Posts

media-training

5 motivos para fazer Media Training

Há diversos motivos para profissionais liberais e porta-vozes de empresas fazerem Media Training. Aliás, a capacitação para lidar com jornalistas e conceder entrevistas deve ser o primeiro passo antes de iniciar um trabalho efetivo de exposição na imprensa.

Veja 5 razão para participar deste treinamento:

1) Aprender as palavras-chave

As palavras-chave são mensagens estratégicas para guiar o assunto diante uma entrevista. Muitas vezes, representam até os valores da organização. Aprender a usar os termos certos ajuda o porta-voz a transmitir a informação com clareza e sem ambiguidades, evitando que o executivo seja mal compreendido.

2) Entender os diferentes tipos de veículos

Cada mídia transmite a informação de uma maneira diferente e, por isso, é importante que o porta-voz saiba falar com cada uma delas. Por exemplo, no rádio deve-se estar atento ao tom de voz, já que não há imagens.

Nas revistas e jornais, é importante passar detalhadamente a posição da empresa em relação ao assunto abordado. Já na televisão, o cuidado principal é com a postura adequada diante das câmeras.

3) Oratória

Além de usar bem as palavras-chave, o porta-voz deve ter um bom discurso ao lidar com a imprensa. Saber transmitir a informação com clareza e alinhada com o posicionamento e valores da organização é fundamental para uma entrevista com resultados positivos.

4) Manter a postura

Em revistas e jornais, as imagens são apenas em fotos, mas, na televisão, tudo é em vídeo. Algumas vezes, inclusive, ao vivo. O porta-voz, então, precisa atentar-se a diversos detalhes, desde seus gestos, para uma boa comunicação corporal, até a roupa com a qual se apresenta.

5) Saber lidar com repercussões negativas

Às vezes é inevitável que a empresa esteja envolvida em assuntos delicados, que possam prejudicar a imagem e posição diante do mercado, da imprensa e da opinião pública. Uma vez que isso acontece, a organização deve saber lidar com a situação, assumindo o erro e procurando a melhor forma de repará-lo. Equívocos podem acontecer a todo momento, mas a forma como se encara a situação conta muito para reestabelecer a imagem.

Mais que aprender um bom discurso, o Media Training passa ensina para o participante as diferentes maneiras de lidar e se comportar com cada tipo de veículo. E estas práticas de oratória ele pode aplicar não somente na mídia, mas em todos as áreas da vida pessoal e profissional.

Aprender a se comunicar melhor agrega muitos benefícios a todos que participam deste tipo de treinamento.

Media Training

A importância do Media Training para startups

Lidar com jornalistas não é uma tarefa fácil, mas precisa ser encarada diariamente por empresas que desejam estar na mídia. Por isso, a procura por Media Training tem sido recorrente para preparar porta-vozes e manter um bom posicionamento na imprensa. Além disso, evitar qualquer mal-entendido que possa impactar negativamente a imagem da marca.

As empresas estabelecidas no mercado já entenderam a importância deste treinamento e é um ótimo exemplo que elas podem passar para o fenômeno do business que cresce cada vez mais: as startups.

Este tipo de negócio é conhecido principalmente por suas inovações e rápida conquista no mercado. Mas, nem sempre estas empresas possuem a mesma habilidade e jogo de cintura para lidar com jornalistas.

Primeiramente, as startups devem entender que, para construir uma boa reputação e atingir seu público alvo, é importante manter um bom contato com a imprensa. Estreitar relacionamento com formadores de opinião e conquistar a credibilidade deles é fundamental, já que possuem grande influência junto à opinião pública.

Para ajudar com este relacionamento, o trabalho com assessoria de imprensa será muito útil. Além de divulgar seus produtos e serviços, um assessor ajudará a atender aos pedidos de jornalistas. E não responder às solicitações pode gerar publicações como “a empresa procurada não quis se posicionar”, o que pode influenciar negativamente na opinião pública.

E para estas situações de posicionamento, principalmente em casos de crise, o porta-voz deve estar muito bem preparado para encarar a mídia e saber lidar com a ocorrência daquele momento. Por isso, ter um bom Media Training será fundamental para que a empresa se saia muito bem diante destas situações.

Veja a seguir algumas dicas sobre como o porta-voz e a comunicação da empresa devem se portar com a mídia:

1- O porta-voz ajudará a criar uma imagem mais confiável para as notícias divulgadas para a imprensa. Poderá servir de fonte de informações para futuras notícias sobre o setor e não apenas sobre a empresa;

2- Deve ser uma pessoa influente e respeitada dentro da empresa. Quanto mais elevada a posição de um executivo, maior deve ser seu esforço para trabalhar com a mídia. Além disso, o designado deve saber de todas as informações básicas e importantes, bem como os detalhes “noticiosos”;

3- É importante disponibilizar um ambiente agradável onde o repórter possa se sentar e ter espaço apropriado para fazer anotações;

4- O responsável por conceder a entrevista deve ser sempre amistoso e educado com o repórter e sua equipe, independentemente do tipo de entrevista ou veículo;

5- É necessário procurar fornecer informações / dados por escrito (press releases) já previamente aprovados e checados pela empresa, além de estar preparado para questões sobre temas factuais (crise internacional, por exemplo);

6- Para finalizar, a empresa e o porta-voz devem considerar sempre o interesse público e primar por dizer a verdade, ou então, não falar.

Com informações do Startupi

Transforme-se numa autoridade na internet

Antes de vender pela internet, transforme-se numa autoridade!

* Por Almir Rizzatto

Imagine a seguinte situação: você está buscando um curso online sobre como aumentar as vendas e se depara com duas opções. A primeira é com um especialista que você já conhece, seja por acompanhá-lo nas redes sociais, pelas aparições na imprensa, pelos artigos dele que você adora ler ou pela recomendação de algum amigo. A outra possibilidade é com um profissional que você nunca ouviu falar. Depois de pesquisar o nome dele na internet, não acha quase nada. Pouquíssimo conteúdo, sem depoimentos de clientes, redes desatualizadas…

Agora responda: de quem você compraria o curso? Muito provavelmente do primeiro, correto? Claro! E sua decisão está totalmente atrelada à autoridade, segurança e confiança que o especialista transmitiu a você. Ou seja, para chegar a esse nível de ser comprado, sem fazer esforço, o profissional precisou trabalhar sua imagem, sua marca. Só depois, então, começou a colher.

O caminho parece óbvio, afinal, é o que normalmente se faz no mundo offline. Começamos a carreira fazendo um estágio – muitas vezes até sem ser remunerado – e, aos poucos, alcançamos novos cargos, passamos a ser reconhecidos e conquistamos melhores salários. Só que, hoje em dia, com o boom do Marketing Digital, muitos querem encurtar o caminho. E até começar pelo final.

É comum entrarem em contato comigo aqui na agência e falarem: “Almir, acabei de criar um e-book, um curso online, e agora quero vender. Quero ganhar dinheiro!”. E aí, quando vou pesquisar sobre a pessoa, não acho nada. Nem um site ou blog. Talvez nem ela compraria seu próprio infoproduto.

Então, se você pensa em colocar à venda na internet seus produtos ou serviços, tenha humildade ao começar. Não se iluda com quem anuncia que ganhou 5, 6 ou 7 dígitos em um mês. Comece a produzir artigos com frequência, exponha-se, participe ativamente de grupos e, se possível, contrate uma assessoria de imprensa, pois aparecer na mídia dá status e credibilidade.

Formando uma base sólida, as chances de você ter sucesso no Marketing Digital são enormes. Boa sorte!

GRÁTIS: Para te ajudar a aparecer na mídia, disponibilizo meu e-book “5 passos para se destacar na imprensa” (http://www.rztcomunicacao.com.br/brilhenaimprensa)

CURSO: E, se você quer se capacitar para entrar nesse universo online, indico o curso “Marketing Digital na prática: como e por onde começar?” (http://www.rztcomunicacao.com.br/cursomktdigital)

* Almir Rizzatto é jornalista, sócio-fundador da RZT Comunicação (www.rztcomunicacao.com.br), assessor de imprensa e especialista em marketing digital, além de escritor, biógrafo e ghostwriter. Atua também como palestrante e instrutor de cursos de comunicação. Email: almir@rztcomunicacao.com.br

entrevista

4 dicas para conceder entrevistas objetivas por e-mail

Nos dias atuais, é comum conceder entrevistas para jornais, revistas e portais por e-mail. Para que os dois lados, jornalista e especialista, saiam satisfeitos da experiência, apostar em objetividade é uma boa escolha. Confira a seguir 4 dicas para você se sair bem nas entrevistas:

1- Oferecer detalhes é diferente de ser detalhista

Algumas pessoas conseguem se fazer entender em poucas frases, enquanto que outras realizam discursos enormes. Isso não significa que um jeito é melhor que o outro, mas vale lembrar que é importante ser objetivo. Contar detalhes de uma história requer bom senso e talento para não deixá-la entediante.

2- Não enrole para responder perguntas

Muitas vezes, o entrevistado se sente desconfortável em responder algumas perguntas. Caso isso aconteça, tente não evitá-las. Isso pode aguçar ainda mais a curiosidade do jornalista pelo assunto ou serem criadas suposições. Opte por respostas como:

* Esse assunto é confidencial. Quando for possível abrir as informações podemos voltar a conversar.

* Não tenho informações suficientes para responder a esta pergunta.

3- Não mude o assunto

Fugir do tema inicial até é permitido, porém, não dá pra fazer isso subestimando ou irritando o jornalista. Caso queira falar sobre um tema diferente, o melhor caminho é sugerir isso claramente. Primeiramente, responda as perguntas do tema original, cumprindo o que foi combinado. Depois, explique que gostaria de ter a oportunidade de falar sobre outro assunto, que também é interessante e pode até ser um complemento para a entrevista.

4- Seja conciso

O tempo parece correr mais rápido em redações. Jornalistas correm diariamente para fechar reportagens em tempo hábil. Neste processo, entrevistar pessoas objetivas, que conseguem responder perguntas com clareza e eficiência, é um alívio para quem está com horas contadas para finalizar uma reportagem. Portanto, seja conciso em suas respostas.

(Com informações da AtitudeCom)