media training

Media Training: 7 dicas para não errar na entrevista de TV

As empresas e os profissionais que procuram mais visibilidade e ganhar atenção do público querem sempre aparecer na TV, em reportagens ou entrevistas. Trata-se de uma ótima forma de atrair publicidade gratuita para sua marca, porém, alguns deslizes podem comprometer a imagem dessa empresa perante os espectadores. E é justamente aí que entra o Media Training.

Veja aqui algumas dicas de Media Training para se sair bem nas entrevistas para TVs:

1- Saiba o que vai falar: o princípio de uma entrevista bem sucedida é o domínio do conteúdo a ser explorado na pauta da entrevista. Procure saber com antecedência sobre o assunto tratado e ensaie, se for necessário, para não correr o risco de errar na hora certa.

2- Fique atento com o tempo: o tempo na televisão é diferente do que o da mídia impressa, por isso, as respostas às perguntas não podem ser tão longas quanto às dadas para uma revista semanal, por exemplo. Mas mesmo assim, não significa que as respostas devam ser incompletas. Fale com precisão, de forma clara e objetiva. Evite ser redundante e prolixo.

3- Porte-se adequadamente: este é um dos pilares do Media Training. Ao expor sua figura na televisão, a imagem de sua empresa também está em jogo. Portanto, fique atento à sua postura corporal, lembrando-se sempre das lições sobre linguagem do corpo já exploradas aqui no blog da RZT. O vestuário é um ponto essencial para representar a sua empresa da forma que você quer que ela seja vista pelo público.

4- Tenha inteligência emocional: não se deixe abalar emocionalmente em caso de uma pergunta que o deixe desconcertado, sobre temas polêmicos ou que tentem explorar alguma crise que a empresa possa estar enfrentando. A inteligência emocional será crucial para manter o controle mesmo com o nervosismo. Não deixe transparecer emoções de raiva ou desespero.

5- Fale de modo correto: não fale em hipótese alguma o português de forma incorreta, como por exemplo, a conjugação de verbo no tempo errado.

6- Preste atenção no entrevistador: mesmo que tenha ensaiado suas respostas, preste atenção no que está sendo perguntado para você e responda o que está sendo questionado.

7- Procure o porta-voz correto: caso não se sinta o representante mais adequado para tratar sobre determinado tema pautado, indique o porta-voz correto para a entrevista.

(Com informações do Atitude.com)

Alunos aprovam e recomendam Media Training da RZT Comunicação:

“O Media Training da RZT Comunicação reúne alguns requisitos fundamentais: é rápido sem ser omisso; é flexível, porque você marca a hora e local em que pode acompanhar o curso; e permite que corrijamos erros quando de uma apresentação junto à imprensa, dando dicas importantes. O Gabinete Jurídico recomenda.”
Elaine Rodrigues – Advogada (Gabinete Jurídico)

“Achei o Media Training bastante interessante e produtivo. Através dele, pude compreender melhor o papel da mídia e a melhor forma de me relacionar com ela. Além disso, foi muito interessante e divertido realizar uma simulação de
entrevista, assistir à gravação e ouvir o feedback dos instrutores e demais participantes. Foi um dia leve e agradável.”
Fran Winandy – Psicóloga e headhunter (Acalântis Executive Search)

“O Media Training é perfeito no seu tempo. As teorias são muito objetivas e a prática, que tem como seu ponto forte, está perfeita também no seu conteúdo.”
Jorge Lúcio – Empresário (Faztech Telecom)

“Adorei o Media Training. Aprendi muito e doravante vou me sair melhor nas entrevistas graças à RZT Comunicação.”
Márcia Cristina Soares – Advogada

“A experiência de ter participado do curso de Media Training da RZT Comunicação satisfez todas as minhas expectativas e foi além. A mescla de teoria e prática, aliada à opção por um reduzido número de participantes, imprimem um ritmo dinâmico e um caráter de ‘coaching’ individual, que permite aos integrantes aprenderem tanto com seus próprios erros como também com as experiências dos participantes. Os anos de experiência dos instrutores Almir Rizzatto e Patrícia Arantes, aliados à habilidade de ambos em transmitir conhecimento com clareza didática e carinho, transformam o curso em uma experiência inesquecível. Valeu o investimento!”
Max Paskin Neto – Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná

“O trabalho da RZT Comunicação foi ótimo. Ter feito o Media Training ajudou muito durante as entrevistas, principalmente ao vivo para rádios. O curso alertou para alguns detalhes muito importantes na hora da entrevista.”
Sérgio Andrade – Empresário (MelhorEscola.Net)

“O curso Media Training foi muito positivo na medida em que, além de fornecer conteúdo teórico a respeito
do relacionamento com a imprensa, pôde desenvolver minhas habilidades práticas. Portanto, deixo minha recomendação ao curso e meu agradecimento à RZT Comunicação pelo excelente serviço prestado.”
Thiago Madureira Machado – Internet Marketer (Zye Agência Digital)

“O curso de Media Training da RZT é excelente. Oferece subsídios para o bom atendimento e relacionamento com a mídia,
com uma perspectiva bastante realista de como potencializar seu produto/marca perante a sociedade.”
Vinícius Dal’Laqua dos Santos – Assessor de comunicação (Faculdade de Medicina da Unesp de Botucatu)

Como escrever bem

Escrever é sofrer? Veja dicas para se comunicar cada vez melhor

Quem diz que escrever é fácil está certamente mentindo. Escrever demanda tempo, este que é tão escasso ou escapa aos nossos dedos. Exige também revisões, seja no conteúdo ou na gramática. Quem nunca escreveu uma frase brilhante e percebeu tempos depois que a sentença estava ambígua?

A forma, às vezes, é o mais fácil de tratar, basta reservar um tempo para tomar atenção quanto aos mínimos detalhes: acentos, vírgulas, concordância verbal e nominal. Mas, despertar a criatividade e fazer brotar um texto numa imensa folha de papel em branco, é o mais difícil.

Ler bastante é o indicado para se escrever bem, embora não seja garantia de um texto brilhante. Conforme lemos sobre diversos assuntos, aprendemos a escrever corretamente as palavras e temos a oportunidade de obter inspiração, tão necessária para a escrita.

O fato é: escrever é sofrer? E quando precisamos escrever sob pressão, com tempo e espaço pré-determinados? O ideal seria escrevermos somente quando quiséssemos? Refletindo sobre o assunto, qual é a sua conclusão?

(Com informações do Portal Exame)

Dicas para falar em público

5 conselhos para falar (bem) em público

Falar em público é uma tarefa que pode ser fácil para alguns, mas para outros, algo totalmente constrangedor. Se este é o seu caso, há algumas dicas para melhorar o ato da oratória, seja ela para uma grande plateia ou mesmo para pequenas reuniões.

Dominar a arte da oratória é uma ação que pode ser aprendida não só por líderes ou executivos de altos cargos hierárquicos, mas por todos que desejam se comunicar bem. No campo profissional, em quase todas as atividades desempenhadas existe a comunicação, seja com seu superior, clientes, parceiros ou fornecedores, por isso é fundamental desenvolver o seu discurso.

Para tanto, é preciso ser uma pessoa bem articulada. Uma oratória mais desenvolvida é capaz de informar melhor, convencer, engajar, motivar e atingir, assim, seus objetivos, sejam eles pessoais ou profissionais. Veja abaixo cinco dicas para não errar na hora de falar em público:

1) Elabore um roteiro

São poucas as pessoas que conseguem se orientar em explanação em público sem ter um roteiro com o que irá dizer. Somente com muita prática, treino e experiência é possível atingir esse patamar. Para os que ainda estão no início e procuram se aperfeiçoar na arte de falar em público, é importante preparar previamente um roteiro. Assim, ensaie bastante antes e use-o como apoio. Não é recomendável, no entanto, que se carregue em mãos na hora da reunião ou palestra, faça isso somente caso esqueça algum ponto.

2) Conheça o conteúdo

É imprescindível dominar ou ao menos conhecer bem o assunto a ser apresentado, pois caso surjam imprevistos ou perguntas inesperadas você saberá como responder. Assim, se não for especialista no tema, estude bastante antes de falar em público.

3) Tenha timing

Evite prolongar-se sob um mesmo aspecto do tema discutido, isso pode desviar a atenção do público, pois se torna cansativo. O contrário também é um problema. Quando se aborda muito rapidamente algum assunto, a impressão para seus interlocutores é que você não conhece bem o tema abordado. Então, preze pelo equilíbrio, sempre!

4) Transmita confiança

Ao falar, procure sempre olhar nos olhos das pessoas de sua plateia e tente transmitir uma postura amistosa. Isso facilitará com que confiem no que está sendo dito por você.

5) Escute o seu ouvinte

Em ocasiões onde há possibilidade de ter um feedback de sua plateia, como por exemplo, na abertura de perguntas para o público, esteja atento àquelas direcionadas para você. Se for o caso de uma reunião, dê espaço para que os participantes possam também opinar para que desse modo a comunicação cumpra o seu papel.

(Com informações do Administradores)

Media Training

O que é Media Training?

O Media Training é um treinamento direcionado a líderes, como diretores, presidentes ou representantes de empresas e organizações, para que se comuniquem com a imprensa em entrevistas, apresentações, entrega de prêmios, entre outros.

Esses profissionais, capacitados para suas funções, precisam estar preparados para lidar com jornalistas e repórteres, já que a imagem da empresa que representam está diante da mídia e da opinião pública.

Durante o treinamento de mídia são realizadas simulações de entrevistas de modo que a pessoa esteja preparada para responder bem às perguntas dos jornalistas no momento oportuno, tal como um gestor de comunicação corporativa.

Também são esclarecidos ao líder submetido ao Media Training pontos fundamentais sobre a imprensa e seu funcionamento, como o que são editorias, quais são os conteúdos que interessam aos jornalistas e quem são estes profissionais.

Assim, o Media Training é parte essencial para que o plano de comunicação corporativa de uma instituição seja cumprido, pois é com esse treinamento de porta-vozes que equívocos, ruídos e desgastes da imagem da empresa são evitados.

(Com informações da Catho)

Boa escrita

Sucesso profissional também depende de boa escrita

Profissionais com um currículo invejável, formação acadêmica exemplar e ampla experiência às vezes podem pecar em um aspecto importante para suas carreiras: a boa escrita. Seja para escrever relatórios, comunicados ou mesmo e-mails corriqueiros, alguns têm dificuldade em desempenhar estas ações básicas.

Uma frase mal construída num e-mail, com interpretação ambígua, mal pontuada ou com ortografia incorreta, pode ocasionar constrangimentos e exposição negativa de sua imagem profissional dentro da empresa onde trabalha.

O uso do e-mail na vida profissional é importantíssimo, pois é através desta ferramenta que formalizamos questões, pautas de reunião, atas, etc. Enfim, trata-se de um documento que comprovará algum compromisso assumido. Portanto, fique atento a algumas dicas destacadas aqui para facilitar a sua escrita:

– Seja sério: como já foi dito, e-mails são documentos, desta forma, leve este trabalho a sério e tenha em mente que tudo o que for escrito neles estará oficializado e poderá ser até usado contra você em caso de algum desentendimento. Mas lembre-se: ser sério não significa ser antipático.

– Saudação: esteja atento à saudação utilizada para o seu destinatário. Caso seja um e-mail mais formal, utilize expressões como “prezado cliente” e “atenciosamente”. Se for mais informal, esteja livre para usar “bom dia”, “boa tarde”’, “olá”, expressões mais coloquiais. E não se esqueça: seja sempre educado!

– Revise: Verifique se a ortografia está correta e se o que você quis dizer com suas palavras está claro para que seus colegas ou superiores entendam sua mensagem.

– Letra: Não utilize caps lock, pois pode ser entendido como um grito para a pessoa que recebeu o e-mail. Se for necessário grifar alguma coisa, utilize o negrito ou itálico.

– Seja assertivo: seja direto, objetivo e o mais claro possível. Utilize frases curtas e seja simples, evitando o uso de palavras complicadas. Termine o e-mail utilizando uma frase que retome o objetivo do e-mail. Caso não tenha um prazo estipulado para o pedido, finalize com “aguardo o seu retorno” ou “aguardo suas considerações”.

(Com informações do Instituto Passadori)

Organização de ideias

Articular bem as ideias faz a diferença na comunicação

Diante de um mercado de trabalho cada vez mais competitivo, ter uma boa oratória é considerado um fator determinante para uma contratação ou promoção de cargo. Quem sabe se expressar bem e articular as ideias de modo lógico, coeso e coerente sai à frente de seus concorrentes.

A oratória consiste numa série de regras e técnicas de discurso, de modo que o orador possa informar, entreter, emocionar, em suma, envolver o seu interlocutor. Como início de uma comunicação eficaz, cinco perguntas básicas devem ser feitas antes de formular o texto de seu discurso: quem diz, o que, para quem, onde e por quê.

Com origens na Grécia Antiga, a oratória era ensinada para os que desejavam falar publicamente no tribunal ou na política por meio dos ensinamentos dos sofistas e, mais tarde, por Aristóteles, Platão e Sócrates.

Os bons oradores são aqueles que, além de saber se expressar bem, conseguem mexer com as emoções de seu público. Nomes como Bill Clinton, Martin Luther King, Abraham Lincoln, John Kennedy, só obtiveram sucesso em suas carreiras como políticos graças ao recurso da oratória.

O conhecimento de técnicas de oratória é extremamente importante para se destacar e, assim, alcançar o sucesso desejado.

(Com informações do Portal Exame de Ordem)

A importância de se comunicar bem

Armas de comunicação: persuasão, oratória e carisma

A persuasão é um recurso de comunicação usado para convencer as pessoas sobre alguma ideia, uma atitude ou praticar uma ação. Esse convencimento é feito sob o uso de argumentos lógicos ou de apelo emocional.

No mercado de trabalho, a persuasão se torna um fator essencial para se destacar, mostrando suas crenças e valores para a empresa que você atua, clientes e fornecedores. Junto à credibilidade, atitudes que geram sentimentos positivos e o conhecimento de valores do outro, você conseguirá ser persuasivo e influenciar o outro de maneira saudável.

Além da persuasão, o carisma é fundamental para quem quer dominar a arte da persuasão. Pessoas carismáticas sorriem com facilidade, dizem o que o ouvinte quer escutar, transmitem energia positiva, falam com clareza e objetividade, são alegres e demonstram confiança.

Para melhorar o seu nível de persuasão e carisma, no entanto, é necessário dominar algumas técnicas de oratória. Selecionamos alguns exercícios fáceis para você praticar em sua casa:

1- Leia notícias em frente ao espelho como se fosse um apresentador ou locutor de rádio. Interprete textos e poemas, com entonação e vozes diferentes. Se possível, grave seu exercício para analisar seu gestos, postura e voz;

2- Assista a filmes e preste atenção aos diálogos, movimentação dos atores em cena, expressão facial e tom de voz;

3- Nos telejornais, perceba como a voz dos apresentadores junto à postura e outros recursos audiovisuais se casam, dizendo muito em pouco tempo;

4- Em comerciais de TV, analise os argumentos de venda utilizados para o convencimento;

5- Assista a seminários, cursos e palestras para aprender técnicas de comunicação;

6- Pague micos e dê risada. Cante num karaokê com amigos, veja uma boa comédia e aproveite o lado lúdico da vida.

A persuasão e o carisma do emissor da mensagem são partes de uma comunicação bem estruturada. Comunicando-se melhor, há mais chances de se conquistar o emprego desejado ou mesmo manter a sua posição atual.

(Com informações do iBahia)

Linguagem corporal

Aprenda a entender a linguagem corporal

A maneira como nos portamos é tão importante quanto o que dizemos em todas as esferas de relacionamentos pessoais. Seja no trabalho, com amigos ou familiares, se deixamos de lado a percepção da linguagem corporal, perdemos o entendimento da mensagem como um todo. No âmbito profissional, o sucesso pode até ser adiado em decorrência dessa desatenção.

Para aprender essa linguagem é necessário, antes de tudo, conhecer o próprio corpo com algumas medidas simples que ampliarão a capacidade de compreender como funciona a comunicação não verbal. Veja a seguir:

– Faça atividades ao ar livre: a primeira dica é ter um tempo para praticar atividades ao ar livre como, por exemplo, uma caminhada no parque. Nesta oportunidade, perceba como caminha, o modo como se encontra com outras pessoas no espaço e sinta a temperatura do tempo em sua pele.

– Desenvolva consciência corporal: para entender e transmitir mensagens corporais é preciso que você conheça um pouco sobre o funcionamento do próprio corpo. Assim, procure uma literatura que explique sobre anatomia como forma de entender o que acontece por baixo da sua pele.

– Procure atividades físicas não convencionais: em vez de ir para a academia, tente praticar outra atividade física que permita conhecer melhor o seu corpo, como a dança, o teatro, o circo ou outros esportes ao ar livre.

Ao sair do ambiente comum de trabalho e se conectar com o mundo exterior, a percepção do próprio corpo e a do outro se faz aumentada. Dessa forma, a consequência será um melhor domínio sobre suas gesticulações e postura, adequando-as ao seu discurso, e uma maior compreensão sobre o que os outros têm a dizer não verbalmente.

(Com informações da Exame.com)

Apresentação em público

3 dicas para fixar a atenção do público numa apresentação

Atenção é algo extremamente custoso de se conseguir atualmente, principalmente quando é preciso dividi-la com smartphones. Não existe um estudo preciso sobre quanto tempo contínuo um espectador permanece atento a uma explicação, mas Susan Weinschenk, autora de “Apresentações Brilhantes” (Editora Sextante), acredita que seja em torno de 7 minutos. Após o decorrer deste curto período, o palestrante ou apresentador precisa usar suas habilidades para reconquistar a atenção dos ouvintes.

No livro em questão, Susan fornece algumas recomendações para aqueles que buscam reter a atenção de sua plateia. Veja a seguir como conseguir isso com três pequenos truques usados por experts em apresentação:

1- Faça breves intervalos: se a palestra tiver duração estimada maior que uma hora, programe um intervalo. Cinco minutos pode ser o bastante para arejar os pensamentos do seu interlocutor para que o conteúdo enunciado seja facilmente apreendido por ele.

2- Promova interação: atividades interativas são úteis para ganhar a atenção da plateia. Peça para seu público desenhar, escrever ou proponha pequenas discussões. Outra dica para interagir com sua plateia é fazer perguntas para as pessoas, assim, o discurso é quebrado e não se torna maçante.

3- Conte histórias: pequenas narrativas interessantes e pertinentes ao assunto destacado são formas eficazes de fixar a atenção. Ao falar, modifique sua posição no palco vez ou outra.

No mais, procure sempre alterar a forma como fala ou se porta a cada sete minutos, tempo estimado em que as pessoas costumam “perder” a atenção. Assim, você terá mais chances de obter sucesso em reter a atenção do seu público e atingi-lo com sua mensagem.

(Com informações da Exame.com)

Dificuldade em escrever

Profissionais e até executivos sofrem na hora de escrever

As dificuldades com a escrita parecem cada vez mais evidentes, inclusive no meio corporativo. Profissionais de todos os níveis sofrem para elaborar propostas comerciais, relatórios e até simples e-mails.

Prova disso é o resultado de uma pesquisa feita recentemente pela RZT Comunicação: 84% das pessoas admitiram ter esse problema e reconheceram a necessidade de aprimoramento.

Participaram do levantamento profissionais das áreas de Comércio Exterior, Comunicação, Consultoria Empresarial, Educação, Finanças, Gestão, Palestras, Recursos Humanos, Saúde e Tecnologia da Informação.

“A maioria apontou a dificuldade geral de escrever, de colocar as ideias no papel. Outros identificaram problemas como falta de clareza e objetividade”, afirma Almir Rizzatto, diretor da RZT Comunicação.

A insegurança é tanta que, quando questionados se tinham interesse em escrever um livro, 88% disseram que sim, mas só se contassem com ajuda de um profissional.

De acordo com Rizzatto, que ministra cursos de escrita e criou um treinamento online, o problema atinge profissionais, inclusive os que ocupam cargos de chefia, liderança e diretoria. “Já vi executivos com enorme dificuldade, tanto na estruturação do texto quanto com a própria Língua Portuguesa.”

Prejuízo para todos os lados

A deficiência em comunicação gera danos tanto para empresas quanto para empregados. Uma pesquisa feita pelo Project Management Institute Brasil (PMI), com 300 companhias nacionais e multinacionais, mostrou que em 76% das organizações os projetos não dão certo porque os funcionários não sabem escrever nem falar bem.

“E profissionais com essa dificuldade, obviamente, têm menos chances de serem contratados e promovidos. Ser um bom comunicador é fundamental para ter uma carreira de sucesso, até porque nos comunicamos o tempo todo, seja internamente, com clientes ou nas redes sociais”, lembra Almir Rizzatto.