Posts

gifs

Aprenda 4 formas de usar gifs em sua estratégia de marketing digital

Os gifs (Graphic Interchange Format) existem na internet desde 1987. É um formato de imagem que, a partir de sequências simples, gera uma sensação de movimento. Eles ganharam bastante popularidade nos últimos anos, devido às redes sociais. Muitas empresas perceberam também que é possível fazer boas campanhas com eles, sem a necessidade de criar produções mais caras, como vídeos, por exemplo.

Além disso, os gifs costumam atrair muito as pessoas, por sua capacidade de mexer com o emocional do público. Geralmente, tem um tom mais humorístico, o que pode ser um grande fator de engajamento.

Esse formato de imagem pode ser utilizado de diferentes maneiras pelas empresas. Selecionamos 4 dicas de como você pode utilizá-lo, para conseguir mais audiência e conquistar clientes e leads.

Como usar gifs em estratégias de marketing digital

Confira a seguir 4 diferentes maneiras de aplicar os gifs em seus canais de divulgação:

1) Nas redes sociais: podem ser usados como conteúdo, seja para anunciar algum produto e serviço, ou em campanhas publicitárias. É interessante criar o gif com um toque de humor. Assim, você estará se comunicando com seus seguidores na linguagem que eles gostam. Use bastante a criatividade para atrair o público.

2) Em blogs: quando os posts têm conteúdo extenso, é uma boa alternativa intercalar com gifs, para que a leitura fique mais envolvente. Além disso, eles podem ajudar a resumir o assunto de uma maneira mais didática e leve, pois chamam a atenção do leitor e reforçam a mensagem.

3) Chatbots: para atender o público de maneira bem-humorada, muitas empresas estão adotando os gifs em suas respostas, inclusive no Messenger, do Facebook. É uma forma de mostrar ao público que sua marca está atenta às novidades e entende seus anseios.

4) E-commerces:
nesse caso, eles podem ser empregados em posts para avisar sobre promoções, dando destaque às “call to actions” (chamadas para ação). Se, por exemplo, o gif conter a imagem de um cronômetro fazendo contagem regressiva para o término de uma campanha, dará uma sensação de emergência maior ao público.

Usar gifs em sua estratégia de marketing digital é uma forma de chamar a atenção e cativar o público. Experimente aplicar esse formato de imagem em seus canais de divulgação e perceba como o engajamento aumentará.

*Fontes: Mail Relay; Inunda Web

*Imagem: divulgação

conteúdo para blog

Veja 5 dicas de criação de conteúdo para blog

Criar conteúdo para blog exige planejamento e pesquisa. Os posts precisam ser direcionados ao público-alvo e devem atender suas dúvidas e problemas. Ao publicar temas importantes para a audiência, a página terá muitos acessos e seu negócio atingirá as expectativas.

No entanto, muitos têm dificuldades ao criar materiais para seus blogs. Onde pesquisar? Como buscar fontes? O que postar? Para te ajudar nesse processo, separamos 5 dicas de como procurar conteúdo relevante.

Confira 5 dicas de como pesquisar conteúdo para blog

Aprenda a montar seu plano editorial de uma vez por todas. Veja abaixo 5 formas de buscar conteúdo:

1) Conheça sua persona: antes de começar a pesquisar, é preciso que você defina sua audiência. Você pode entrevistar seus clientes antigos, assim como criar, no Google Docs (acesse aqui), um questionário que te auxilie a estruturar um público-alvo, e depois divulgá-lo em suas redes sociais.

Ao estabelecer as características da persona, ficará mais fácil filtrar o conteúdo que você vai pesquisar.

2) Veja quais são as tendências: você precisa estar atento às novidades que acontecem relacionadas ao seu negócio, para que consiga aproveitá-las no seu conteúdo. Assim, seu público vai gostar e seguirá seu blog com mais atenção e fidelidade, já que as principais tendências são informadas por você.

Uma das formas de verificar o que está em alta, é acessar o Google Trends (conheça aqui), assim como assinar o Google Alerts (veja aqui), para receber notícias dos assuntos das palavras-chave que você selecionou.

3) Analise sua concorrência e inspirações: outra dica é sempre checar o que seus concorrentes estão postando. Veja como eles publicam, quais assuntos fazem mais sucesso entre os seguidores deles etc. Dessa forma, você pode avaliar como fazer um conteúdo ainda melhor. Vale também acompanhar páginas que são referências para o seu negócio, assim como influencers da área que você atua.

4) Aproveite datas comemorativas: pesquise datas que se relacionam com o nicho do seu blog e faça conteúdo a partir delas. Assim, você monta seu cronograma editorial de todos os meses, se guiando com base nos eventos.

5) Pergunte ao público: saber o que sua audiência gosta de ver e ler é essencial. Os stories, por exemplo, são ótimas opções para lançar questões à sua persona. Faça posts descontraídos, buscando esse tipo de ajuda.

Conteúdo para blog: conclusão

Viu como há diversas maneiras de planejar conteúdo para blog? Ao saber dessas dicas, você estará mais preparado para planejar seus posts e, assim, sua página agradará muito mais a audiência, aumentando sua autoridade no meio em que atua.

*Fontes: Mateada; We.digi

*Imagem: divulgação
 

 

YouTube

YouTube: confira 7 dicas para escolher o nome do seu canal

O YouTube é a plataforma de compartilhamento de vídeos mais utilizada do mundo. Atualmente, tem mais de um bilhão de usuários, o que representa um terço das pessoas que acessam a internet (veja aqui). Esses dados mostram que, se você quer alcançar mais leads para sua empresa, ter um canal nesta mídia social é recomendável.

Porém, antes de criar um channel na rede, é preciso definir um nome para ele. Essa questão exige muita estratégia, já que isso vai influenciar diretamente no SEO e, consequentemente, no sucesso do seu negócio.

Nosso artigo de hoje apresenta 7 sugestões para te auxiliar na hora de nomear um canal na plataforma.

Dicas para escolher o nome do seu canal no YouTube

Confira abaixo algumas estratégias antes de criar um canal no YouTube:

1) Defina seu nicho: antes de lançar um canal no site, é necessário saber exatamente o que ele vai abordar. Delimitando o tema, ficará mais fácil definir um nome, que esteja de acordo com a linguagem e assuntos que serão explorados.

2) Estude seu público-alvo: faça uma análise do que sua persona gosta, dos temas que ela quer saber mais e que estão faltando no YouTube.

3) Aproveite sua marca: se você já tem um negócio estabelecido no mercado, é uma boa opção usar o nome da empresa. Assim, atrairá o público que já tem fora do YouTube, para sua nova mídia. Além disso, reforça sua autoridade no ramo em que atua.

4) Faça um brainstorming: reserve um tempo e pense em todas as palavras que definem o tema que será abordado em seu canal. Assim, você pode estabelecer quais termos combinam mais com a ideia que será transmitida.

5) Prefira nomes curtos e de fácil compreensão: evite palavras que seu público não entenda, termos em inglês, expressões pouco conhecidas, entre outros. Escolha um nome que seja simples, com uma boa sonoridade e que fique facilmente na memória.

6) Verifique outros canais: antes de selecionar definitivamente o nome, cheque se ele já não está sendo utilizado por outro canal. Isso evita processos e dá mais credibilidade ao seu conteúdo.

7) Peça a opinião de conhecidos: veja com amigos, colegas e familiares o que eles acham do nome. Assim, você verá se as pessoas vão reagir positivamente à escolha.

Agora que você está mais preparado para elaborar um nome para seu canal no YouTube, saberá escolher uma boa opção. Dessa forma, terá muitos views e sucesso na nova mídia.

*Fontes: Hotmart; SOS

*Imagem: divulgação

 

marketing digital

Você vem (realmente) usando o Marketing Digital ou está se sabotando?

Se você está insatisfeito com os resultados do Marketing Digital em seu negócio, este artigo pode ser um alento. Isso porque o conteúdo abaixo fará você refletir sobre ações e estratégias que são fundamentais para ter sucesso. É comum empreendedores entrarem em contato comigo na RZT Comunicação, agência da qual sou fundador, e lamentarem: “Eu tenho um site, redes sociais, mas não consigo atrair leads, não vendo. O que estou fazendo de errado?”.

E então, quando faço algumas perguntas básicas, fica muito claro que o nível de maturidade digital é raso. Ou seja, as ações adotadas, muitas delas intuitivas (amadoras), realmente não surtirão efeito. Nunca. Um caso típico do barato sai caro.

 

Veja abaixo se você se identifica com algumas situações ligadas ao Marketing Digital

 

Site: sua marca tem apenas uma página institucional? Erro grave!

Hoje as pessoas querem consumir conteúdo. Um site com somente informações sobre a empresa, equipe e serviços, por exemplo, é coisa do passado. O público quer saber o que a marca pensa, ler artigos, ver valor no que a empresa vende. E o conteúdo é uma forma fantástica de atrair leads, aumentar engajamento e vender.

Artigos: você produz conteúdo para web da mesma forma como escreveria para um jornal? Erro grave!

É fundamental que os textos elaborados para seu blog tenham SEO. De forma resumida, SEO é um conjunto de técnicas para que o conteúdo ganhe bom posicionamento orgânico nos buscadores, como o Google. Então, se você está escrevendo sobre dicas na hora de contratar um coach, essa expressão precisa ser explorada, de diversas formas, no seu texto. Só assim seu material irá aparecer no Google quando alguém pesquisar por “dicas na hora de contratar um coach”.

Conteúdo “aberto”: você produz os chamados materiais ricos, como e-books e videoaulas, e os deixa disponíveis sem necessidade de cadastro? Erro grave!

Elaborar esses materiais é necessário, mas eles precisam ficar “fechados”. Ou seja, para que eu tenha acesso a um e-book que você produziu, preciso te entregar meu nome e e-mail, pelo menos. É uma troca. Você me fornece gratuitamente um conteúdo valioso e, em contrapartida, te ofereço meus contatos. Sem isso, você não gera leads, que é a base do Marketing Digital. E, consequentemente, diminui de forma significativa o potencial de vendas.

Redes sociais: você faz apenas posts orgânicos, sem destinar uma verba para anúncios? Erro grave!

O alcance orgânico vem despencando. Hoje, para você atingir até mesmo os curtidores da sua página, precisa pagar para o Facebook e o Instagram, por exemplo. Sem anúncios, os resultados tendem a ser pífios. E não adianta xingar Mark Zuckerberg ou culpar o Marketing Digital por isso.

Frequência de postagens: você publica “quando dá” nas redes sociais? Erro grave!

É fundamental se organizar e produzir conteúdo frequente. Entre ter uma página desatualizada ou não ter, fico com a segunda opção. É frustrante admirar uma empresa e ver que o último post foi no mês passado. Soa desleixo, arranha a imagem da marca. Não é isso que o público espera. Elaborar um calendário editorial ajuda na produção contínua.

Canais de atendimento: você só oferece telefone e e-mail como formas de contato? Erro grave!

Nesta era digital, o público quer atendimento online, em tempo real. Então, canais como WhatsApp, Messenger, chat e Skype são obrigatórios. Afinal, você quer facilitar ou dificultar a comunicação com potenciais clientes?

Viu como a questão não é “o Marketing Digital não funciona”? Na verdade, nada gera resultados se feito de forma errada. Se bem aplicado, de forma inteligente e estratégica, o Marketing Digital pode trazer resultados fantásticos para sua marca.

Autor do artigo: Almir Rizzatto é jornalista e pós-graduado em Comunicação Empresarial, Relações Públicas e Marketing. É fundador da agência RZT Comunicação, palestrante, instrutor, consultor e especialista em Marketing Digital. Através da RZT, oferece soluções para profissionais liberais e empresas de todos os portes, além de cursos como os de Marketing Digital e SEO.

marketing de conteúdo

Marketing de conteúdo: estratégia eficaz para atrair, encantar e vender

O Marketing de Conteúdo faz jus à fama. Cada vez mais ele vem sendo adotado pelas marcas, de todos os portes, para atrair, encantar e vender. E o uso desta estratégia tem várias explicações.

Um dos motivos é o fato de o público não suportar mais o chamado Marketing de Interrupção, aquele que, como o nome diz, impacta as pessoas quando elas estão consumindo algum conteúdo.

Hoje temos muitas possibilidades de escolhas. E pare e reflita por alguns instantes. Por qual tipo de marca você opta: pela que sempre fica te empurrando algum produto ou serviço ou pela que, antes de focar na venda em si, te apresenta conteúdo de valor?

Obviamente que o objetivo final sempre será a venda. Nenhuma empresa ou profissional liberal sobrevive só com curtidas em posts nas redes sociais ou muitas visualizações em artigos nos blogs. Mas tudo é a forma como o processo é feito.

Diferenciais do Marketing de Conteúdo

Conteúdo para educar, informar, agregar valor, prestar serviço é o que proporciona autoridade. É o que vai atrair, encantar e, consequentemente, vender. Só conteúdo comercial, que fala da marca em si, não basta. Antes de qualquer coisa, é preciso dizer o que é importante e, principalmente, o que as pessoas estão interessadas em ouvir.

Esta definição Content Marketing Institute é certeira: “Marketing de conteúdo é uma técnica que cria e distribui conteúdo de valor, relevante e consistente, para atrair e engajar uma audiência claramente definida, com o objetivo de encaminhar o cliente a tomar alguma ação que gere lucro”.

Se a estratégia da sua marca ainda não envolve conteúdo, ainda é tempo de mudar.

Autor do artigo: Almir Rizzatto é jornalista e pós-graduado em Comunicação Empresarial, Relações Públicas e Marketing. É fundador da agência RZT Comunicação, palestrante, instrutor, consultor e especialista em Marketing Digital. Através da RZT, oferece soluções para profissionais liberais e empresas de todos os portes, além de cursos como os de Marketing Digital e SEO.

estratégias de marketing digital

6 estratégias de Marketing Digital fáceis de aplicar

Algumas eficazes estratégias de Marketing Digital podem ser mais fáceis de aplicar do que você imagina. Neste artigo, listarei 6 ações para serem adotadas em seu negócio.

Acredite: se seguidas à risca, essas técnicas certamente gerarão resultados. Entre eles, aumento na audiência do seu site, geração de leads, maior engajamento nas redes sociais e melhor atendimento aos clientes. A consequência disso pode ser um boom em suas vendas.

 

Confira as estratégias de Marketing Digital para você aplicar imediatamente:

 

1) Produza muito conteúdo

Ter apenas um site institucional hoje já não basta. Quem entra na sua página quer ver mais conteúdo informativo do que comercial.

Quando a marca compartilha matérias interessantes e histórias que inspiram, acaba virando autoridade e a venda acontece naturalmente.

2) Use as técnicas de SEO

Se o seu objetivo é aumentar a audiência do site e o posicionamento orgânico nos buscadores, como o Google, de nada adianta escrever sem as técnicas de SEO.

Um erro muito comum é produzir conteúdo aleatoriamente, sem saber o que exatamente as pessoas pesquisam nas ferramentas de busca.

3) Crie iscas para gerar leads

De nada adianta ter um alto volume de visitantes no seu site se você não pega os contatos desses usuários. Mais do que pessoas passando pelas suas páginas, você precisa de leads.

E-books, infográficos, pesquisas e palestras, por exemplo, são materiais que devem ser “fechados” em páginas de captura. Ou seja, para ter acesso a esses conteúdos ricos, os visitantes precisam se cadastrar – normalmente com nome e e-mail.

Assim, você terá leads que, depois, podem ser convertidos em clientes.

4) Seja ativo nas redes sociais

Não dá para postar “quando dá”. Hoje, nesta era cada vez mais digital, com as pessoas passando horas em redes sociais e consumindo conteúdo, é fundamental ser ativo nesses canais.

Publique artigos, faça lives, crie um calendário editorial e defina uma frequência para as publicações. Respeite isso e mantenha a regularidade, até em respeito aos seus curtidores e seguidores. É isso que eles esperam de você e da sua marca.

5) Destine uma verba mensal para anúncios nas redes sociais

Trata-se de um grande erro achar que é possível trabalhar nas redes sem fazer campanhas pagas. O alcance orgânico em redes como Facebook e Instagram, por exemplo, está cada vez menor.

Defina um budget mensal para essa estratégia, pois só assim você alcançará um número expressivo de pessoas com seus conteúdos.

6) Ofereça múltiplos canais de atendimento

Nem pense em oferecer apenas telefone, e-mail ou formulário de contato para seus clientes. Hoje, eles querem mais do que isso.

Atenda também por WhatsApp, Skype, chat e Messenger, por exemplo. Cada vez mais as pessoas desejam atendimento em tempo real.

Aplique essas estratégias de marketing digital o quanto antes em seu negócio e comece a colher os resultados!

Autor do artigo: Almir Rizzatto é jornalista e pós-graduado em Comunicação Empresarial, Relações Públicas e Marketing. É fundador da agência RZT Comunicação, palestrante, instrutor, consultor e especialista em Marketing Digital. Através da RZT, oferece soluções para profissionais liberais e empresas de todos os portes, além de cursos como os de Marketing Digital e SEO.

vídeos nativos no LinkedIn

Vídeos nativos no LinkedIn: veja 5 dicas de conteúdo para aumentar a audiência

Os vídeos nativos no LinkedIn foram lançados em agosto de 2017 e, após um ano, expandiram bastante na plataforma. Hoje, o recurso está disponível para todas as company pages que estão na rede social.

Usar esse tipo de ferramenta é fundamental em toda estratégia de marketing. De acordo com a pesquisa The State of Video Marketing 2018, mais de 80% das pessoas compram produtos ou serviços após assistirem a conteúdos audiovisuais na internet.

Além disso, segundo o estudo Content Preferences Survey Report 2018, 49% daqueles que acessam à internet preferem consumir vídeos, como formato principal.

O LinkedIn é uma plataforma que está em constante crescimento no Brasil. Um levantamento realizado pela empresa mostrou que, em 2017, o Brasil atingiu a marca de 29 milhões de usuários cadastrados, se tornando o 3º maior mercado da companhia no mundo.

Esses números comprovam que investir em vídeos nativos no LinkedIn é uma das melhores formas, atualmente, para aumentar a audiência do seu negócio. Neste artigo, selecionamos 5 dicas de conteúdo para você produzir em formato de vídeo na plataforma.

Vídeos nativos no LinkedIn: 5 dicas de conteúdo

A forma de postar os vídeos é semelhante às outras redes sociais. Os diferenciais dos vídeos nativos no LinkedIn são as informações obtidas das pessoas que assistem aos conteúdos audiovisuais. A plataforma mostra quem visualizou, qual o cargo dela e onde ela trabalha. São dados úteis para compreender o público e direcionar seus materiais para essa audiência.

Confira abaixo algumas dicas de conteúdo de vídeo para sua company page no LinkedIn:

1 – Publique os bastidores dos trabalhos: os clientes se sentem envolvidos com a marca quando acompanham frequentemente os bastidores dos projetos da empresa. Grave os processos de produção de algum trabalho e poste na rede social. É simples de fazer e vai aumentar a expectativa do público sobre os planos e realizações da companhia.

2 – Faça entrevistas: produza vídeos com pessoas apaixonadas pelos seus trabalhos. Entreviste esses profissionais, que motivam seu público, sejam da sua organização ou de outras empresas.

3 – Mostre seus projetos futuros: compartilhe seus projetos futuros, para criar expectativas sobre o lançamento deles.

4 – Apresente sua empresa: assim como no YouTube, é importante ter vídeos introdutórios, que apresentem a marca ao público que está conhecendo sua empresa agora.

5 – Compartilhe alguma sabedoria: produza algum vídeo contando alguma experiência sua ou de algum profissional, que leve conhecimento ao seu público. Esse tipo de conteúdo gera empatia e conquista audiência.

Agora que você já sabe como aproveitar os vídeos nativos no LinkedIn, planeje seu conteúdo e prepare-se para atrair parcerias e clientes.

*Fontes: Neil Patel; Nerdweb; Rock Content

*Imagem: divulgação

Google Alerts

Google Alerts: 7 dicas para usá-lo no marketing do seu negócio

O Google Alerts foi criado em 2003 pelo engenheiro Naga Kataru, para ser um serviço que detecta novos conteúdos, do interesse do assinante, indexados pelo motor de busca. O usuário que se cadastra, recebe diariamente notificações do assunto por e-mail.

O recurso inclui desde notícias a posts de blog. A ferramenta começou sendo bem útil para assessores de imprensa, que usavam como clipping. Mas, ao longo dos anos, o Google Alerts cresceu e se tornou essencial para quem trabalha com marketing de conteúdo.

Neste artigo, você confere como assinar esse serviço, além de 7 dicas para aplicar em sua estratégia de marketing.

Como receber as notificações do Google Alerts

Para que você receba as atualizações dos temas que te interessam, é preciso realizar um cadastro. Veja a seguir os passos necessários para realizar a inscrição:

– Defina os assuntos: acesse a plataforma e escolha quais termos você quer que o Google Alerts te envie notificações diárias.

– Configure seu e-mail: selecione a conta do Google que você quer receber os e-mails, na caixa “digitar e-mail”.

– Ajuste seu alerta: é possível realizar diversas configurações no Google Alerts. Você pode definir a frequência das notificações, de quais idiomas e regiões deseja recebê-las, entre outros. É só clicar em “Mostrar opções”.

– Finalize: após as configurações, só é necessário concluir a operação e clicar em “Criar alerta”.

7 formas de usar o Google Alerts para o marketing do seu negócio

A ferramenta é pouco conhecida, em relação aos outros serviços do Google, mas, é muito eficaz para ajudar na captação de conteúdo e análise de marca. Confira como usar esse serviço:

1 – Consiga ideias para posts: ao definir um assunto no Google Alerts, você ficará atualizado sobre o que as pessoas estão falando em blogs, fóruns, mídias sociais, entre outros. A ferramenta é útil para desenvolver conteúdo, tanto para seu site ou nas redes sociais, tendo como referência o que a internet está discutindo em relação ao tema escolhido.

2 – Faça Link Building: cadastre o nome da sua empresa, assim como variações dela, como sem espaço ou com alguma característica específica. Quando receber uma notificação, verifique se a menção possui um link para o seu site. Se isso não for o caso, entre em contato com o responsável pela publicação e peça o link. Assim, você terá controle sobre o que está sendo dito e construirá seu Link Building.

3 – Meça sua marca: é possível analisar como sua marca está sendo vista pelo público nesse serviço. Defina o nome da empresa como palavra-chave e você receberá tudo o que está sendo comentado sobre o seu negócio na internet.

Ao saber como sua marca está posicionada, você tem a possibilidade de pensar em estratégias que possam aperfeiçoar o trabalho.

4 – Fique atento à concorrência: use o serviço como uma forma de monitorar a atividade dos seus concorrentes. Fique de olho nas publicações deles e também no que o público está falando sobre a concorrência.

5 – Monitore seus clientes e prospects: a ferramenta também é útil para fazer o monitoramento do que é publicado sobre clientes e prospects. Dessa forma, qualquer novidade pode ser utilizada como vantagem da sua empresa.

6 – Observe as tendências: o Google Alerts também pode mostrar o que os grandes influenciadores do seu ramo de trabalho estão comentando, fazendo ou usando. Fique de olho e fique sempre atualizado, seja para fazer conteúdo, planejar campanhas, entre outros.

7 – Veja quais são os problemas do seu nicho: saiba quais são as principais dificuldades que o público da sua área enfrenta. Você pode usar essas questões para fazer um post de blog ou criar um vídeo no seu canal.

Viu como o Google Alerts é interessante para qualquer negócio? Além de ser gratuito e simples de se cadastrar, o serviço pode oferecer muitas ideias de conteúdo e controle de suas estratégias de marketing.

*Fontes: Neil Patel; Marketing de Conteúdo; Agência Enlink

Imagem: divulgação

IGTV

IGTV: como usar a nova plataforma do Instagram em seu negócio

A nova ferramenta do Instagram, IGTV, foi lançada no dia 2 de junho, durante um evento em São Francisco, nos Estados Unidos, para comemorar a marca de 1 bilhão de usuários no aplicativo.

De acordo com o presidente executivo e um dos fundadores da rede social, Kevin Systrom, uma das propostas do recurso é que os vídeos sejam feitos na vertical, diferentemente das outras plataformas, que priorizam o formato horizontal.

Além disso, a recém-lançada funcionalidade do Instagram visa concorrer com o YouTube, maior plataforma de compartilhamento de vídeos atualmente.

Neste artigo, apresentaremos as principais características do recurso e daremos dicas de como você pode aproveitá-lo em seu negócio.

Onde encontrar o IGTV

Se você já tem o Instagram baixado em seu celular, é possível encontrá-lo na própria interface do aplicativo. Ele está no canto superior direito, acima dos stories e ao lado do Direct, na tela inicial. Também há a opção de fazer o download da funcionalidade em um app separado.

Características do IGTV e como usá-lo

Quem possui a conta verificada ou com alcances maiores na rede social, consegue fazer vídeos de até 1 hora. Para os demais usuários, o tempo fica limitado a 10 minutos, com no mínimo 15 segundos de duração.

Para postar conteúdo no IGTV, é preciso fazer o upload do seu arquivo. A funcionalidade ainda não permite gravar vídeos diretamente, apenas assisti-los.

O Instagram criou um manual para orientar a produção audiovisual na nova plataforma. Para acessá-lo e conferir mais detalhes, clique aqui.

A rede social também possibilita que você gerencie os vídeos pelo seu desktop. No perfil de cada conta, tem a aba “IGTV”.

Os vídeos precisam estar na vertical e devem ter resolução de até 4K (4000 pixels na horizontal e 2000 na vertical).

As transmissões também são segmentadas. O usuário tem a opção de ver conteúdo das categorias “Para você”, “Seguindo”, “Popular” e “Continuar assistindo”.

Para criar um canal, é preciso selecionar o ícone de engrenagem localizado na interface do recurso, no canto inferior direito. Em seguida, é só clicar em “Criar canal” e agir conforme as instruções que vão aparecer.

O que você pode produzir para o IGTV

O Instagram está se tornando uma das redes sociais mais promissoras da atualidade. De acordo com a empresa Bloomberg, o aplicativo pode render US$ 100 bilhões ao Facebook. Então, vale a pena investir na plataforma. Confira algumas dicas:

Produza conteúdo original: não publique vídeos repetidos no recurso, como materiais que já tenham sido postados em seu canal no YouTube. Invista em um conteúdo diversificado, que seu público queira ver e você ainda não teve como divulgar em outros locais.

Faça entrevistas: esse formato é interessante na nova plataforma, já que ela tem uma duração maior e os vídeos não são apagados.

Divulgue tutoriais: se sua empresa vende algum tipo de produto ou serviço, postar conteúdos de “Do It Yourself” e dicas de como utilizar a mercadoria, também podem atrair seu público.

Apresente seu trabalho: aproveite para mostrar sua expertise, além das vantagens e características do que você faz ou vende.

Desenvolva webinars: esse tipo de seminário é muito adequado nesse ambiente, pois você já tem o público-alvo inscrito no seu perfil na rede. Você também pode inserir links para landing pages nos vídeos.

Responda dúvidas: o espaço é propício para sanar as dúvidas mais frequentes dos seus clientes. Aproveite que a plataforma não exclui o conteúdo e conquiste seu público esclarecendo questionamentos deles.

Agora que você já conhece o IGTV, que tal experimentar a ferramenta? Ela pode ser uma ótima fonte para fidelizar e conquistar ainda mais clientes.

Fontes: Rock Content; Mateada; Dose de Marketing; Inforce

pesquisa por voz

Pesquisa por voz: como aplicar em sua estratégia de marketing

Com certeza você já deve ter visto alguém usar a pesquisa por voz do Google. Muito popular entre os adolescentes, esse recurso tem conquistado por ser mais rápido e prático que a digitação. Além de apresentar resultados com agilidade, algo bem valorizado atualmente.

Uma pesquisa realizada pela Voice Labs em 2017 mostrou que há 33 milhões de dispositivos de voz em circulação no mundo. E esse número tende a crescer, com os avanços que o Google tem feito. A empresa Gartner fez um levantamento no ano passado e verificou que pesquisas por conversação se tornarão ainda mais populares num período de 5 a 10 anos.

A última conferência anual Google I/O, realizada em maio, revelou que seu assistente pessoal, uma espécie de evolução do Google Now, fará ligações sozinho, sob o comando do usuário. Tecnologias assim indicam que algumas práticas, como a pesquisa por voz, vão ser ainda mais comuns. Então, é preciso estar preparado e verificar adaptações.

Mas, como usar a pesquisa por voz no marketing? Neste artigo você vai descobrir como essa ferramenta faz operações e quais as maneiras de aplicá-la na sua estratégia.

Entenda o funcionamento da pesquisa por voz

Desde que o algoritmo de ranqueamento Hummingbird sofreu uma atualização, em 2013, o Google passou a entender melhor as consultas dos usuários. Antes, ele considerava apenas as palavras-chave. Mas, agora ele também interpreta a intenção da busca. Isso indica que vai aparecer nas pesquisas o que é mais relevante para a pessoa, se considerar o que ela procura e o motivo.

O Google também já vinha percebendo que as pesquisas por voz costumam conter palavras de questionamento, como “quais”, “quando”, “onde”, entre outras. Estas expressões são mais usuais nas conversas, em momentos que o usuário está dirigindo, por exemplo.

Além disso, quando alguém usa este recurso, geralmente utiliza palavras-chave de cauda longa, mais extensas. Nesta atualização, os algoritmos aperfeiçoaram o entendimento em linguagem natural.

Como fazer a otimização de pesquisas por voz

Com o crescimento dos assistentes pessoais como Google Assistant, Siri, da Apple, Alexa, da Amazon, Cortana, do Windows, entre outros, que usam a voz como comando, muitas empresas estão precisando adaptar suas estratégias de marketing.

Para começar, você deve entender como o seu público pensa e de que forma ele pode elaborar uma pergunta mais natural em relação ao seu negócio.

Um programa que auxilia nessa questão é o “Answer the Public”. Ao inserir uma palavra-chave no software, ele apresenta diversas perguntas naturais que as pessoas podem fazer sobre aquele termo.

Outros aplicativos interessantes para essa finalidade são: Google Search Console; Question Samurai e StoryBase.

De quais formas a otimização pode ser feita

Ao compreender o funcionamento da pesquisa por voz e como sua audiência pode pensar, é preciso colocar em prática sua otimização. Conheça algumas maneiras para realizá-la:

Crie ou atualize seu FAQ: se você ainda não tem uma página de perguntas frequentes, chegou a hora de fazer uma. Caso já tenha, atualize com questões que podem ser feitas de forma natural pelas pessoas.

Faça um cadastro do seu site no Google Meu Negócio: segundo o Google, as pesquisas com a expressão “perto de mim” tiveram um aumento de 130%.
Isso indica que é comum usar a pesquisa por voz quando se quer fazer ou comprar algo numa região próxima. Então, é interessante se cadastrar nesta plataforma.

Deixe seu site responsivo: como as buscas por voz são feitas por dispositivos móveis, na maioria dos casos, é aconselhável deixar sua página adaptada para a versão mobile. Dessa forma, o público não sentirá dificuldades em achar as informações que precisa e continuará a acessar seu website.

Apareça nos featured snippets: os cartões com respostas que surgem no topo da página de resultados do Google são chamados de featured snippets. Alguns assistentes de voz leem mais estas caixas ou mostram este resultado na tela do celular da pessoa. Então, vale investir na otimização do seu conteúdo.

Agora que você viu como as pesquisas por voz estão em crescimento e aprendeu maneiras de aparecer nestas buscas, chegou a hora de incrementar este plano em sua estratégia de marketing.

Fontes: Neil Patel; Rock Content; MKT Virtual; Agência Mestre