possível ouvir e realizar qualquer outra tarefa ao mesmo tempo, como se exercitar na academia, lavar a louça etc.

– Pessoalidade: o áudio também tem a vantagem de cativar e dar mais emoção às pessoas, algo que um texto não faria com tanta intensidade, por exemplo. Essa característica aproxima ainda mais o ouvinte da empresa e pode gerar um maior engajamento em relação à marca.

Quais conteúdos podem ser produzidos?

Os materiais mais produzidos são: podcasts, posts narrados e audiobooks. Saiba os aspectos e as vantagens de cada um deles:

– Podcast: costuma ter regularidade em suas postagens. Eles são uma forma de estar constantemente em contato com o seu público. Pautas simples, como um episódio para responder as dúvidas de seus clientes, por exemplo, são temas que podem agradar os usuários. É preciso investir na qualidade técnica dos áudios, pois os consumidores desse tipo de conteúdo costumam ser exigentes.

Com os podcasts, sua empresa pode conquistar parcerias, anunciantes e ainda receber convites para participar de outros podcasts.

– Post narrado: recurso geralmente utilizado em blogs, costumam disponibilizar a narração do artigo na página do texto. Esse formato ainda é pouco usado no Brasil e sua aplicação pode surpreender seu público, aumentando, assim, o envolvimento dele a sua marca.

– Audiobook: geralmente são ebooks convertidos em áudio, com um conteúdo mais aprofundado que os posts. Eles mantêm as pessoas informadas e especializadas sobre determinado assunto, em ocasiões em que elas não conseguem ler.

Em expansão no mercado e com um custo financeiro menor do que produzir vídeos, o conteúdo em áudio pode gerar bons resultados para o marketing de conteúdo da sua empresa. Que tal investir nesse formato?

Com informações da Rock Content

Imagem: Divulgação

 

o que significa seo

O que significa SEO? Descubra como ele pode aumentar a audiência do seu site!

Talvez você já tenha ouvido falar, mas ainda não sabe o que significa SEO. Se este é o seu caso, entenderá neste artigo, de forma bastante clara, esse termo tão importante.

SEO é o acrônimo de Search Engine Optimization (Otimização para mecanismos de busca). De forma resumida, trata-se de um conjunto de técnicas para fazer com que textos, páginas e sites sejam bem rankeados organicamente nos buscadores.

E aqui cabem duas explicações, antes de irmos adiante. A primeira se refere ao rankeamento orgânico. O que é isso? Nada mais é do que os resultados que aparecem de imediato, abaixo dos anúncios, quando fazemos uma pesquisa no Google. E, claro, dependendo da expressão buscada, podem surgir dezenas de páginas com resultados.

Quanto aos buscadores, obviamente sempre lembramos do Google. Afinal, ele corresponde a mais de 98% das buscas que são feitas no Brasil. Entretanto, há outros, como Bing e Yahoo.

Um estudo do Google mostrou que 95% das pessoas não passam para a segunda página quando fazem uma pesquisa. Você passa? Eu raramente… Normalmente só fazemos isso quando realmente não achamos nada que tenha nos agradado na página inicial.

Isso acontece porque hoje navegamos de forma extremamente rápida. Queremos o tempo todo a solução para nossos problemas imediatamente. E, com isso, tendemos a acessar o que está ali, mais fácil, a um clique.

Mas como conseguir destaque para os artigos que você produz no seu blog, por exemplo? Como fazer com eles apareçam na primeira página dos buscadores? É justamente aí que entram as técnicas de SEO.

A importância de você entender o que significa SEO

Aqui na RZT Comunicação, já perdemos as contas de quantas vezes pessoas e empresas nos ligaram reclamando da baixa audiência de seus sites. Mesmo com conteúdos relevantes, o número de acessos era muito baixo. E por que isso acontece? Um dos motivos é o fato de esses textos não estarem configurados para SEO. E aí, com o trabalho de edição e revisão de todos os materiais que fazemos, os resultados aparecem.

Hoje, já não basta um texto bem escrito na web, com conteúdo informativo. É preciso que ele tenha também as técnicas de SEO. Caso contrário, é como se o conteúdo não existisse para a principal ferramenta de pesquisa da internet!

E eu entendo perfeitamente a sua frustração quando você faz um artigo sensacional, que deu enorme trabalho para produzir, e ninguém lê. Mas o bom é que agora, sabendo o que significa SEO e a importância dele, você pode mudar essa situação. E, até mesmo, ter seu texto na primeira página do Google.

Você tem ideia do valor que isso tem? Quantos acessos o material poderá ter, de forma gratuita, sem fazer com que você gaste um centavo em anúncios.

Quando isso acontece, ocorrem três situações. A primeira é, óbvio, o aumento da audiência desse material bem posicionado organicamente. A segunda é o crescimento dos acessos ao seu site, afinal, o texto está dentro do seu domínio. E isso pode resultar até em negócios, com a venda de produtos ou serviços. A terceira consequência é a geração de autoridade. Quem aparece no topo do Google é mais valorizado, passa a ser cobiçado pelo mercado.

Dicas básicas para escrever com técnicas de SEO

O Google tem centenas de fatores que ele leva em consideração na hora de ranquear um conteúdo. Abaixo, listo regras básicas que precisam ser cumpridas em cada publicação.

1) Antes de qualquer coisa, é preciso definir a palavra-chave do texto. E não precisa ser só uma palavra, pode ser uma expressão. Por exemplo: “o que significa SEO” é a palavra-chave deste meu artigo.

2) Use a palavra-chave no título

3) Coloque a palavra-chave na url (link)

4) Crie pelo menos um intertítulo/subtítulo no seu material com a palavra-chave

5) Espalhe palavra-chave ao longo do texto, sem ficar muito repetitivo

6) A imagem que você publicar para ilustrar o artigo precisa ter a palavra-chave no nome do arquivo e nas atribuições.

Bem, agora você já sabe o que significa SEO, mão na massa! Ou melhor, no teclado!

boa comunicacao

7 dicas para ter uma boa comunicação no mundo digital

Ter uma boa comunicação no mundo digital é fundamental para as empresas. Com as ferramentas atuais é possível prospectar clientes e fechar negócios sem sair do escritório. Mas, para isso, é preciso que a comunicação seja eficiente e não cause ruídos.

Estudo de Albert Mehrabian mostra que 93% da comunicação humana se dá pelos gestos, intensidade da voz, expressões faciais e postura. Somente os outros 7% se referem ao conteúdo da mensagem em si.

Assim, percebe-se que a forma como se fala é muito mais importante do que o que é falado. E como transmitir esta emoção na linguagem escrita?

Confira 7 dicas práticas de como ter uma boa comunicação na era digital

1. Pergunte: fazer questionamentos é fundamental para entender o que o outro está pensando. As perguntas podem ser abertas com respostas livres ou fechadas com opções para que o interlocutor escolha.

2Cuidado com a gramática: o uso correto do idioma é essencial para uma boa comunicação. Atenção com acentos, pontuação e grafia de termos garante que a mensagem será compreendida

3. Coloque emojis: como a comunicação escrita não consegue transmitir emoções, o uso dos emojis pode ser útil para quebrar barreiras. Nem sempre a utilização dos símbolos é bem-vinda. Assim como tudo na vida, cuidado com os excessos.

4. Use áudios: a voz transmite melhor a sensação do que se comunica. Se possível, utilize áudios no material para valorizar o conteúdo.

5. Educação e cordialidade: lições da vida também devem ser utilizadas no meio digital. Pedir licença e usar por favor, são regras básicas que se encaixam perfeitamente na comunicação digital.

6. Frases curtas: o tempo está cada vez mais escasso. As tarefas se multiplicam e é preciso produzir conteúdo rápido, mas sem esquecer a qualidade. A comunicação precisa ser de fácil entendimento para agregar valor à vida das pessoas.

7. Fuja das palavras difíceis: escrever de forma difícil pode afastar o público. Escolha termos simples, para evitar que a comunicação não seja eficiente.

Com informações do Automação de Vendas

*Imagem: divulgação

Comunicação Interpessoal

9 dicas para desenvolver a comunicação interpessoal

Além de um vocabulário claro e adequado, a forma de se expressar complementa o bom desenvolvimento da oratória. Desta forma, o modo de agir é tão importante quanto o de falar e uma boa prática de comunicação interpessoal pode transformar a sua imagem pessoal e profissional.

A princípio esta preocupação parece irrelevante, já que o modo de se expressar faz parte da fala. Mas, em certos ambientes, como o corporativo, não podemos agir de qualquer forma. Por isso, seguem nove dicas abaixo para que você consiga aprimorar esta prática:

1- Troque algo além de palavras

A comunicação interpessoal vai muito além das mensagens verbais. É interessante, junto com as informações, exercer empatia (capacidade de se colocar no lugar do outro) e tentar ter uma visão dos fatos que talvez você ainda não tenha.

 2- Aprenda com seus interlocutores

A comunicação é uma troca de ideias. Estando aberto para se comunicar, prepara-se o campo para receber aprendizados. Ou seja, acontece uma troca de experiências que torna as informações muito mais ricas e relevantes.

 3- Repense seus paradigmas

Ao longo da vida criamos paradigmas que se concretizam em nossas ideias. Mas, ao desenvolver a comunicação interpessoal, fica mais fácil quebrá-los ou renová-los. Não que a outra pessoa tenha razão e você mude completamente de ideia sobre um determinado assunto, mas é possível evoluir em seus pensamentos e descobrir novos horizontes.

 4- Estimule o compartilhamento

A inibição é uma característica normal de muitas pessoas. Mas, no mundo corporativo, não compartilhar ideias pode ser prejudicial. Deixar de apresentar planos e não defender posicionamentos inibem os verdadeiros valores do profissional para a empresa. A comunicação interpessoal traz mais confiança e segurança no ambiente em que se está inserido.

 5- Incentive o networking

A prática da comunicação interpessoal é um caminho para aumentar sua rede de contatos. Com as dicas dadas acima, realizar o networking torna a tarefa muito mais fácil.

 6- O corpo fala

Entonação da voz e articulação de gestos são fatores fundamentais para uma boa comunicação interpessoal. Atente-se para demonstrar o tipo de sentimento durante a conversa: alegria, contrariedade, questionamento, etc. Isso torna a conversa mais clara e objetiva.

 7- Comunicação interpessoal para resolução de conflitos

Esta prática é uma grande aliada para resolver ou prevenir conflitos. Muitos profissionais causam discussões por se negarem a trocar ideias, desfazer equívocos e chegar a um consenso. Por isso, é importante sempre estimular o diálogo para manter a serenidade no ambiente corporativo.

 8- Melhorar o desempenho da equipe

Estimular comunicação no ambiente corporativo melhora o desempenho e conecta os colaboradores em busca de obtenção de resultados.

 9- Promova o autoconhecimento

Ao promover as práticas de comunicação interpessoal, você abre caminhos para conhecer a si e entender como os outros o enxergam.

 Com informações do site Endeavor

 

 

 

Media Training

A importância do Media Training para startups

Lidar com jornalistas não é uma tarefa fácil, mas precisa ser encarada diariamente por empresas que desejam estar na mídia. Por isso, a procura por Media Training tem sido recorrente para preparar porta-vozes e manter um bom posicionamento na imprensa. Além disso, evitar qualquer mal-entendido que possa impactar negativamente a imagem da marca.

As empresas estabelecidas no mercado já entenderam a importância deste treinamento e é um ótimo exemplo que elas podem passar para o fenômeno do business que cresce cada vez mais: as startups.

Este tipo de negócio é conhecido principalmente por suas inovações e rápida conquista no mercado. Mas, nem sempre estas empresas possuem a mesma habilidade e jogo de cintura para lidar com jornalistas.

Primeiramente, as startups devem entender que, para construir uma boa reputação e atingir seu público alvo, é importante manter um bom contato com a imprensa. Estreitar relacionamento com formadores de opinião e conquistar a credibilidade deles é fundamental, já que possuem grande influência junto à opinião pública.

Para ajudar com este relacionamento, o trabalho com assessoria de imprensa será muito útil. Além de divulgar seus produtos e serviços, um assessor ajudará a atender aos pedidos de jornalistas. E não responder às solicitações pode gerar publicações como “a empresa procurada não quis se posicionar”, o que pode influenciar negativamente na opinião pública.

E para estas situações de posicionamento, principalmente em casos de crise, o porta-voz deve estar muito bem preparado para encarar a mídia e saber lidar com a ocorrência daquele momento. Por isso, ter um bom Media Training será fundamental para que a empresa se saia muito bem diante destas situações.

Veja a seguir algumas dicas sobre como o porta-voz e a comunicação da empresa devem se portar com a mídia:

1- O porta-voz ajudará a criar uma imagem mais confiável para as notícias divulgadas para a imprensa. Poderá servir de fonte de informações para futuras notícias sobre o setor e não apenas sobre a empresa;

2- Deve ser uma pessoa influente e respeitada dentro da empresa. Quanto mais elevada a posição de um executivo, maior deve ser seu esforço para trabalhar com a mídia. Além disso, o designado deve saber de todas as informações básicas e importantes, bem como os detalhes “noticiosos”;

3- É importante disponibilizar um ambiente agradável onde o repórter possa se sentar e ter espaço apropriado para fazer anotações;

4- O responsável por conceder a entrevista deve ser sempre amistoso e educado com o repórter e sua equipe, independentemente do tipo de entrevista ou veículo;

5- É necessário procurar fornecer informações / dados por escrito (press releases) já previamente aprovados e checados pela empresa, além de estar preparado para questões sobre temas factuais (crise internacional, por exemplo);

6- Para finalizar, a empresa e o porta-voz devem considerar sempre o interesse público e primar por dizer a verdade, ou então, não falar.

Com informações do Startupi

escrita blog

Descubra porque e-mails corporativos acabam no spam

Uma análise com mais de quatro trilhões de e-mails corporativos enviados em 2015, revelou porque muitos deles não chegaram à caixa de entrada e pararam diretamente no spam. Reclamações de usuários, envio de mensagens a destinatários desconhecidos e a falta de engajamento de alguns assinantes foram os motivos que mancharam a reputação de remetentes com os provedores, segundo pesquisa do programa de métricas Sender Score, produzido pela Return Path.

As marcas classificadas como melhores remetentes alcançaram a maior parte de seu público. No Sender Score as maiores pontuações ficaram entre 91 e 100, com 95% das mensagens entregues diretamente à caixa de entrada de seus destinatários e apenas 0,17% marcadas como spam. Remetentes com boa reputação, 81-90, apresentaram índice de entrega de 90% e marcação como spam próxima a 1%.

Nota-se uma alteração significativa nos resultados das marcas classificadas entre 71 e 80 pontos. Alcançaram 76% da caixa de entrada e 2,19% dos e-mails foram direcionados ao spam. Já as marcas que ficaram abaixo de 70 pontos no Sender Score, tiveram pouco mais da metade das mensagens entregues corretamente.

Como aumentar a reputação, de acordo com a Return Path:

1. Controle sua reputação – seja a de seu domínio remetente (caso envie e-mails de IP compartilhado) ou a de seu endereço de IP dedicado;

2. Saiba o Sender Score de seus domínios ou endereços de IP de envio;

3. Identifique métricas de reputação problemáticas;

4. Garanta que links para descadastro de usuários funcionem e estejam visíveis;

5. Autentique seus domínios de envio;

6. Dê atenção às reclamações de usuários;

7. Saiba quais dispositivos seus usuários utilizam para ler e-mails;

8. Otimize suas campanhas para todos os dispositivos;

9. Garanta que todas as URLs estejam funcionando;

10. Segmente sua lista com base no engajamento de seus usuários.

 Com informações do site Proxxima

 

 

Speak

Utilizando a comunicação na gestão das pessoas e do negócio

No mundo corporativo, a atuação de qualquer empresa deve ser pautada pelo trio de palavras comunicação, pessoas e negócio. Para conseguir utilizar a comunicação na gestão do negócio e dos colaboradores, uma das principais ferramentas hoje em dia é a comunicação interna.

Além de mobilizar as pessoas em torno dos grandes desafios das organizações, o endomarketing – marketing institucional interno – promove melhores práticas de comunicação dentro da empresa e estimula a integração em torno das grandes mudanças.

Na era da tecnologia, as informações são compartilhadas em uma velocidade cada vez mais rápida. A influência e o poder de escolha do consumidor cresceram muito nas últimas décadas, assim como a preocupação das empresas nas áreas da sustentabilidade e da responsabilidade social. A qualidade do produto ou do serviço não é suficiente para a escolha final do cliente.

Assim, os novos objetivos e estratégias determinados pelo mercado no século XXI podem e devem ser compartilhados tanto na comunicação externa como na interna.

Para obter o engajamento e compromisso de seus colaboradores, a empresa deve ter em mente que são os funcionários que detêm o conhecimento para contribuir para o sucesso do negócio. E a comunicação é a ferramenta ideal para realizar a divisão das informações entre todos aqueles que integram a organização, motivando inspiração, confiança, compromisso e a criação de equipes vencedoras.

(Com informações de O Jornal Econômico)

entrevista

4 dicas para conceder entrevistas objetivas por e-mail

Nos dias atuais, é comum conceder entrevistas para jornais, revistas e portais por e-mail. Para que os dois lados, jornalista e especialista, saiam satisfeitos da experiência, apostar em objetividade é uma boa escolha. Confira a seguir 4 dicas para você se sair bem nas entrevistas:

1- Oferecer detalhes é diferente de ser detalhista

Algumas pessoas conseguem se fazer entender em poucas frases, enquanto que outras realizam discursos enormes. Isso não significa que um jeito é melhor que o outro, mas vale lembrar que é importante ser objetivo. Contar detalhes de uma história requer bom senso e talento para não deixá-la entediante.

2- Não enrole para responder perguntas

Muitas vezes, o entrevistado se sente desconfortável em responder algumas perguntas. Caso isso aconteça, tente não evitá-las. Isso pode aguçar ainda mais a curiosidade do jornalista pelo assunto ou serem criadas suposições. Opte por respostas como:

* Esse assunto é confidencial. Quando for possível abrir as informações podemos voltar a conversar.

* Não tenho informações suficientes para responder a esta pergunta.

3- Não mude o assunto

Fugir do tema inicial até é permitido, porém, não dá pra fazer isso subestimando ou irritando o jornalista. Caso queira falar sobre um tema diferente, o melhor caminho é sugerir isso claramente. Primeiramente, responda as perguntas do tema original, cumprindo o que foi combinado. Depois, explique que gostaria de ter a oportunidade de falar sobre outro assunto, que também é interessante e pode até ser um complemento para a entrevista.

4- Seja conciso

O tempo parece correr mais rápido em redações. Jornalistas correm diariamente para fechar reportagens em tempo hábil. Neste processo, entrevistar pessoas objetivas, que conseguem responder perguntas com clareza e eficiência, é um alívio para quem está com horas contadas para finalizar uma reportagem. Portanto, seja conciso em suas respostas.

(Com informações da AtitudeCom)

Escrita

Escrita: os 50 erros de português mais comuns no mundo corporativo

Ter o domínio do português é essencial para profissionais de qualquer área. Entretanto, é muito comum ocorrerem infrações à norma culta da língua no mundo corporativo e em qualquer nível hierárquico.

Os erros ocorrem, principalmente, pela falta de familiaridade com a escrita e pelo número baixo de brasileiros que leem. Segundo pesquisa realizada pela Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ), 70% dos entrevistados afirmaram que não leram nenhum livro em 2014.

Conheça a seguir os 50 erros de português mais comuns no mundo do trabalho retirados da obra “Livros de anotações com 101 dicas de português” de autoria de Rosângela Cremaschi:

1) “Anexo” / “Anexa”
Errado: Seguem anexo os documentos solicitados.
Certo: Seguem anexos os documentos solicitados.

2) “Em vez de” / “Ao invés de”
Errado: Ao invés de elaborarmos um relatório, discutimos o assunto em reunião.
Certo: Em vez de elaborarmos um relatório, discutimos o assunto em reunião.

3) “Esquecer” / “Esquecer-se de”
Errado: Eu esqueci da reunião.
Certo: Há duas formas: Eu me esqueci da reunião ou Eu esqueci a reunião.

4) “Faz” / “Fazem”
Errado: Fazem dois meses que trabalho nesta empresa.
Certo: Faz dois meses que trabalho nesta empresa.

5) “Ao encontro de” / “De encontro a”
Errado: Os diretores estão satisfeitos, porque a atitude do gestor veio de encontro ao que desejavam.
Certo: Os diretores estão satisfeitos, porque a atitude do gestor veio ao encontro do que desejavam.

6) “A par” / “Ao par”
Errado: Ele já está ao par do ocorrido.
Certo: Ele já está a par do ocorrido.

7) “Quite” / “Quites”
Errado: O contribuinte está quites com a Receita Federal.
Certo: O contribuinte está quite com a Receita Federal.

8) “Media” / “Medeia”
Errado: Ele sempre media os debates.
Certo: Ele sempre medeia os debates.

9) “Por meio” / “Através”
Errado: Os senadores sugerem que, através de lei complementar, os convênios sejam firmados com os estados.
Certo: Os senadores sugerem que, por meio de lei complementar, os convênios sejam firmados com os estados.

10) “A meu ver” / “Ao meu ver”
Errado: Ao meu ver, o evento foi um sucesso.
Certo: A meu ver, o evento foi um sucesso.

11) “A princípio” / “Em princípio”
Errado: Achamos, em princípio, que ele estava falando a verdade.
Certo: Achamos, a princípio, que ele estava falando a verdade.

12) “Senão” / “Se não”
Errado: Nada fazia se não reclamar.
Certo: Nada fazia senão reclamar.

13) “Onde” / “Aonde”
Errado: Aonde coloquei minhas chaves?
Certo: Onde coloquei minhas chaves?

14) “Visar” / “Visar a”
Errado: Ele visava o cargo de gerente.
Certo: Ele visava ao cargo de gerente.

15) “A” / “há”
Errado: Atuo no setor de controladoria a 15 anos.
Certo: Atuo no setor de controladoria há 15 anos.

16) “Aceita-se” / “Aceitam-se”
Errado: Aceita-se encomendas para festas.
Certo: Aceitam-se encomendas para festas.

17) “Precisa-se” / “Precisam-se”
Errado: Precisam-se de estagiários.
Certo: Precisa-se de estagiários.

18) “Há dois anos” / “Há dois anos atrás”
Errado: Há dois anos atrás, iniciei meu mestrado.
Certo: Há duas formas corretas: “Há dois anos, iniciei meu mestrado” ou “Dois anos atrás, iniciei meu mestrado.”

19) “Implicar” / “Implicar com” / “Implicar em”
Errado: O acidente implicou em várias vítimas.
Certo: O acidente implicou várias vítimas.

20)“Retificar” / “Ratificar”
Errado: Estávamos corretos. Os fatos retificaram nossas previsões.
Certo: Estávamos corretos. Os fatos ratificaram nossas previsões.

21) “Somos” / “Somos em”
Errado: Somos em cinco auditores na empresa.
Certo: Somos cinco auditores na empresa.

22)“Entre eu e você” / “Entre mim e você”
Errado: Não há nada entre eu e você, só amizade.
Certo: Não há nada entre mim e você, só amizade.

23) “A fim” / “Afim”
Errado: Nós viemos afim de discutir o projeto.
Certo: Nós viemos a fim de discutir o projeto.

24) “Despercebido” / “Desapercebido”
Errado: As mudanças passaram desapercebidas.
Certo: As mudanças passaram despercebidas.

25) “Tem” / “Têm”
Errado: Eles tem feito o que podem nesta empresa.
Certo: Eles têm feito o que podem nesta empresa.

26) “Chegar em” / “Chegar a”
Errado: Os atletas chegaram em Curitiba na noite passada.
Certo: Os atletas chegaram a Curitiba na noite passada.

27) “Prefiro… do que” / “Prefiro… a”
Errado: Prefiro carne branca do que carne vermelha.
Certo: Prefiro carne branca a carne vermelha.

28) “De mais” / “demais”
Errado: Você trabalha de mais!
Certo: Você trabalha demais!

29) “Fim de semana” / “final de semana”
Errado: Bom final de semana!
Certo: Bom fim de semana!

30)“Existe” / “Existem”
Errado: Existe muitos problemas nesta empresa.
Certo: Existem muitos problemas nesta empresa.

31)“Assistir o” / “Assistir ao”
Errado: Ele assistiu o filme “A teoria do nada”.
Certo: Ele assistiu ao filme “A teoria do nada”.

32) “Responder o” / “Responde ao”
Errado: Ele não respondeu o meu e-mail.
Certo: Ele não respondeu ao meu e-mail.

33) “Tão pouco” / “Tampouco”
Errado: Não compareceu ao trabalho, tão pouco justificou sua ausência.
Certo: Não compareceu ao trabalho, tampouco justificou sua ausência.

34) “A nível de” / “Em nível de”
Errado: A pesquisa será realizada a nível de direção.
Certo: A pesquisa será realizada em nível de direção.

35) “Chego” / “Chegado”
Errado: O candidato havia chego atrasado para a entrevista.
Certo: O candidato havia chegado atrasado para a entrevista.

36) “Meio” / “Meia”
Errado: Ela estava meia nervosa na reunião.
Certo: Ela estava meio nervosa na reunião.

37) “Viagem” / “Viajem”
Errado: Espero que eles viagem amanhã.
Certo: Espero que eles viajem amanhã.

38) “Mal” / “Mau”
Errado: O jogador estava mau posicionado.
Certo: O jogador estava mal posicionado.

39) “Na medida em que” / “À medida que”
Errado: É melhor comprar à vista à medida em os juros estão altos.
Certo: É melhor comprar à vista na medida em que os juros estão altos.

40) “Para mim” / “Para eu” fazer
Errado: Era para mim fazer a apresentação, mas tive de me ausentar.
Certo: Era para eu fazer a apresentação, mas tive de me ausentar.

41) “Mas” / “Mais”
Errado: Gostaria de ter viajado, mais tive um imprevisto.
Certo: Gostaria de ter viajado, mas tive um imprevisto.

42) “Perca” / “perda”
Errado: Há muita perca de tempo com banalidades.
Certo: Há muita perda de tempo com banalidades.

43) “Deu” / “Deram” tantas horas
Errado: Deu dez da noite e ele ainda não chegou.
Certo: Deram dez da noite e ele ainda não chegou.

44) “Traz” / “Trás”
Errado: Ele olhou para traz e viu o vulto.
Certo: Ele olhou para trás e viu o vulto.

45) “Namorar alguém” / “Namorar com alguém”
Errado: Maria namora com Paulo.
Certo: Maria namora Paulo.

46) “Obrigado” / “Obrigada”
Errado: Muito obrigado! – disse a funcionária.
Certo: Muito obrigada! – disse a funcionária.

47) “Menos” ou “Menas”
Errado: Os atendentes fizeram menas tarefas hoje.
Certo: Os atendentes fizeram menos tarefas hoje.

48) “Descriminar” / “Discriminar”
Errado: Os produtos estão descriminados na nota fiscal.
Certo: Os produtos estão discriminados na nota fiscal.

49) “Acerca de” / “a cerca de”
Errado: Estavam discutindo a cerca de política.
Certo: Estavam discutindo acerca de política.

50) “Meio-dia e meio” / “Meio-dia e meia”
Errado: Nesta empresa, o horário de almoço inicia ao meio-dia e meio.
Certo: Nesta empresa, o horário de almoço inicia ao meio-dia e meia.

(Com informações da Exame.com)

escrita

5 dicas para elaborar um bom currículo

Como diz o ditado, a primeira impressão é a que fica. Uma das premissas básicas para conseguir a tão sonhada vaga no mercado de trabalho é ter um currículo atrativo e que chame a atenção das empresas.

Algumas regras são válidas de forma equivalente tanto para quem já tem mais experiência como para aqueles que estão na busca da primeira oportunidade. A única diferença, segundo especialistas, será as informações prestadas pelo candidato experiente sobre sua trajetória profissional. O essencial é incluir os empregos mais recentes e significativos.

Confira a seguir 5 dicas para elaborar de forma correta um currículo em qualquer fase da carreira:

1. Seja sucinto

O currículo ideal não pode ser longo. As empresas não têm funcionários e tempo disponíveis para ler três páginas sobre cada candidato. É preciso contar a sua história da forma mais concisa possível.

2. Apresente um resumo das suas qualificações

Mesmo para quem tem pouca ou nenhuma qualificação, é importante listar alguns pontos que resumem as suas principais competências. Dessa forma, fica mais fácil para a empresa entender em quais áreas e pontos você estará apto a trabalhar.

3. Deixe claro o seu objetivo

Outro cuidado importante é declarar a área em que você pretende trabalhar, destacar um segmento de atuação de preferência de acordo com seu perfil e trajetória profissional. Já para os jovens sem especialidade definida, é permitido colocar um objetivo mais generalista.

4. Seja simples

A regra geral para currículos é ser o mais simples possível. O papel deve ser branco, a formatação simples, poucas cores e fontes clássicas como Arial ou Times New Roman. Da mesma forma, a linguagem deve ser a mais formal possível.

5. Destaque resultados

Detalhar o que você conquistou nos trabalhos anteriores ajuda e muito na hora da seleção. Inclua os resultados mais importantes e destaque como estes foram alcançados. Mesmo os mais jovens podem incluir esse tópico no currículo, abordando prêmios que ganhou na faculdade ou experiências que adquiriu como júnior ou estagiário.

(Com informações da Exame.com)