Posts

redes sociais

Confira 5 tipos de conteúdo que as pessoas mais gostam nas redes sociais

Para sua empresa se destacar nas redes sociais, é preciso saber do que o público-alvo mais gosta de consumir na internet. Dessa forma, o conteúdo chamará a atenção do usuário e aumentará as possibilidades de engajamento. Isso dará mais visibilidade à página, que ganhará mais audiência e, consequentemente, clientes.

Separamos a seguir 5 tipos de conteúdo que mais se destacam nas redes sociais de uma forma geral.

Veja 5 dicas de conteúdo mais populares nas redes sociais

1) Posts de “Como fazer”: publicações com títulos de “Como fazer” despertam muita atenção do público. As pessoas se sentem interessadas devido ao caráter de utilidade pública do material. Geralmente, esse tipo de conteúdo apresenta o problema e mostra como resolver a situação, como uma espécie de tutorial.

2) Publicações com “Por que”: este tipo de material, com títulos como “Por que fazer determinada ação”, por exemplo, costuma atiçar a curiosidade das pessoas, que querem descobrir os motivos apresentados pela publicação.

3) Conteúdos motivadores: publicações que disseminam informações úteis e, ao mesmo tempo, provocam uma identificação no consumidor, com um teor motivador, também são populares nas redes. Os posts podem ser dicas de produtos ou serviços da sua empresa, por exemplo, mostrando como eles estão relacionados com os valores do nicho em que você atua.

4) Listas: publicações com indicações de itens em uma ordem específica, com rankings e dicas, fazem sucesso entre as pessoas. Os posts precisam mostrar diferentes pontos de vista sobre um mesmo tópico, com conclusões rápidas e dinâmicas. O texto precisa ser breve, para que a leitura seja rápida, mas ao mesmo tempo abrangente. Se tiver imagens e gifs, fica ainda melhor para o público, que consumirá um material leve.

5) Vídeos: os usuários de internet adoram ver vídeos. Uma pesquisa realizada pelo Comitê Gestor da Internet (veja aqui) de 2018, mostrou que metade dos brasileiros acessam músicas e vídeos pela web. É um tipo de conteúdo que pode ser consumido facilmente e consegue engajar muito. Eles precisam ser dinâmicos, para atrair a atenção das pessoas, que procuram materiais cada vez mais curtos e informativos.

Com essas dicas de conteúdo, fica mais fácil fazer um planejamento editorial, para conquistar ainda mais clientes.

*Fontes: Post Digital; Pense Avanti

*Imagem: divulgação

marketing digital

Você vem (realmente) usando o Marketing Digital ou está se sabotando?

Se você está insatisfeito com os resultados do Marketing Digital em seu negócio, este artigo pode ser um alento. Isso porque o conteúdo abaixo fará você refletir sobre ações e estratégias que são fundamentais para ter sucesso. É comum empreendedores entrarem em contato comigo na RZT Comunicação, agência da qual sou fundador, e lamentarem: “Eu tenho um site, redes sociais, mas não consigo atrair leads, não vendo. O que estou fazendo de errado?”.

E então, quando faço algumas perguntas básicas, fica muito claro que o nível de maturidade digital é raso. Ou seja, as ações adotadas, muitas delas intuitivas (amadoras), realmente não surtirão efeito. Nunca. Um caso típico do barato sai caro.

 

Veja abaixo se você se identifica com algumas situações ligadas ao Marketing Digital

 

Site: sua marca tem apenas uma página institucional? Erro grave!

Hoje as pessoas querem consumir conteúdo. Um site com somente informações sobre a empresa, equipe e serviços, por exemplo, é coisa do passado. O público quer saber o que a marca pensa, ler artigos, ver valor no que a empresa vende. E o conteúdo é uma forma fantástica de atrair leads, aumentar engajamento e vender.

Artigos: você produz conteúdo para web da mesma forma como escreveria para um jornal? Erro grave!

É fundamental que os textos elaborados para seu blog tenham SEO. De forma resumida, SEO é um conjunto de técnicas para que o conteúdo ganhe bom posicionamento orgânico nos buscadores, como o Google. Então, se você está escrevendo sobre dicas na hora de contratar um coach, essa expressão precisa ser explorada, de diversas formas, no seu texto. Só assim seu material irá aparecer no Google quando alguém pesquisar por “dicas na hora de contratar um coach”.

Conteúdo “aberto”: você produz os chamados materiais ricos, como e-books e videoaulas, e os deixa disponíveis sem necessidade de cadastro? Erro grave!

Elaborar esses materiais é necessário, mas eles precisam ficar “fechados”. Ou seja, para que eu tenha acesso a um e-book que você produziu, preciso te entregar meu nome e e-mail, pelo menos. É uma troca. Você me fornece gratuitamente um conteúdo valioso e, em contrapartida, te ofereço meus contatos. Sem isso, você não gera leads, que é a base do Marketing Digital. E, consequentemente, diminui de forma significativa o potencial de vendas.

Redes sociais: você faz apenas posts orgânicos, sem destinar uma verba para anúncios? Erro grave!

O alcance orgânico vem despencando. Hoje, para você atingir até mesmo os curtidores da sua página, precisa pagar para o Facebook e o Instagram, por exemplo. Sem anúncios, os resultados tendem a ser pífios. E não adianta xingar Mark Zuckerberg ou culpar o Marketing Digital por isso.

Frequência de postagens: você publica “quando dá” nas redes sociais? Erro grave!

É fundamental se organizar e produzir conteúdo frequente. Entre ter uma página desatualizada ou não ter, fico com a segunda opção. É frustrante admirar uma empresa e ver que o último post foi no mês passado. Soa desleixo, arranha a imagem da marca. Não é isso que o público espera. Elaborar um calendário editorial ajuda na produção contínua.

Canais de atendimento: você só oferece telefone e e-mail como formas de contato? Erro grave!

Nesta era digital, o público quer atendimento online, em tempo real. Então, canais como WhatsApp, Messenger, chat e Skype são obrigatórios. Afinal, você quer facilitar ou dificultar a comunicação com potenciais clientes?

Viu como a questão não é “o Marketing Digital não funciona”? Na verdade, nada gera resultados se feito de forma errada. Se bem aplicado, de forma inteligente e estratégica, o Marketing Digital pode trazer resultados fantásticos para sua marca.

Autor do artigo: Almir Rizzatto é jornalista e pós-graduado em Comunicação Empresarial, Relações Públicas e Marketing. É fundador da agência RZT Comunicação, palestrante, instrutor, consultor e especialista em Marketing Digital. Através da RZT, oferece soluções para profissionais liberais e empresas de todos os portes, além de cursos como os de Marketing Digital e SEO.

videos nativos no LinkedIn

Vídeos nativos no LinkedIn: veja 5 dicas de conteúdo para aumentar a audiência

Os vídeos nativos no LinkedIn foram lançados em agosto de 2017 e, após um ano, expandiram bastante na plataforma. Hoje, o recurso está disponível para todas as company pages que estão na rede social.

Usar esse tipo de ferramenta é fundamental em toda estratégia de marketing. De acordo com a pesquisa The State of Video Marketing 2018, mais de 80% das pessoas compram produtos ou serviços após assistirem a conteúdos audiovisuais na internet.

Além disso, segundo o estudo Content Preferences Survey Report 2018, 49% daqueles que acessam à internet preferem consumir vídeos, como formato principal.

O LinkedIn é uma plataforma que está em constante crescimento no Brasil. Um levantamento realizado pela empresa mostrou que, em 2017, o Brasil atingiu a marca de 29 milhões de usuários cadastrados, se tornando o 3º maior mercado da companhia no mundo.

Esses números comprovam que investir em vídeos nativos no LinkedIn é uma das melhores formas, atualmente, para aumentar a audiência do seu negócio. Neste artigo, selecionamos 5 dicas de conteúdo para você produzir em formato de vídeo na plataforma.

Vídeos nativos no LinkedIn: 5 dicas de conteúdo

A forma de postar os vídeos é semelhante às outras redes sociais. Os diferenciais dos vídeos nativos no LinkedIn são as informações obtidas das pessoas que assistem aos conteúdos audiovisuais. A plataforma mostra quem visualizou, qual o cargo dela e onde ela trabalha. São dados úteis para compreender o público e direcionar seus materiais para essa audiência.

Confira abaixo algumas dicas de conteúdo de vídeo para sua company page no LinkedIn:

1 – Publique os bastidores dos trabalhos: os clientes se sentem envolvidos com a marca quando acompanham frequentemente os bastidores dos projetos da empresa. Grave os processos de produção de algum trabalho e poste na rede social. É simples de fazer e vai aumentar a expectativa do público sobre os planos e realizações da companhia.

2 – Faça entrevistas: produza vídeos com pessoas apaixonadas pelos seus trabalhos. Entreviste esses profissionais, que motivam seu público, sejam da sua organização ou de outras empresas.

3 – Mostre seus projetos futuros: compartilhe seus projetos futuros, para criar expectativas sobre o lançamento deles.

4 – Apresente sua empresa: assim como no YouTube, é importante ter vídeos introdutórios, que apresentem a marca ao público que está conhecendo sua empresa agora.

5 – Compartilhe alguma sabedoria: produza algum vídeo contando alguma experiência sua ou de algum profissional, que leve conhecimento ao seu público. Esse tipo de conteúdo gera empatia e conquista audiência.

Agora que você já sabe como aproveitar os vídeos nativos no LinkedIn, planeje seu conteúdo e prepare-se para atrair parcerias e clientes.

*Fontes: Neil Patel; Nerdweb; Rock Content

*Imagem: divulgação

Google Alerts

Google Alerts: 7 dicas para usá-lo no marketing do seu negócio

O Google Alerts foi criado em 2003 pelo engenheiro Naga Kataru, para ser um serviço que detecta novos conteúdos, do interesse do assinante, indexados pelo motor de busca. O usuário que se cadastra, recebe diariamente notificações do assunto por e-mail.

O recurso inclui desde notícias a posts de blog. A ferramenta começou sendo bem útil para assessores de imprensa, que usavam como clipping. Mas, ao longo dos anos, o Google Alerts cresceu e se tornou essencial para quem trabalha com marketing de conteúdo.

Neste artigo, você confere como assinar esse serviço, além de 7 dicas para aplicar em sua estratégia de marketing.

Como receber as notificações do Google Alerts

Para que você receba as atualizações dos temas que te interessam, é preciso realizar um cadastro. Veja a seguir os passos necessários para realizar a inscrição:

– Defina os assuntos: acesse a plataforma e escolha quais termos você quer que o Google Alerts te envie notificações diárias.

– Configure seu e-mail: selecione a conta do Google que você quer receber os e-mails, na caixa “digitar e-mail”.

– Ajuste seu alerta: é possível realizar diversas configurações no Google Alerts. Você pode definir a frequência das notificações, de quais idiomas e regiões deseja recebê-las, entre outros. É só clicar em “Mostrar opções”.

– Finalize: após as configurações, só é necessário concluir a operação e clicar em “Criar alerta”.

7 formas de usar o Google Alerts para o marketing do seu negócio

A ferramenta é pouco conhecida, em relação aos outros serviços do Google, mas, é muito eficaz para ajudar na captação de conteúdo e análise de marca. Confira como usar esse serviço:

1 – Consiga ideias para posts: ao definir um assunto no Google Alerts, você ficará atualizado sobre o que as pessoas estão falando em blogs, fóruns, mídias sociais, entre outros. A ferramenta é útil para desenvolver conteúdo, tanto para seu site ou nas redes sociais, tendo como referência o que a internet está discutindo em relação ao tema escolhido.

2 – Faça Link Building: cadastre o nome da sua empresa, assim como variações dela, como sem espaço ou com alguma característica específica. Quando receber uma notificação, verifique se a menção possui um link para o seu site. Se isso não for o caso, entre em contato com o responsável pela publicação e peça o link. Assim, você terá controle sobre o que está sendo dito e construirá seu Link Building.

3 – Meça sua marca: é possível analisar como sua marca está sendo vista pelo público nesse serviço. Defina o nome da empresa como palavra-chave e você receberá tudo o que está sendo comentado sobre o seu negócio na internet.

Ao saber como sua marca está posicionada, você tem a possibilidade de pensar em estratégias que possam aperfeiçoar o trabalho.

4 – Fique atento à concorrência: use o serviço como uma forma de monitorar a atividade dos seus concorrentes. Fique de olho nas publicações deles e também no que o público está falando sobre a concorrência.

5 – Monitore seus clientes e prospects: a ferramenta também é útil para fazer o monitoramento do que é publicado sobre clientes e prospects. Dessa forma, qualquer novidade pode ser utilizada como vantagem da sua empresa.

6 – Observe as tendências: o Google Alerts também pode mostrar o que os grandes influenciadores do seu ramo de trabalho estão comentando, fazendo ou usando. Fique de olho e fique sempre atualizado, seja para fazer conteúdo, planejar campanhas, entre outros.

7 – Veja quais são os problemas do seu nicho: saiba quais são as principais dificuldades que o público da sua área enfrenta. Você pode usar essas questões para fazer um post de blog ou criar um vídeo no seu canal.

Viu como o Google Alerts é interessante para qualquer negócio? Além de ser gratuito e simples de se cadastrar, o serviço pode oferecer muitas ideias de conteúdo e controle de suas estratégias de marketing.

*Fontes: Neil Patel; Marketing de Conteúdo; Agência Enlink

Imagem: divulgação

IGTV

IGTV: como usar a nova plataforma do Instagram em seu negócio

A nova ferramenta do Instagram, IGTV, foi lançada no dia 2 de junho, durante um evento em São Francisco, nos Estados Unidos, para comemorar a marca de 1 bilhão de usuários no aplicativo.

De acordo com o presidente executivo e um dos fundadores da rede social, Kevin Systrom, uma das propostas do recurso é que os vídeos sejam feitos na vertical, diferentemente das outras plataformas, que priorizam o formato horizontal.

Além disso, a recém-lançada funcionalidade do Instagram visa concorrer com o YouTube, maior plataforma de compartilhamento de vídeos atualmente.

Neste artigo, apresentaremos as principais características do recurso e daremos dicas de como você pode aproveitá-lo em seu negócio.

Onde encontrar o IGTV

Se você já tem o Instagram baixado em seu celular, é possível encontrá-lo na própria interface do aplicativo. Ele está no canto superior direito, acima dos stories e ao lado do Direct, na tela inicial. Também há a opção de fazer o download da funcionalidade em um app separado.

Características do IGTV e como usá-lo

Quem possui a conta verificada ou com alcances maiores na rede social, consegue fazer vídeos de até 1 hora. Para os demais usuários, o tempo fica limitado a 10 minutos, com no mínimo 15 segundos de duração.

Para postar conteúdo no IGTV, é preciso fazer o upload do seu arquivo. A funcionalidade ainda não permite gravar vídeos diretamente, apenas assisti-los.

O Instagram criou um manual para orientar a produção audiovisual na nova plataforma. Para acessá-lo e conferir mais detalhes, clique aqui.

A rede social também possibilita que você gerencie os vídeos pelo seu desktop. No perfil de cada conta, tem a aba “IGTV”.

Os vídeos precisam estar na vertical e devem ter resolução de até 4K (4000 pixels na horizontal e 2000 na vertical).

As transmissões também são segmentadas. O usuário tem a opção de ver conteúdo das categorias “Para você”, “Seguindo”, “Popular” e “Continuar assistindo”.

Para criar um canal, é preciso selecionar o ícone de engrenagem localizado na interface do recurso, no canto inferior direito. Em seguida, é só clicar em “Criar canal” e agir conforme as instruções que vão aparecer.

O que você pode produzir para o IGTV

O Instagram está se tornando uma das redes sociais mais promissoras da atualidade. De acordo com a empresa Bloomberg, o aplicativo pode render US$ 100 bilhões ao Facebook. Então, vale a pena investir na plataforma. Confira algumas dicas:

Produza conteúdo original: não publique vídeos repetidos no recurso, como materiais que já tenham sido postados em seu canal no YouTube. Invista em um conteúdo diversificado, que seu público queira ver e você ainda não teve como divulgar em outros locais.

Faça entrevistas: esse formato é interessante na nova plataforma, já que ela tem uma duração maior e os vídeos não são apagados.

Divulgue tutoriais: se sua empresa vende algum tipo de produto ou serviço, postar conteúdos de “Do It Yourself” e dicas de como utilizar a mercadoria, também podem atrair seu público.

Apresente seu trabalho: aproveite para mostrar sua expertise, além das vantagens e características do que você faz ou vende.

Desenvolva webinars: esse tipo de seminário é muito adequado nesse ambiente, pois você já tem o público-alvo inscrito no seu perfil na rede. Você também pode inserir links para landing pages nos vídeos.

Responda dúvidas: o espaço é propício para sanar as dúvidas mais frequentes dos seus clientes. Aproveite que a plataforma não exclui o conteúdo e conquiste seu público esclarecendo questionamentos deles.

Agora que você já conhece o IGTV, que tal experimentar a ferramenta? Ela pode ser uma ótima fonte para fidelizar e conquistar ainda mais clientes.

Fontes: Rock Content; Mateada; Dose de Marketing; Inforce

pesquisa por voz

Pesquisa por voz: como aplicar em sua estratégia de marketing

Com certeza você já deve ter visto alguém usar a pesquisa por voz do Google. Muito popular entre os adolescentes, esse recurso tem conquistado por ser mais rápido e prático que a digitação. Além de apresentar resultados com agilidade, algo bem valorizado atualmente.

Uma pesquisa realizada pela Voice Labs em 2017 mostrou que há 33 milhões de dispositivos de voz em circulação no mundo. E esse número tende a crescer, com os avanços que o Google tem feito. A empresa Gartner fez um levantamento no ano passado e verificou que pesquisas por conversação se tornarão ainda mais populares num período de 5 a 10 anos.

A última conferência anual Google I/O, realizada em maio, revelou que seu assistente pessoal, uma espécie de evolução do Google Now, fará ligações sozinho, sob o comando do usuário. Tecnologias assim indicam que algumas práticas, como a pesquisa por voz, vão ser ainda mais comuns. Então, é preciso estar preparado e verificar adaptações.

Mas, como usar a pesquisa por voz no marketing? Neste artigo você vai descobrir como essa ferramenta faz operações e quais as maneiras de aplicá-la na sua estratégia.

Entenda o funcionamento da pesquisa por voz

Desde que o algoritmo de ranqueamento Hummingbird sofreu uma atualização, em 2013, o Google passou a entender melhor as consultas dos usuários. Antes, ele considerava apenas as palavras-chave. Mas, agora ele também interpreta a intenção da busca. Isso indica que vai aparecer nas pesquisas o que é mais relevante para a pessoa, se considerar o que ela procura e o motivo.

O Google também já vinha percebendo que as pesquisas por voz costumam conter palavras de questionamento, como “quais”, “quando”, “onde”, entre outras. Estas expressões são mais usuais nas conversas, em momentos que o usuário está dirigindo, por exemplo.

Além disso, quando alguém usa este recurso, geralmente utiliza palavras-chave de cauda longa, mais extensas. Nesta atualização, os algoritmos aperfeiçoaram o entendimento em linguagem natural.

Como fazer a otimização de pesquisas por voz

Com o crescimento dos assistentes pessoais como Google Assistant, Siri, da Apple, Alexa, da Amazon, Cortana, do Windows, entre outros, que usam a voz como comando, muitas empresas estão precisando adaptar suas estratégias de marketing.

Para começar, você deve entender como o seu público pensa e de que forma ele pode elaborar uma pergunta mais natural em relação ao seu negócio.

Um programa que auxilia nessa questão é o “Answer the Public”. Ao inserir uma palavra-chave no software, ele apresenta diversas perguntas naturais que as pessoas podem fazer sobre aquele termo.

Outros aplicativos interessantes para essa finalidade são: Google Search Console; Question Samurai e StoryBase.

De quais formas a otimização pode ser feita

Ao compreender o funcionamento da pesquisa por voz e como sua audiência pode pensar, é preciso colocar em prática sua otimização. Conheça algumas maneiras para realizá-la:

Crie ou atualize seu FAQ: se você ainda não tem uma página de perguntas frequentes, chegou a hora de fazer uma. Caso já tenha, atualize com questões que podem ser feitas de forma natural pelas pessoas.

Faça um cadastro do seu site no Google Meu Negócio: segundo o Google, as pesquisas com a expressão “perto de mim” tiveram um aumento de 130%.
Isso indica que é comum usar a pesquisa por voz quando se quer fazer ou comprar algo numa região próxima. Então, é interessante se cadastrar nesta plataforma.

Deixe seu site responsivo: como as buscas por voz são feitas por dispositivos móveis, na maioria dos casos, é aconselhável deixar sua página adaptada para a versão mobile. Dessa forma, o público não sentirá dificuldades em achar as informações que precisa e continuará a acessar seu website.

Apareça nos featured snippets: os cartões com respostas que surgem no topo da página de resultados do Google são chamados de featured snippets. Alguns assistentes de voz leem mais estas caixas ou mostram este resultado na tela do celular da pessoa. Então, vale investir na otimização do seu conteúdo.

Agora que você viu como as pesquisas por voz estão em crescimento e aprendeu maneiras de aparecer nestas buscas, chegou a hora de incrementar este plano em sua estratégia de marketing.

Fontes: Neil Patel; Rock Content; MKT Virtual; Agência Mestre 

 

 

posts de blog

Posts de blog: conheça 9 maneiras de reciclar seu conteúdo em vários formatos

Para conquistar mais audiência, muitas empresas estão investindo em posts de blog, atualizando constantemente seu conteúdo. Entretanto, manter essa frequência de produção pode não atingir a qualidade esperada.

O que fazer nesses casos? Uma maneira de aproveitar seu material e não perder público, é reciclar os textos. Ao elaborar um post, tente usufruir dele o máximo possível, convertendo-o em formatos variados, para atrair a atenção de grupos distintos. Dessa forma, o alcance será maior e há grandes chances de aumentar o número de leads para seu negócio.

Dicas para transformar seus posts de blog em outros formatos

Com conhecimento dos vários tipos de conteúdo e criatividade, é possível usar o mesmo material de um post de blog e aplicá-lo em outros meios. Veja 9 dicas de como fazer esse processo e onde você pode reciclar seus textos:

Crie informativos por e-mail: canais tradicionais em qualquer empresa, os e-mails são uma ótima forma para enviar informativos aos seus clientes mais fiéis. Mande mensagens com o conteúdo do seu post, adequando ao formato, e convide o leitor a ler mais sobre o assunto no seu blog, inserindo o link do texto.

Uma boa dica é criar sempre conteúdo atemporal em seu site, porque mesmo que tenham passado meses da publicação, o assunto ainda é relevante e poderá ser reutilizado, sem a necessidade de elaborar outros textos.

– Use as mídias sociais: compartilhe nas redes sociais trechos do seu post no blog. Você pode até fazer uma arte com uma frase retirada dele. Publique-a junto com o link que direciona para o texto original.

Citações e perguntas que façam referência ao conteúdo também podem ser mais atrativas e compartilháveis para o público que navega nessas plataformas.

Algumas ferramentas podem te auxiliar nesta reciclagem de conteúdo nas redes sociais, entre elas, se destacam: Social Inbox; Buffer; ClickToTweet e o Revive Old Post, do WordPress.

– Utilize outros blogs: você pode estabelecer parcerias com sites que tenham um tráfego maior e divulgar o conteúdo do seu post, após a publicação dele na sua página. É interessante que o autor deste portal inclua uma tag com seu artigo, para que o Google reconheça a postagem do seu endereço eletrônico como a original.

Procure por blogs confiáveis, pois o Google condena material duplicado e websites convidados que buscam por backlinks.

Transforme o conteúdo para o SlideShare: coloque as informações do seu post como apresentações no SlideShare. Esse canal é bem parecido com o PowerPoint e é muito utilizado, podendo alcançar diferentes públicos.

Ao postar o material nele, você pode incorporá-lo até mesmo em seus posts, assim como acontece com vídeos, favorecendo o compartilhamento.

Produza vídeos: é um dos formatos prediletos das pessoas atualmente e dão visibilidade à empresa. Com eles, você pode transformar os posts de entrevistas com especialistas e textos instrutivos, por exemplo, em um vídeo.

Além disso, criar conteúdo audiovisual não é mais tão caro. Com câmeras de celular, como as do iPhone, você consegue elaborar materiais de qualidade, sem precisar gastar muito.

– Converta os posts em e-books: são um tipo de material muito aguardado pelos leads, que querem acessar informações gratuitamente, em que o único custo seja fornecer alguns dados ao site.

Eles são uma forma de aumentar sua lista de contatos e ajudam a conquistar clientes. Reúna os posts que abordam o mesmo assunto, escreva uma introdução, conclusão e junte tudo em um e-book, que você pode criar no PowerPoint.

– Faça arquivos de checklists: se você desenvolve posts com conselhos sobre determinado tema, uma ideia interessante é transformá-los em checklists para seus leitores.

Desenvolva modelos de PDF com estas listas, que possam incentivar o seu público a tomar atitudes. São uma maneira de ampliar sua lista de e-mails também, assim como os e-books.

Elabore podcasts: você pode usar alguns tópicos do seu blog e acrescentar informações adicionais deles em podcasts. Uma das ferramentas que ajudam nesse processo de criação é o Odiongo, que faz a conversão dos seus posts em material de áudio.

– Planeje webinars: um formato que reúne pessoas em um determinado período e que atrai novos clientes. Se você cita diversas pessoas em seus posts de blog, uma sugestão é chamá-las para uma transmissão ao vivo, em que elas possam discorrer sobre aquele mesmo tema, mas de uma forma mais dinâmica.

Você não precisa converter seus posts de blog em todos os formatos citados, dê prioridade aos que mais domina. Agora, é só reutilizar seu conteúdo de forma criativa e conquistar variados públicos.

Com informações da Hubspot

company page

Company page do LinkedIn: dicas para melhorar sua página

Ter uma Company page no LinkedIn é fundamental para dar mais visibilidade à sua empresa em uma das redes que mais cresce no mundo. No Brasil, já são mais de 29 milhões de usuários que usam a plataforma para ampliar seu networking profissional.

Toda empresa que quer ser bem vista no mercado possui uma company page no LinkedIn. Com apenas algumas atitudes, é possível ampliar as possibilidades de sua companhia se destacar nessa rede social.

Por que ter uma company page?

Com uma company page, você consegue gerenciar anúncios para sua empresa, obter dados relacionados aos seus seguidores e também conquistar uma aproximação maior com seu público-alvo, ao mostrar atualizações do seu negócio de uma forma direta.

O que é necessário para ter uma company page?

Para ter uma company page no LinkedIn, é preciso cumprir alguns requisitos, como: ter um perfil profissional e considerado “intermediário” ou “campeão”; ser ativo na plataforma e ter várias conexões; seu cargo na empresa deve estar informado na seção “Experiência” e possuir um e-mail corporativo com domínio próprio, para ser adicionado na conta.

Como melhorar a sua company page?

Agora que você já percebeu a importância de ter uma company page na rede social de negócios, confira as dicas para deixá-la mais profissional e com mais visibilidade no mercado.

Deixe sua equipe interligada na rede: fomentar a relação com seus funcionários é uma maneira de aumentar a exposição orgânica da sua empresa. Sempre que possível, sua equipe deve divulgar conteúdo da sua companhia, seja em seu feed de notícias ou em grupos. Essa estratégia pode deixar um link clicável do seu grupo dentro do perfil de cada colaborador.

Trabalhe na melhora do SEO: há SEO (Search Engine Optimization) nas company pages do LinkedIn, por isso é importante estar sempre atento com as palavras-chave que você seleciona na descrição da sua empresa, além de verificar se o conteúdo é relevante para seu público.

Potencialize sua URL: ao criar uma company page, é gerado automaticamente uma URL (Uniform Resource Locator), isto é, um link, que possui um código numérico padrão. A URL também conta como fator para ser encontrada na plataforma, então, é aconselhável personalizá-la. Para isso, entre nas configurações do LinkedIn, clique em “perfil de público” e crie uma URL com o nome da sua empresa, se possível.

Anuncie: com uma company page, é possível criar anúncios na rede, que ajudam na promoção do seu negócio. Além disso, o LinkedIn fornece dados que possibilitam uma segmentação mais específica, em comparação com outras redes sociais. É possível saber cargos, empresas onde trabalham, ramos de atuação, entre outros.

Fique atento às métricas: como em toda rede social, é recomendável analisar as métricas da sua página. Avalie a quantidade de visualizações dos posts, dos cliques e o engajamento nas últimas postagens. Com esses resultados, você consegue checar as preferências do seu público.

Incentive o acesso: no seu site ou blog, insira botões de redes sociais, para estimular o acesso dos visitantes à sua company page. Também é aconselhável colocar o endereço da sua página em cartões de visita, em assinaturas de e-mail, entre outros.

Viu como é simples ter uma company page no LinkedIn? A rede social cresce a cada dia e se tornou essencial para quem quer ter mais visibilidade no mercado, além de possibilitar mais contatos profissionais e ser um canal para aquisição de clientes.

Com informações do Resultados Digitais

Imagem: divulgação

certificacao propria

Certificação própria: saiba mais sobre o recurso que torna sua empresa uma referência no mercado

Promover uma certificação própria está tornando-se uma das estratégias de inbound marketing que mais chamam a atenção no mercado atualmente. Muitas empresas de grande porte, como a Microsoft, por exemplo, desenvolvem cursos para seu público e, dessa forma, conquistam cada vez mais autoridade no seu ramo de negócios.

A certificação própria tem o objetivo de qualificar seus clientes e ainda melhorar o posicionamento da sua empresa. Mas, antes de investir nesse recurso, é preciso estudar quais são seus benefícios e suas principais características.

O que é uma certificação própria?

É um documento que comprova a capacidade de alguém em relação a determinado tema. Ao produzir certificações, a empresa se coloca como uma líder em sua área. Quando você informa que está produzindo cursos sobre um determinado assunto, seu público vai te considerar como um profissional desse nicho, já que você é capaz de transmitir conhecimento a outros, tornando-se uma referência no mercado.

Desta forma, sua empresa atrai cada vez mais interessados em obter uma certificação emitida pelo seu grupo, para mostrar que aprendeu aquele tema com uma companhia que virou referência no segmento.

Esse tipo de estratégia torna-se uma ação de marketing lucrativa e garante um bom ROI (Retorno sobre Investimento) para a empresa, pois implantar esse tipo de iniciativa não gera gastos financeiros muito altos, em comparação com o retorno que vai dar ao negócio.

A certificação própria traz inúmeros benefícios à sua empresa, como: ajuda a desenvolver seu mercado; posiciona sua empresa como referência e como líder na sua área; auxilia a firmar seu negócio e ainda dissemina sua marca.

Empresas que usam certificação própria

Muitos grupos empresariais renomados já perceberam a tendência no mercado das certificações próprias e já usam o recurso. Conheça alguns casos:

Microsoft: uma das maiores fornecedoras de infraestrutura básica de ciência da informação, quem obtém um certificado dessa empresa ganha credibilidade e destaque na área de informática. Atenta a essas necessidades, a Microsoft passou a oferecer o MVA (Microsoft Virtual Academy), uma plataforma de e-learning, onde tem vários cursos livres para qualificação profissional.

Quanto mais usuários conseguem as certificações, mais a Microsoft trabalha e é reconhecida pelos seus cursos, o que ajuda na divulgação da sua marca.

Hubspot: com mais de 21 mil clientes em aproximadamente 90 países, a empresa desenvolveu a Hubspot Academy, que disponibiliza certificações para quem realiza seus cursos. Hoje, a plataforma possui 14 especializações diferentes, em vários idiomas.

No Brasil, os cursos da Hubspot chegam a ser considerados critérios de eliminação em processos seletivos na área de marketing, tamanha a notoriedade que a empresa ganhou na área.

A empresa também aumenta sua quantidade de leads quando solicita o cadastro dos interessados em obter suas certificações.

Crie sua certificação própria

Antes de implantar esse recurso, é necessário saber qual seu público-alvo, o que é interessante ser ensinado e que sua empresa entenda, qual será a linguagem utilizada e qual será o método de avaliação empregado para que os interessados obtenham o certificado. Feito isso, já é possível planejar o conteúdo da sua certificação.

Caso a sua empresa já use estratégias de marketing de conteúdo, você pode aproveitar os materiais para elaborar suas aulas.

O indicado é que sua empresa utilize uma plataforma de EAD para gerenciar os certificados, já que o objetivo é gerar muitos por mês. Ao usar esse tipo de sistema, ele gerencia o curso e os certificados automaticamente.

Promova sua certificação

Utilize os mesmos canais de divulgação que sua empresa já trabalha, como site, blog, redes sociais, e-mail marketing, entre outros. No entanto, vale a pena investir em uma comunicação mais forte, como anúncios pagos, para dar destaque ao seu curso e atrair um número maior de interessados.
Outro fator importante é que sua companhia precisa ter um marketing de conteúdo consolidado para lançar a certificação, para garantir o domínio de todo o planejamento que a nova ação precisa.

Dicas de como oferecer sua certificação

Você pode cobrar pelo curso oferecido, mas se sua empresa disponibilizar gratuitamente, haverá mais chances de atrair um público diversificado, que não pensava em realizar um curso antes, devido aos preços.

Além disso, não cobrar pela certificação é uma forma de promover sua marca, ampliando o canal de divulgação e marketing, assim como gera um aumento no seu número de leads.

Veja a certificação como mais uma forma de gerar leads

A certificação pode ser um ótimo canal para aquisição de leads, pois cada pessoa que passa por sua certificação é um potencial influenciador ou decisor na compra do seu serviço ou produto. Elas podem ser consideradas meio e até fundo de funil, tudo depende de como você produzir o conteúdo do seu curso.

Investir em uma certificação própria é uma ótima ideia para ganhar mais autoridade no mercado, além de ser uma estratégia econômica para sua empresa. O que acha de começar a produzir uma para seu negócio?

Com informações da Contentools

Imagem: divulgação

conteudo em audio

Conteúdo em áudio: benefícios desta ferramenta de marketing

O conteúdo em áudio está cada vez mais ganhando espaço nas estratégias de marketing das empresas. Podcasts, audiobooks e posts narrados, são exemplos desse formato que é tendência no mercado.

Por vários motivos, algumas pessoas preferem ouvir o conteúdo, em vez de ler. O artigo a seguir mostra os benefícios dessa ferramenta e os motivos que a estão tornando um dos melhores artifícios para levantar a audiência do seu site ou blog.

Por que conteúdo em áudio é tendência?

Uma pesquisa realizada pelas empresas Edison Research e Triton Digital, a Infinite Dial 2018, verificou que 44% das pessoas que vivem nos Estados Unidos já ouviram ao menos um podcast, um crescimento em comparação aos anos anteriores. Em 2016, esse valor foi de 36%, enquanto que, em 2017, 40%.

A pesquisa analisou, ainda, o interesse das pessoas por podcasts e audiolivros. O resultado foi surpreendente e positivo no que se refere ao número de usuários destes tipos de mídias.

Com relação aos locais que as pessoas ouvem conteúdo em áudio, a pesquisa obteve esses dados:

49% escutam em casa;
22% no carro ou no caminhão;
11% no trabalho;
4% no transporte público;
4% na academia;
3% durante uma caminhada;
7% outros.

Benefícios do conteúdo em áudio para o marketing da sua empresa

Há várias vantagens em produzir esse tipo de conteúdo para o seu site ou blog. Confira alguns motivos para aplicar esse formato em sua estratégia:

– Acessibilidade: o conteúdo em áudio é acessível para pessoas com deficiência visual ou com dificuldade para enxergar. São melhores opções do que os softwares de leitura de tela, pois oferecem mais entonação e emoção ao texto. Os demais programas ainda não disponibilizam estes benefícios e transmitem as informações de forma robótica.

– Conveniência: devido à falta de tempo do dia a dia, muitas pessoas acabam não conseguindo ler todas as matérias que querem, seja por estarem dirigindo, ou fazendo alguma atividade doméstica, entre outros. Com o conteúdo em áudio, é possível ouvir e realizar qualquer outra tarefa ao mesmo tempo, como se exercitar na academia, lavar a louça etc.

– Pessoalidade: o áudio também tem a vantagem de cativar e dar mais emoção às pessoas, algo que um texto não faria com tanta intensidade, por exemplo. Essa característica aproxima ainda mais o ouvinte da empresa e pode gerar um maior engajamento em relação à marca.

Quais conteúdos podem ser produzidos?

Os materiais mais produzidos são: podcasts, posts narrados e audiobooks. Saiba os aspectos e as vantagens de cada um deles:

– Podcast: costuma ter regularidade em suas postagens. Eles são uma forma de estar constantemente em contato com o seu público. Pautas simples, como um episódio para responder as dúvidas de seus clientes, por exemplo, são temas que podem agradar os usuários. É preciso investir na qualidade técnica dos áudios, pois os consumidores desse tipo de conteúdo costumam ser exigentes.

Com os podcasts, sua empresa pode conquistar parcerias, anunciantes e ainda receber convites para participar de outros podcasts.

– Post narrado: recurso geralmente utilizado em blogs, costumam disponibilizar a narração do artigo na página do texto. Esse formato ainda é pouco usado no Brasil e sua aplicação pode surpreender seu público, aumentando, assim, o envolvimento dele a sua marca.

– Audiobook: geralmente são ebooks convertidos em áudio, com um conteúdo mais aprofundado que os posts. Eles mantêm as pessoas informadas e especializadas sobre determinado assunto, em ocasiões em que elas não conseguem ler.

Em expansão no mercado e com um custo financeiro menor do que produzir vídeos, o conteúdo em áudio pode gerar bons resultados para o marketing de conteúdo da sua empresa. Que tal investir nesse formato?

Com informações da Rock Content

Imagem: Divulgação