Posts

Young businesspeople clapping for female colleague after presentation at desk in office

A comunicação e sua importância na vida profissional

Roupa adequada, cursos de extensão, larga experiência profissional. Parece o cenário perfeito para um candidato em uma entrevista de emprego, porém, há um fator determinante que o fará ser aprovado ou não: sua capacidade de oratória. Para Carlos Drummond de Andrade, um bom orador convence a si mesmo antes de convencer um auditório. Comunicar-se bem exige, acima de tudo, autoconfiança.

Se a pessoa não souber se comunicar ao falar de si, mesmo tendo um currículo brilhante, as chances de contratação serão nulas. É óbvio que todos temos a capacidade de nos comunicar, no entanto, a sociedade classifica como alguém bem sucedido o sujeito que se “vende bem”, fala com propriedade, naturalidade, não tem medo e possui desenvoltura no falar.

Mãos frias, coração acelerado e boca seca são comuns mesmo em grandes oradores e não são exclusividade dos tímidos. O que os separa, entretanto, é apenas um detalhe: saber dominar essas emoções. Por conta disso, muitos estão procurando aperfeiçoar sua oratória com a finalidade de melhorar a comunicação no dia-a-dia, em diferentes situações.

Além de falar bem, é preciso escrever bem e saber se comunicar por escrito. Muitos negligenciam o português e dão mais importância para a fluência em outros idiomas, mas um e-mail mal escrito pode ferir sua imagem de um modo catastrófico.

Por que empresas buscam pessoas que saibam se comunicar?

Pessoas que se comunicam bem são o alvo das empresas, independentemente do cargo e perfil. Mas por quê? Um bom comunicador geralmente se sai melhor em apresentações em público, sabe motivar sua equipe, é um bom líder, obtém sucesso em reuniões com clientes e nas vendas, se sai bem em entrevistas, negociações, palestras, no famoso “networking”, etc.

A boa notícia é que a comunicação é como a música: todos podem aprender. Claro que alguns terão menos dificuldades, o que é esperado, mas todos podem desenvolver habilidades de comunicação. Quer melhorar sua posição no mercado de trabalho? Aprenda a se comunicar melhor!

(Com informações da Catho)

business, career and office concept - smiling businesswoman at job interview in office

12 dicas para a linguagem corporal durante uma entrevista

Uma entrevista de emprego bem-sucedida depende de vários fatores. Porém, mesmo que você tenha um ótimo currículo, com experiências, cursos e cases de sucesso, há ainda uma característica que, se você não dominar, pode se sair mal: a linguagem corporal.

Mesmo que o entrevistador não conheça muito do assunto, a linguagem corporal impacta para uma primeira (e talvez última) impressão. Para ter uma chance a mais, siga essas 12 dicas abaixo para mudar a mensagem que você passa com o corpo durante uma entrevista.

1) Cumprimente todos com um leve sorriso

O primeiro recado que você passa está no rosto. Sorrir suavemente para todos denota segurança e simpatia. O sorriso é uma arma poderosa para criar um vínculo interpessoal imediato.

2) Evite apertos de mão por cima da mesa

É importante evitar o cumprimento por cima da mesa do entrevistador, pois a posição fará com que você receba um aperto de mão com as palmas viradas para baixo. Isso o colocará simbolicamente numa posição inferior em relação ao entrevistador. O ideal é se aproximar da mesa, dar um passo à esquerda e cumprimentar a outra pessoa com a sua mão por cima.

3) Mantenha a coluna reta

Se recostar para trás ao ouvir uma pergunta ou segurar os braços da cadeira, transmitirá ansiedade, tensão e insegurança. Manter as costas eretas ou ligeiramente inclinadas na direção do outro demonstra equilíbrio e interesse na situação.

4) Faça contato visual nas horas certas

Se você fixar o olhar por muito tempo em outra pessoa, ela pode se sentir desconfortável e constrangida. O ideal é olhar para o rosto do entrevistar durante cerca de 70% do tempo, com foco no triângulo entre os olhos e a boca.

5) Tenha uma expressão facial neutra

Uma expressão serena, confiável e neutra traz mais chances do que fazer caretas, principalmente se o assunto for algo que o desagrade.

6) Elimine hábitos que denotem nervosismo

Evite roer as unhas, mexer no celular e cabelo, morder a ponta da caneta ou brincar com objetos, como colares, relógios e pulseiras. Hábitos como esses demonstram ansiedade e insegurança.

7) Gesticule enquanto fala (mas sem exagerar)

Enquanto fala, suas mãos podem gesticular para acrescentar expressividade à sua fala. Mas cuidado para não exagerar, pois gesticular demais pode tirar a atenção do recrutador sobre a sua fala.

8) Não cruze os braços
Cruzar os braços na frente do corpo pode causar a impressão de que você está querendo se defender do outro, principalmente, quando é a sua vez de responder ou perguntar algo.

9) Movimentos discretos em concordância com a cabeça

É importante fazer pequenos sinais de concordância com a cabeça enquanto recebe informações. Isso demonstra interesse e facilita a conexão pessoal com o entrevistador.

10) Não use a bolsa como escudo

Carregue a bolsa ou a pasta sempre ao lado do corpo, de preferência do lado esquerdo, para deixar a mão direita livre para cumprimentos. Ao se sentar, não coloque o objeto na frente do corpo, pois pode causar uma barreira entre você e o recrutador.

11) Incline-se para frente ao ouvir perguntas

Além da importância da coluna reta, também vale reclinar o corpo ligeiramente para frente enquanto o entrevistador pergunta algo. É uma forma simples de transmitir humildade, disposição e abertura para as demandas do outro.

12) Saia da sala de forma confiante

Antes de sair da sala, arrume seus pertences com calma e dê um aperto de mão no entrevistador. Se a porta estava fechada quando você entrou, é importante fechá-la ao sair, olhando para o entrevistador e, de preferência, com um último sorriso no rosto.

(Com informações da Exame.com)